Quedas em idosos e sua relação com uso de medicamentos e sedentarismo: visão de uma população na atenção primária

Milton Humberto Schanes dos Santos, Emilio Hideyuki Moriguchi, Danilo Blank

Resumo


O envelhecimento populacional acelerado brasileiro traz sérios desafios: aumento das quedas e redução da capacidade funcional. A relação de quedas nesta faixa etária com medicamentos e sedentarismo é bem conhecida. Materiais direcionados aos pacientes e profissionais de saúde carecem da subjetividade popular, focando nos fatores de risco ambientais e epidemiologia. Este estudo analisou qualitativamente entrevistas de 13 frequentadores de 47 a 87 anos de idade de um posto de saúde de Porto Alegre, com o objetivo de registrar os aspectos subjetivos do conhecimento popular da relação existente entre a ocorrência de quedas, sedentarismo e uso de medicamentos em idosos. Metas derivadas dessa principal são sensibilizar profissionais de saúde para a implementação de ações educativas e elaborar um material educativo para esses profissionais. Entrevistas realizadas em duplas ou trios sob roteiro semiestruturado foram gravadas utilizando-se telefone celular. Dados obtidos submetidos à análise de conteúdo do tipo temática descrita por Minayo. Vídeos foram editados e disponibilizados restritamente como parte do material. Doenças, sintomas, equilíbrio e medicamentos é categoria que destacou benzodiazepínicos e analgésicos como favorecedores de quedas, assim como doenças, dores, automedicação e falta de cálcio.  Analgésicos e ansiolíticos protegeriam de quedas, paradoxalmente, assim como cálcio, vitamina D e alendronato. Ambiente, atividade física e envelhecimento destaca inadequação estrutural e de acessibilidade, dinapenia, sarcopenia, alterações de memória, marcha, equilíbrio e flexibilidade, além da redução da acuidade visual e atenção como favorecedores de quedas. Exercícios físicos, mesmo tardios, estruturas físicas dos lares, banhos de sol, condicionamento físico, caminhar, subir escadas, musculação e atividades domésticas preveniram quedas. Outra categoria, elementos de apoio, destacou ansiedade, depressão, desânimo, medo de cair novamente, isolamento social, ausência de apoio familiar ou de bengala como favorecedores de quedas. Acompanhamento médico e psicológico, presença de familiar ou acompanhante ao sair, estímulo ao autocuidado, diminuição da ansiedade, uso de bengalas, orientações aos pedestres e aos cuidadores de idosos e forte rede de relações as preveniram.


Texto completo:

PDF

Referências


BARKER, A. L. et al. RESPOND - a patient centred programme to prevent secondary falls in older people presenting to the emergency department with a fall: protocol for a multicenter randomized controlled trial. Injury Prevention, London, v. 21, no. 1, p. 1-7, 2015.

BARROS, C. F. M. Casa Segura: uma arquitetura para a maturidade. Rio de Janeiro: Pod Editora, 2000.

BARROS, S. S.; SOUZA, G. S. M.; UCHOA, E. P. B. Correlação entre inatividade física, polifarmácia e quedas em idosos. ConScientia e Saúde, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 37-45, 2012.

BRASIL. Lei 9610, de 19 de fevereiro de 1998. Sobre direitos autorais. Brasília, 1998.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 1.395, de 10 de dezembro de 1999. Aprova a Política Nacional de Saúde do Idoso. Brasília, 1999.

CABERLON, I. C.; BOS, A. J. G. Diferenças sazonais de quedas e fraturas em idosos gaúchos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 12, p. 3743-3752, 2015.

CARPENTER, C. R. et al. Predicting geriatric falls following an episode of emergency department care: a systematic review. Academic Emergency Medicine, Des Plaines, v. 21, no.10, p. 1069-1082, Oct. 2014.

CUNHA, A. A.; LOURENÇO, R. A. Quedas em idosos: prevalência e fatores associados. Revista HUPE, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 21-29, 2014.

DELLAROZA, M. S. G. et al. Associação entre dor crônica e autorrelato de quedas: estudo populacional SABE. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n. 3, p. 522-532, 2014.

EL-KHOURY, F. et al. Effectiveness of two year balance training programme on prevetion of fall induced injuries in at risk women aged 75-85 living in community: ossébo randomized controlled trial. British Medical Journal, London, v. 351, h3830, p. 1-11, 2015. Disponível em:

. Acesso em: 27 jul. 2018.

FALSARELLA, G. R.; GASPAROTTO, L. P. V.; COIMBRA, A. M. V. Quedas: conceitos, frequências e aplicações à assistência ao idoso. Revisão de literatura. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 897-910, 2014.

