Processo de trabalho e agir profissional no cuidado em saúde bucal no Sistema Único de Saúde

Evelise Tarouco da Rocha, Cristine Warmling

Resumo


Introdução: Apesar da formulação de estratégias para a qualificação dos profissionais que atuam no SUS e as mudanças curriculares ocorridas nos cursos de graduação em Odontologia questiona-se efetivas transformações nas práticas das equipes de saúde bucal em direção a um modelo de atenção em saúde pautado na integralidade do cuidado. Objetivos: Este estudo propõe-se a analisar como os processos de trabalho vivenciados pelas equipes de saúde bucal que atuam na rede municipal de saúde de Porto Alegre possibilitam a produção do cuidado em saúde bucal. Metodologia: Trata-se de um estudo de caso com abordagem metodológica qualitativa. Os dados foram produzidos através da realização de quatro grupos focais com quatro equipes de saúde bucal da rede de Atenção Primária do município de Porto Alegre. O estudo também se valeu da observação participante da pesquisadora nos encontros de educação permanente das equipes de saúde bucal, no ano de 2013. Os dados foram analisados com a ajuda do programa de análise qualitativa Nvivo. A base referencial teórica de análise do estudo encontra-se em Schwartz (2007) e nos fundamentos epistemológicos da Análise do Discurso. Resultados: As equipes utilizam diferentes protocolos, renormalizando-os conforme demandas próprias ou de usuários que acessam ao serviço. Referem-se à demanda reprimida, contudo não observam que esta pode estar sendo produzida pelo modo como historicamente se oferta e se processa a produção do cuidado. Relações de trabalho qualificadas devem ser despertadas nos serviços de saúde. O redescobrimento do próprio trabalho pelo trabalhador passa pela compreensão de como ele se insere na atividade dos outros e na vida em sociedade. As equipes não compreendem a problematização dos seus processos de trabalho como um momento de educação permanente e comumente entendem os encontros de educação permanente enquanto espaços apenas normativos. Considerações finais: O estudo ampliou a compreensão sobre o agir profissional para a produção do cuidado em saúde bucal destacando que esse depende da construção de significados a partir do reconhecimento da prática profissional e da realidade das situações de trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, G.C.M.; FERREIRA, M.A.F. Saúde bucal no contexto do Programa Saúde da Família: práticas de prevenção orientadas ao indivíduo e ao coletivo. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 9, p. 2131-2140, Set, 2008.

ARAÚJO, Y.P.; DIMENSTEIN, M. Estrutura e organização do trabalho do cirurgião-dentista no PSF de municípios do Rio Grande do Norte. Ciência & Saúde Coletiva, v. 11, n. 1, p. 2019-227, 2006.

BOSI, M.L.M.; UCHIMURA, K.Y. Avaliação da qualidade ou avaliação qualitativa do cuidado em saúde? Rev. Saúde Pública, v. 41, n. 1, p. 150-3, 2007.

BOTAZZO, C. Integralidade da atenção e produção do cuidado: perspectivas teóricas e práticas para a clínica odontológica à luz do conceito de bucalidade. In: MACAU, M.G.L. Saúde bucal coletiva: implementando ideias, concebendo integralidade. Rio de Janeiro: Rúbio, p. 3-15, 2008.

Sobre a bucalidade: notas para a pesquisa e contribuição ao debate. Cienc. Saúde Coletiva, v.11, n.1, p.7-17, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Universidade de Brasília. Relatório final da 1° Conferência Nacional de Saúde Bucal. Brasília: Ministério da Saúde, 1986. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2014.

Lei Orgânica da Saúde. Lei 8080. Brasília, 1990a. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2014.

Lei Orgânica da Saúde. Lei 8142. Brasília, 1990b. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2014.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica. Caderno 17 – Saúde Bucal. Brasília DF: Ministério da Saúde, 2008.

Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2004a. Disponível em: .Acesso em: 14 mar. 2013.

Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004b.

Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação. Parecer nº CNE/CES 1300/01.Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Farmácia e Odontologia. Brasília, DF, nov. 2001. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2014.

Resolução CNE/CES, 3 de 19 de fevereiro de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Disponível em: . Acesso em: 28 jul 2014.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006.

Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.654, de 19 de julho de 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 ago. 2014.

Ministério da Saúde. Portaria GM nº 1996 de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para implementação da Política Nacional de Educação Permanente em saúde e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2007a.

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde – Pró-Saúde: objetivos, implementação e desenvolvimento potencial/Ministério da Saúde, Ministério da Educação. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2007b.

CAREGNATO, R.C.A.; MUTTI, R.; Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enferm, v. 15, n.4, p. 679-84, 2006.

