Trabalho humanizado x desrespeito, crueldade e negligência: um caso em hospital psiquiátrico de Porto Alegre

Paulo Peixoto de Albuquerque, Carmen Lucia Bezerra Machado

Resumo


Anúncios trazem inquietudes e abrem portas para conhecimentos subjacentes ao SUS e à humanização proposta como política pública no caso particular da saúde mental (2001) e do trabalho humanizado (2008), particularmente no município de Porto Alegre. Pela metodologia dialógica mediante o registro sistemático de memórias de integrantes do PPGEnSau, compartilhadas em sala de aula, visando dar visibilidade e dizibilidade, e promover: - a apreensão dos processos de trabalho e de formação para o ensino na saúde; - a reflexão acerca dos entendimentos, impasses, queixas, mudanças, possibilidades e impossibilidades, do atendimento no trabalho em saúde mental; e, - o acompanhamento, análise e discussão de narrativa de familiares de um trabalhador da saúde. Problematizando os caminhos propostos, os ajustes necessários e os estranhamentos emergentes frente aos documentos e sites oficiais disponíveis na rede informatizada, emerge a condição de trabalhadores e trabalhadoras a quem cabe ampliar possibilidades, lidar com as diversidades, produzir autonomia, valorizar os sujeitos, enfim, entender o processo de criação, experienciação na condição de racionalização, precarização e terceirização do trabalho. Antonio Gramsci sustenta as reflexões sobre as condições materiais para a consecução e a compreensão dos processos de trabalho humanizado com vistas à produção de novas ferramentas. Tornar as falas/discursos e o texto legal num “quefazer” e em práticas capazes de atender/efetivar ao preconizado, no contexto econômico social e político brasileiro, é o desafio. O atendimento que culpabiliza evidencia desrespeito, crueldade e negligência para com o corpo e a mente de trabalhadores da área da saúde, da saúde mental, pacientes e cidadãos envolvidos. Encerrando o texto e permanecendo em diálogo entre a necessidade e o produtivismo, entre corpo e mente, o individual e o coletivo, o profissional e o trabalho coletivizado, o privado e o público, emergem saberes que compõe a formação do Ensino na Saúde. Recria-se o humano.

Texto completo:

PDF

Referências


BORSARI, Danielle Araujo e ROSA, Tereza Etsuko da Costa. Saúde Mental na Atenção Básica em município do interior de São Paulo: A pesquisa-ação como estratégia de fortalecimento da rede de serviços de atenção ao sofrimento psiquico. BIS. N. 15. Suplemento, Dez 2014.

BRASIL. Lei 10.216/2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10216.htm. Acesso em 02 abr 2016.

BRASIL. Lei Orgânica da Saúde – LOS. 8.080/90. DOU. 19 set 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm. Acesso em 02 abr 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Ações e Programas. Portal Saúde, Cidadão. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/acoes-e-programas Acesso em 14 abr 2016.

CALIXTO, Alessandra Mendes. Vamos Jogar Um Jogo? Abordagem de problemas éticos e morais no cuidado em saúde mental a usuários de substâncias psicoativas. 2014. 117 p. Dissertação de Mestrado Profisional PPGENSAU/ UFRGS. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/104663/000940092.pdf?sequence=1. Acesso em 30 mar 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Cortez, 2006.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Vol. 4. São Paulo: Civilização Brasileira, 2001.

KASPER, Elisabete. O ensino de saúde pública prepara adequadamente o profissional da saúde? 2006. 120 p. Tese de Doutoramento. FAMED/UFRGS. PPG Ciências Médicas: Pneumologia. Acesso em 30 mar 2016. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10853/000602395.pdf?sequence=1.

LOUZADA, Sérgio Noll. Emergência Psquiátrica no SUS. Psychiatry on line Brasil Vol. 20. Nº 7, Jul 2015. Disponível em http://www.polbr.med.br/ano15/pcl0715.php . Acesso em 02 abr 2016.

MACHADO, Carmen L B. Experienci-ação e formação orgânica de educador@s. In. MACHADO, Carmen Lucia Bezerra; MARCELINO, Ana Lúcia; SILVEIRA, Marner Lopes da (org.). Cartas educativas: uma experienci-ação de resistências, anúncios e fazeres. Porto Alegre: Itapuy, 2010.

MACHADO, Luana. O apoio institucional nos processos de trabalho: ferramenta para o fortalecimento da atenção primária à saúde. 2014. 73 p. Dissertação de Mestrado Profisional PPGENSAU FAMED/UFRGS.

MARX, Karl. O Capital. Livro III, Tomo II. São Paulo: Abril Cultural, 1985.

MÉSZÁROS, István. Para Além do Capital. Rumo a uma teoria da Transição. São Paulo: Editora da Unicamp e Boitempo/Editorial, 2002.

PICCININI, Walmor J. Internamento psiquiátrico: a experiência do Rio Grande do Sul. Psychiatry on line Brasil. Dez 2008. Vol. 13, Nº 12. Disponível em: http://www.polbr.med.br/ano08/wal1208.php . Acessado em 20 mar 2016.

PINHEIRO, Roseni, [et al.] (org.). Experienci(Ações) e práticas de apoio no SUS: integralidade, áreas programáticas e democracia institucional. Rio de Janeiro: CEPESC / ABRASCO, 2014.

PUSTAI, Odalci José. A “ordem” de-vida para o médico pensar o paciente: uma ontologia espinosana de ser humano na medicina. 2006. 229 p. Tese Doutorado em Educação, PPGEDU/UFRGS.

SILVA, Mara Nibia da. O trabalho acadêmico do professor do Curso de Medicina: Contradições num contexto de mudanças na FAMED/UFRGS. 2005. 211 p. Disertação de Mestrado em Educação/UFRGS.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.