FABRICIO, S. C. C.; RODRIGUES, R. A. P.; COSTA JUNYOR, M. L. Causas e consequências de quedas de idosos atendidos em hospitais públicos. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 93-99, 2004.

FOLSTEIN, M. F.; FOLSTEIN, S. E.; MCHUGH, P. R. “Mini-mental state” A practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J. Psychiatr. Res., Stanford, v.12, no. 3, p.189-198, 1975.

GASPAROTTO, L. P. R.; FALSARELLA, G. R.; COIMBRA, A. R. V. As quedas no cenário da velhice: conceitos básicos e atualidades da pesquisa em saúde. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 201-209, 2014.

GILLESPIE, L. D. et al. Interventions for preventing falls in older people living in the community (Review). Cochrane Database of Systematic Reviews, n. 9, p. 1-416, 2012.

GUBEL, V. M. C. A. Relação entre quedas e fragilidade em idosos da comunidade-Dados do FIBRA. (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

HWANG, H. F. et al. Effects of home-based tai-chi and lower extremity training and self-practice on falls and functional outcomes in older fallers form the emergency department- a randomized controlled trial. Journal of American Geriatrics Society, New York, v. 64, no. 3, p. 518-525, Mar. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico. Rio de Janeiro, 2010.

JUDGE, J. American geriatrics society workgroup on vitamin D supplementation for older adults. Recommendations abstracted from the American Geriatrics Society consensus statement on vitamin D for prevention of falls and their consequences. J. Am. Geriatr. Soc., New York, v. 62, no. 1, p. 147-152, 2014.

KALACHE, A. O mundo envelhece: é imperativo criar um pacto de solidariedade social. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 1107-1111, 2008.

KALYANI, R. R. et al. Vitamina D treatment for prevention of falls in older adults: systematic reviews and meta-analysis. J. Am. Ger. Soc., New York, v. 58, no. 7, p. 1299-1310, 2010.

KEALL, M. D. et al. Cost-benefit analysis of fall injuries prevented by a programme of home modifications: a cluster randomized controlled trial. Injury Prevention, London, v. 23, no. 1, p. 22-26, 2017.

KOJIMA, G. et al. Frailty predicts short-term incidence of future falls among British community dwelling older people: a prospective cohort study nested within a randomized controlled trial. BMC Geriatrics, London, v. 15, no. 155, p. 1-8, 2015.

JANGNOOR, J. et al. A qualitative study on the perceptions of preventing falls as a health priority among older people in Northern India. Inj. Prev., London, v. 20, p. 29-34, 2014.

LEE, D. C. A. et al. What factors influence older adults to discuss falls with their health-care providers? Health Expectations, West Sussex, v. 18, p. 1593-1609, 2013.

LIMA, D. A.; CEZARIO, V. O. Quedas em idosos e comorbidades clínicas. Revista HUPE, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 30-37, 2014.

MALLMANN, D. G. et al. Educação em saúde como principal alternativa para promover a saúde do idoso. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 6, p. 1763-1772, 2015.

MARIN, M. J. S. et al. Caracterização do uso de medicamentos entre idosos de uma unidade do Programa de Saúde da Família. Cad. Saúde Pública, São Paulo, v. 24, n. 7, p. 1545-1555, 2008.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2010.

MIRELMAN, A. et al. Addition of a non-immersive virtual reality component to treadmill training to reduce fall risk in older adults (V-TIME): a randomised controlled trial. Lancet, London, v. 388, p. 1170-1182, 2016.

MONTALI, F. et al. Impact of different drug classes on clinical severity of falls in an elderly population: Epidemiological survey in trauma center. Journal of Clinical Gerontology and Geriatrics, Roma, v. 6, p. 63-67, 2015.

MORSCH, P.; MYSTIW, M.; MYSTIW, W. A problematização da queda e a identificação dos fatores de risco. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 11, p. 3565-3574, 2016.

MURAD, M. H. et al. The effectofvitamin D onfalls: a systematicreviewand meta-analysis. J. Clin. Endocrinol Metabol., Washington, v. 96, no. 10, p. 2997-3006, 2011.

NEELEMAAT, F. et al. Short-term oral nutritional intervention with protein and vitamin D decreases falls in malnourished older adults. J. Am. Geriatr. Soc., New York, v. 60, no. 4, p. 691-699, 2012.

NICOLUSSI, A. C. et al. Qualidade de vida em idosos que sofreram uma queda: revisão integrativa da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 723-730, 2012.

OLIVEIRA, A. S. et al. Fatores ambientais e risco de quedas em idosos: revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 637-645, 2014.