CECCIM, R. B. Desenvolvimento de competências no trabalho em saúde: educação, áreas do conhecimento e profissões no caso da saúde. Tempus: Actas de Saúde Coletiva, v. 6, p. 253-277, 2012.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L.C.M. O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. Physis (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p.41-65, 2004. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2013.

CECCIM, R.B. et al. Imaginários da formação em saúde no Brasil e os horizontes da regulação em saúde suplementar. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, n. 5, p. 1567-1578, 2008.

COSTA, I.C.C.; ARAÚJO M.N.T. Definição do perfil de competências em saúde coletiva a partir da experiência de cirurgiões-dentistas atuantes no serviço público. Rev.Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, supl. 1, p.1181-1189, 2011.

CUNHA, G.T. A construção da clínica ampliada na atenção básica. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

EMMERICH, A.; CASTIEL, L.D. Dentistry science, Sisyphus and the “chameleon effect”. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.13, n. 29, p.339-51, abr./jun. 2009.

EMMERICH, A.; CASTIEL, L.D. O lagarto e a rosa no asfalto: odontologia dos desejos e das vaidades. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2013.

ESTEBAN, M.P.S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH Editora, 2010.

FACCIN, D.; SEBOLD, R.; CARCERERI, D.L. Processo de trabalho em saúde bucal: em busca de diferentes olhares para compreender e transformar a realidade. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, supl. 1, p. 1643-1652, 2010.

FADEL, C.B; BALDANI, M.H. Percepções de formandos do curso de odontologia sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11 n. 2, p. 339-354, maio/ago. 2013.

FARIA, H.X; ARAUJO, M.D. Uma perspectiva de Análise sobre o Processo de Trabalho em Saúde: produção de cuidados e produção de sujeitos. Rev. Saúde e Sociedade, v.19, n.2, p.429-439, São Paulo, 2010.

FILHO, A.D.S. Processo de trabalho das equipes multiprofissionais sob a lógica da Estratégia de Saúde da Família: o uso de ferramentas de Saúde da Família da construção do cuidado em saúde. In: MOYSÉS, S.T.; KRIGER, L.; MOYSÉS,S.J. Saúde Bucal das famílias: trabalhando com evidências. São Paulo: Artes Médicas, p. 65-80, 2008.

FOUCAULT, M. O Nascimento da Clínica. 7. ed. Rio de janeiro: Forense Universitária, 2011.

FRANCO, T.B. Produção do cuidado e produção pedagógica: integração de cenários do sistema de saúde no Brasil. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v.11, n.23, p. 427-38, set/dez 2007.

GIL, A.C. Estudo de caso. São Paulo: Atlas, 2009.

GOMES, M.C.P.; PINHEIRO, R. Acolhimento e vínculo: práticas de integralidade na gestão do cuidado em saúde em grandes centros urbanos. Interface – Comunic., Saúde, Educ., v. 9, n. 17, p. 287-301, mar/ago 2005.

HARDT, M.; NEGRI, A. Multidão: guerra e democracia na era do império. Rio de Janeiro: Record, 2005, p.100-101.

KELL, M.C.G.; SHIMIZU, H.E. Existe trabalho em equipe no Programa Saúde da Família? Rev. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, Supl. 1, p.1533-1541, 2010.

LIMA, V.V. Competências: distintas abordagens e implicações na formação de profissionais de saúde. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v. 9, n. 17, p. 369-79, mar/ago 2005.

MATTOS, D. As novas diretrizes curriculares e a integralidade em saúde: uma análise das possíveis contribuições da odontologia para o trabalho em equipe. 2006. 168 f. Dissertação (mestrado) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social. Rio de Janeiro, 2006.

MERHY, E.E. Ver a si no ato de cuidar. In: CAPOZZOLO,A.A.; CASETO, S.J.; HENZ, A.O. Clínica comum: itinerários de uma formação em saúde. São Paulo: HUCITEC, p.248-267, 2013.

MOYSÉS, S.J.; ET AL. Apontamentos para estudos e debates sobre a Estratégia Saúde da Família. In: MOYSÉS, S.T.; KRIGER, L.; MOYSÉS,S.J. Saúde Bucal das famílias: trabalhando com evidências. São Paulo: Artes Médicas, p.47-64, 2008.

PEREIRA, I.D.F; LAGES, I. Diretrizes curriculares para a formação de profissionais de saúde: competências ou práxis? Rev. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11 n. 2, p. 319-338, maio/ago. 2013.

PEZZATO, L.M.; L’ABBATE, S. Uma Pesquisa-Ação-Intervenção em Saúde Bucal Coletiva: contribuindo para a produção de novas análises. Saúde Soc. São Paulo, v.21, n.2, p.386-398, 2012.

