Percepções dos profissionais de saúde do SUS sobre religiosidade/espiritualidade no contexto hospitalar

Tiago D'Oliveira Silva, Luciana Fernandes Marques

Resumo


Sendo o Brasil um país de uma enorme diversidade religiosa, pode-se inferir que a demanda para trabalhar as intersecções da religiosidade e espiritualidade (R/E) nos atendimentos de saúde pode ser maior do que o esperado e maior do que os profissionais de saúde estejam preparados para lidar. Este trabalho buscou investigar se os profissionais de saúde de um hospital-escola de Porto Alegre têm algum aprendizado formal dentro das suas formações sobre o tema da R/E e o quanto estão receptivos para lidar com religiosidades/espiritualidades diferentes da sua e talvez desconhecidas. Foi feita uma entrevista semiestruturada com 14 profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais) com o objetivo de conhecer as percepções deles no que se refere a como abordam a questão da R/E no contexto hospitalar. Após análise de conteúdo, os resultados foram divididos em três eixos temáticos: boas e más práticas de assistência espiritual no contexto hospitalar, R/E na saúde e formação. Cada um desses eixos foi subdividido e agrupado em outras categorias. Foi possível observar que o tema da R/E aparece cotidianamente no contexto hospitalar, ora promovendo reflexões e incentivando uma maior integralidade no cuidado com o paciente, ora sendo invisível ou de difícil abordagem. As conclusões apontam para a necessidade de maior inserção do tema da R/E na graduação e maior oferta de educação continuada nesses temas no sentido de gerar uma formação mais adequada para que os profissionais de saúde no contexto hospitalar possam instrumentalizar-se com essa temática.


Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, J. D. et al. Religious beliefs and cancer screening behaviors among Catholic Latinos: implications for faith-based interventions. Journal of Health Care for the Poor and Underserved, Thousand Oaks, v. 25, no. 2, p. 503-526, May 2014.

ALTMANN, W. Censo IBGE 2010 e Religião (IBGE 2010 Census and Religion). Horizonte, Belo Horizonte, v. 10, n. 28, nov. 2012. Disponível em:

. Acesso em: 31 jul. 2018.

ALVES, J.S.; JUNGES, J. R.; LÓPEZ, L. C. A dimensão religiosa dos usuários na prática do atendimento à saúde: percepção dos profissionais de saúde. Mundo saúde, São Paulo, v. 34, n. 4, p. 430-436, 2010.

ASHMOS, D. P.; DUCHON, D. Spirituality at work: a conceptualization and measure. Journal of Management Inquiry, San Antonio, v. 9, no. 2, p. 134-145, June 2000.

BRASIL. Portaria no 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2006.

BRASIL. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Humaniza SUS - Política Nacional de Humanização: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde Brasília, 2004. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2015.

CASTILHO, C. N.; CARDOSO, P. T. Espiritualidade, religiosidade e religião nas políticas públicas de saúde: um olhar para a integralidade. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social, Uberaba, v. 3, n. 1, p. 28-39, 2015. Disponível em:

. Acesso em: 31 jul. 2018.

CAVALHEIRO, C. M. F.; FALCKE, D. Espiritualidade na formação acadêmica em psicologia no Rio Grande do Sul. Estudos de Psicologia (Campinas), Campinas, v. 31, n. 1, p. 35-44, mar. 2014.

DEWALL, C. N. et al. Explaining the relationship between religiousness and substance use: Self-control matters. Journal of Personality and Social Psychology, Washington, v. 107, no. 2, p. 339-351, 2014.

ESPÍRITO SANTO, C. C. et al. Diálogos entre espiritualidade e enfermagem: uma revisão integrativa da literatura. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 18, n. 2, jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2016.

EVANGELISTA, C. B. et al. Spirituality in patient care under palliative care: a study with nurses. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 176-182, 2016. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 201o.

KOENIG, H. G. Religion, spirituality, and medicine: research findings and implications for clinical practice. Southern Medical Journal, Birmingham, v. 97, no. 12, p. 1194-1200, dez. 2004.

_____. Research on religion, spirituality, and mental health: a review. Canadian Journal of Psychiatry, Ottawa, v. 54, no. 5, p. 283-291, 2009.

_____. Spirituality in patient care: why, how, when, and what. 3rd ed. West Conshohocken, PA: Templeton Press, 2013. 344 p.

LAABS, J. J. Balancing spirituality and work. Personnel Journal, Baltimore, v. 74, no. 9, p. 60-77, 1995.

LATOUR, B. “Não congelarás a imagem”, ou: como não desentender o debate ciência-religião. Mana, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 349-376, out. 2004. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2018.

LIND, B.; SENDELBACH, S.; STEEN, S. Effects of a spirituality training program for nurses on patients in a progressive care unit. Critical Care Nurse, Secaucus, v. 31, no. 3, p. 87-90, July 2011.

MARR, L.; BILLINGS, J. A.; WEISSMAN, D. E. Spirituality training for palliative care fellows. Journal of Palliative Medicine, Larchmont, v. 10, no. 1, p. 169-177, Feb. 2007.

MINAYO, M. C. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 621-626, mar. 2012.

MOREIRA-ALMEIDA, A.; KOENIG, H. G.; LUCCHETTI, G. Clinical implications of spirituality to mental health: review of evidence and practical guidelines. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 176-182, abr. 2014.

PANZINI, R. G.; BANDEIRA, D. R. Coping (enfrentamento) religioso/espiritual. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 34, p. 126-135, 2007.

PERES, M. F. P. et al. A importância da integração da espiritualidade e da religiosidade no manejo da dor e dos cuidados paliativos. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 34, p. 82-87, 2007.

QUEIROZ, N. R.; PORTELLA, L. F.; ABREU, A. M. M. Associação entre o consumo de bebidas alcoólicas e tabaco e a religiosidade. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 28, n. 6, p. 546-552, dez. 2015.

SCOTT, M. et al. Influencia de pares, familia, espiritualidad, entretenimiento y consumo de drogas en estudiantes de Universidad en Manabi, Ecuador. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 24, n. spe, p. 154-160, 2015.

SILVA, E. V. M. et al. A formação de profissionais de saúde em sintonia com o SUS: currículo integrado e interdisciplinar. Núcleo de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde do CONASEMS. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

SOUZA, V. M. et al. Espiritualidade, religiosidade e crenças pessoais de adolescentes com câncer. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 68, n. 5, p. 791-796, out. 2015.

WASNER, M. et al. Effects of spiritual care training for palliative care professionals. Palliative Medicine, Cambridge, v. 19, no. 2, p. 99-104, Feb. 2005.

WEBER, S. R.; PARGAMENT, K. I. The role of religion and spirituality in mental health. Current Opinion in Psychiatry, Philadelphia, v. 27, no. 5, p. 358–363, Sep. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.