OLIVEIRA, M. G. et al. Consenso brasileiro de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. Geriatrics, Gerontology and Aging (Online), Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p. 1-14, 2016. Disponível em:

< http://www.ggaging.com/details/397/pt-BR/brazilian-consensus-of-potentially-inappropriate-medication-for-elderly-people>. Acesso em: 25 jul. 2018.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

O’MAHONY, D. et al. STOPP/START criteria for potentially inappropriate prescribing in older people: version 2. Age and Ageing, London, v. 44, no. 2, p. 213-218, 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: OMS, 2005.

PASQUETTI, P.; APICELLA, L.; MANGONE, G. Pathogenesis and treatment of falls in elderly. Clinical Cases in Bone and Mineral Metabolism, Roma, v. 11, no. 3, p. 222-225, 2014.

PEREIRA, G. N. et al. Fatores socioambientais associados a ocorrência de quedas em idosos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 12, p. 3507-3514, 2013.

PINHEIRO, M. M. et al. Risk factors for recurrent falls among brazilian women and man: the Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 89-96, 2010.

PLUIJM, S. M. et al. A risk profile for identifying community-dwelling elderly with a high risk of recurrent falling: results of a 3-year prospective study. Osteoporos Int., Geneva, v. 17, no. 3, p. 417-425, 2006.

POHL, P. et al. Fall risk awareness and safety precautions taken by older community dwelling women and men-a qualitative study using focus groups discussions. PLOS ONE, London, v. 10, no. 3, p. 1-15, 2015.

REZENDE, C. P.; GAEDE-CARRILLO, M. R. G.; SEBASTIÃO, E. C. O. Quedas entre idosos no Brasil e sua relação com uso de medicamentos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 12, p. 2223-2235, dez. 2012.

ROSSETIN, L. L. et al. Indicadores de sarcopenia e sua relação com fatores intrínseco e extrínseco. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 399-414, 2016.

SIQUEIRA, F. V. et al. Prevalência de quedas em idosos no Brasil: uma análise nacional. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 9, p. 1819-1826, 2011.

SOARES, W. J. S. et al. Fatores associados a quedas e quedas recorrentes em idosos: estudo de base populacional. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 49-60, 2014.

STENHAGEN, M. et al. Falls in the general elderly population a 3- and 6- year prospective study of risk factors using data from the longitudinal population study “good ageing in skane”. BMC Geriatrics, London, v. 13, no. 81, p. 1-11, 2013.

SUELVES, J. M.; MARTÍNEZ, V.; MEDINA, A. Lesiones por caídas y factores associados em personas mayores de Cataluna, Espãna. Rev. Panam. Salud Pública, Washington, v. 27, no. 1, p. 37-42, 2010.

SWIFT, C. G.; ILIFFE, S. Assessment and prevention of falls in older people- concise guidance. Clinical Medicine, London, v. 14, no. 6, p. 658-662, 2014.

TEIXEIRA, L. E. P. P. et al. Efeitos do exercício na redução de quedas em mulheres idosas com osteoporose Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 461-471, jul./set. 2013.

TEIXEIRA, L. F. Nível de atividade física e quedas em idosos da comunidade: um estudo exploratório. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

THIBAUD, M. et al. Impact of physical activity and sedentary behavior on fall risks in older people: a systematic review and meta-analysis of observational studies. European Review of Aging and Physical Activity, European Group for Research into Elderly and Physical Activity, v. 9, p. 5-15, 2012. Disponível em:

. Acesso em: 25 jul. 2018.

TIEDEMANN, A.; SHERRINGTON, C.; LORD, S. R. The role of exercise for fall prevention in older age. Motriz, Rio Claro, v. 19, no. 3, p. 541-547, 2013.

TINETTI, M. E. et al. Antihypertensive medications and serious fall injuries in a nationally representative sample of older aults. JAMA Internal Medicine, Chicago, v. 174, no. 4, p. 588-595, 2014.

TRIBESS, S.; VIRTUOSO JUNIOR, J. S.; OLIVEIRA, R. J. Atividade física como preditora de ausência de fragilidade em idosos. Rev. Assoc. Med. Bras., Rio de Janeiro, v. 58, n. 3, p. 341-347, 2012.

UTIDA, R. A. M.; BUDIB, M. B.; BATISTA, A. P. Medo de cair associado a variáveis sociodemográficas, hábitos de vida e condições clínicas em idosos atendidos pela Estratégia de Saúde da Família em Campo Grande-MS. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 441-452, 2016.

UUSI-RASI, K. et al. Exercise and vitamin d in fall prevention among older women: a randomized clinical trial JAMA Internal Medicine, Chicago, v. 175, no. 5, p 703-711, 2015.

VIEIRA, R. A. Fragilidade, quedas e autoeficácia em idosos brasileiros: dados da rede FIBRA. (Tese de doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.