PEZZATO, L.M.; L’ABBATE, S.; BOTAZZO, C. Produção de micropolíticas no processo de trabalho em saúde bucal: uma abordagem socioanalítica. Ciência & Saúde Coletiva [On-line] 2013, 18. Disponível em: .

PIMENTEL, F.C. et al. Caracterização do processo de trabalho das equipes de saúde bucal em municípios de Pernambuco, Brasil, segundo porte populacional: da articulação comunitária à organização do atendimento clínico. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, p. 146-157, 2012.

PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. Razões públicas para a integralidade em saúde: o cuidado como valor. 2. ed. Rio de Janeiro: IMS/UERJ – CEPESC – ABRASCO, 2009.

POCHMANN, M. Trabalho e formação. Ed. Real, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 491-508, maio/ago 2012. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/edu_realidade>.

RAMOS, D.D.; LIMA, M.A.D.S. Acesso e acolhimento aos usuários em uma unidade de saúde de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 27-34, jan-fev, 2003.

RAMOS, M.N. Conceitos básicos sobre o trabalho. In: FONSECA, A. F; STAUFFER, A. B. (Org.). O processo histórico do trabalho em saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, p. 27-56, 2007.

RAMOS, M.N. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTOS, A.M; et al. Vínculo e autonomia na prática de saúde bucal no Programa de Saúde da Família. Rev Saúde Pública, v. 42, n. 3, p. 464-70.

SANTOS, A.M.; ASSIS, M.M.A. Da fragmentação à integralidade: construindo e (des)construindo a prática de saúde bucal no Programa de Saúde da Família (PSF) de Alagoinhas, BA Rev.Ciência & Saúde Coletiva, v. 11, n. 1, p. 53-61, 2006.

SANTOS, J.A.R. Avaliação das Ações de Saúde Bucal na Estratégia de Saúde da Família no Estado de Pernambuco. 2009. Monografia (residência multiprofissional em saúde coletiva) – Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, 27 p., 2009.

SCHWARTZ, Y. Conceituando o trabalho, o visível e o invisível. Rev. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 9, supl.1, p.19-45, 2011.

SCHWARTZ, Y. Uso de si e competência. In: SCHWARTZ, Y; DURRIVE, L. Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: Eduff, 2007.

SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: Editora da UFF, 2010.

SILVA, M.A.M. O programa nacional de reorientação da formação profissional em saúde (pró-saúde) e a diversificação dos cenários de aprendizagem. 182 f. 2013. Tese de Doutorado - Faculdade de Odontologia da UFMG. Belo Horizonte: 2013.

SMS/PMPA. Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. Coordenação de Atenção Primária, Serviços Especializados e Substitutivos. Área Técnica de Saúde Bucal. Protocolo de Atenção em Saúde Bucal de Porto Alegre: organização da rede e fluxos de atendimento. Porto Alegre: SMS, 2014.

SOUZA, D.S. A participação da Saúde Bucal na Estratégia de Saúde da Família: a experiência do Rio Grande do Sul. In: MOYSÉS, S.T.; KRIGER, L.; MOYSÉS,S.J. Saúde Bucal das Famílias: trabalhando com evidências. São Paulo: Artes Médicas, p. 21-38, 2008.

STARFIELD, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília, DF: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002.

STEPHANOU, M. Discursos médicos, educação e ciência: escola e escolares sob exame. Rev. Trabalho, educação e saúde, v.4, n.1, p 33-64, 2006.

TOASSI, R.F.C. et al. Atenção básica à saúde na educação superior em odontologia: o estágio curricular na faculdade de odontologia da UFRGS. Projeto de Pesquisa., 2011.

TOASSI, R.F.C. Teaching at primary healthcare services within the Brazilian national health system (SUS) in Brazilian healthcare professionals' training. Interface, v.17, n.45, 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 ago. 2014.

TRAJANO, A.R.C.; CUNHA, D.M. O trabalho em Saúde e a Política de Humanização do Sistema Único de Saúde (SUS): o ponto de vista da atividade industriosa na análise do trabalho. Rev. Tempus Actas Saúde Colet., v. 6, n. 4, p. 77-99, 2012.

WARMLING, C.M; et al. Estágios curriculares no SUS: experiências da Faculdade de Odontologia da UFRGS. Revista da ABENO, v.11, n. 2, p. 63-70, 2011. Disponível em: < http://abeno.org.br/ckfinder/userfiles/files/revista-abeno-2011-2.pdf>. Acesso em: 16 ago. 2014.

WARMLING, C. M; BOTAZZO, C; MARZOLA, N. Da autonomia da boca: práticas curriculares e identidade profissional na emergência do ensino da odontologia brasileiro. História, Ciências, Saúde-Manguinhos (Impresso), v. 19, p. 181-195, 2012.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.