Mudanças na educação superior em cursos da saúde: análise da evasão no curso noturno de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Juliana Maciel de Souza, Ramona Fernanda Ceriotti Toassi

Resumo


A partir da proposta do Programa de Apoio ao Plano de Reestruturação e Expansão das

Universidades Federais (REUNI), a Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do

Rio Grande do Sul (UFRGS), que possui um curso diurno de Odontologia desde 1898,

iniciou, em 2010, o curso noturno. Entendendo que, além de garantir o acesso ao ensino

superior são necessárias condições de permanência do estudante no curso até sua conclusão, o

presente artigo propôs-se a analisar a evasão no curso noturno de Odontologia, no período

entre 2010 e fevereiro de 2014. O trabalho faz parte de dissertação vinculada ao Programa de

Pós-graduação em Ensino na Saúde – Mestrado Profissional da UFRGS. A coleta de dados

aconteceu por meio de análise documental (históricos escolares e relatórios do sistema de

graduação) e entrevistas semiestruturadas com estudantes e professores do curso (n=14). Os

dados quantitativos foram digitados no software IBM SPSS Statistics para Windows e

analisados por meio da distribuição de frequências. Já os dados qualitativos foram

interpretados pela análise de conteúdo de Bardin com o apoio do software ATLAS.ti. O

percentual de evasão do curso observado no período foi de 19,9%. Dos estudantes evadidos,

79,2% saíram do curso noturno para cursar Odontologia no período diurno na mesma

instituição. Os principais aspectos relacionados à evasão foram a duração de oito anos do

curso (considerado muito longo), a melhor adaptação ao horário diurno de estudo e a

oportunidade de realizar a transferência interna para o curso de período diurno. Estudantes

relataram que ter um bom emprego durante o dia, poder cursar disciplinas no semestre

seguinte, em caso de reprovação, e um menor tempo de duração do curso são fatores que

podem influenciar a permanência no curso. Os resultados encontrados podem subsidiar a

proposição de estratégias para a permanência do estudante no curso até sua conclusão.


Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, M. G. A universidade, o trabalhador e o curso noturno. Univ. soc. (Brasília), Brasília, v. 1, p. 25-32, fev. 1991.

AL-AMRI, M. et al. Significance of primary factors influencing students’ performance at the College of Dentistry, King Saud University, Saudi Arabia. J. Pak Med. Assoc., Karachi, v. 62, no. 8, p. 816-821, Aug. 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Ed. 70, 2011.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Comissão Especial sobre Evasão nas Universidades Públicas. Diplomação, retenção e evasão nos cursos de graduação em instituições de ensino superior públicas. Brasília, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. REUNI - Reestruturação e Expansão das Universidades Federais: Diretrizes Gerais. Brasília, 2007. Disponível em:

. Acesso em: 24 jan. 2016.

CARDOSO, C. B. Efeitos da política de cotas na Universidade de Brasília: uma análise do rendimento e da evasão. 2008. 134 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília.

CAVALCANTI, A. L. et al. Motivos de ingresso e de evasão dos acadêmicos de odontologia de uma instituição pública. Rev. Fac. Odontol. Araraquara, Araraquara, v. 39, n. 2, p. 95-99, mar./abr. 2010. Disponível em:

. Acesso em: 24 jan. 2016.

FEUERWERKER, L.; ALMEIDA, M. Diretrizes curriculares e projetos pedagógicos: é tempo de ação! Rev. ABENO, Brasília, v. 4, n. 1, p. 14-16, 2004.

FONTANELLA, B. J. B.; RICAS, J.; TURATO, E. R. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. saúde pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 17-27, 2008.

GOMES, M. J. et al. Evasão acadêmica no ensino superior: estudo na área da saúde. Rev. bras. pesqui. saúde, Vitória, v. 12, n. 1, p. 6-13, 2010. Disponível em:

< http://www.periodicos.ufes.br/RBPS/article/download/278/191>. Acesso em: 10 jan. 2016.

MACEDO, A. R. et al. Educação superior no século XXI e a reforma universitária brasileira. Ensaio: aval. pol. públ. educ., Rio de Janeiro, v. 13, n. 47, p. 127-148, 2005. Disponível em:

. Acesso em: 24 jan. 2016.

MORITA, M. C.; KRIGER, L. Mudanças nos cursos de odontologia e a interação com o SUS. Rev. ABENO, Brasília, v. 4, n. 1, p. 17-21, 2004. Disponível em:

. Acesso em: 20 jan. 2016.

SALIBA, N. A. et al. Organização curricular, evasão e repetência no curso de odontologia: um estudo longitudinal. Rev. Fac. Odontol. Araraquara, Araraquara, v. 35, n. 3, p. 209-214, 2006. Disponível em: < http://revodontolunesp.com.br/files/v35n3/v35n3a14.pdf>. Acesso em: 21 jan. 2016.

SILVA, E. T. et al. Factors influencing students’ performance in a brazilian dental school. Braz. dent. j., Ribeirão Preto, v. 2, n. 1, p. 80-86, 2010.

SILVA FILHO, R. L. L. et al. A evasão no ensino superior brasileiro. Cad. pesqui., São Paulo, v. 37, n. 132, p. 641-659, set./dez. 2007. Disponível em:

< http://www.scielo.br/pdf/cp/v37n132/a0737132.pdf>. Acesso em: 24 jan. 2016.

SOUZA, J. M. Trajetória do estudante no curso noturno de odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul: perfil do ingressante, situação acadêmica e motivos de retenção e evasão. 2014. 99 f. Dissertação (Mestrado em Ensino na Saúde). Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

TINTO, V. Dropout from higher education: a theoretical synthesis of recent research. Rev. educ. res., Washington, v. 45, no. 1, p. 89-125, Winter 1975.

TOASSI, R. F. C. et al. Teaching at primary healthcare services within the Brazilian National Health System (SUS) in Brazilian healthcare professionals’ training. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v.17, n. 45, p.385-392, abr./jun. 2013. Disponível em:

< http://www.scielo.br/pdf/icse/v17n45/aop1213.pdf>. Acesso em: 22 jan. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Faculdade de Odontologia. Projeto Político Pedagógico Curso de Odontologia Noturno. Porto Alegre: UFRGS, 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Relatório REUNI/UFRGS. Porto Alegre: UFRGS, 2012. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/prograd/prograd-1/artigos/RelatorioREUNI2012.pdf>. Acesso em: 29 jan. 2016.

VARGAS, H. M.; PAULA, M. F. C. A inclusão do estudante-trabalhador e do trabalhador estudante na educação superior: desafio público a ser enfrentado. Avaliação (Campinas; Sorocaba), Campinas, v. 18, n. 2, p. 459-485, jul. 2013. Disponível em:

. Acesso em: 24 jan. 2016.

VELOSO, T. C. M. A.; ALMEIDA, E. P. Evasão nos cursos de graduação na Universidade Federal de Mato Grosso, campus universitário de Cuiabá – um processo de exclusão. Série-Estudos, Rev. Prog. Pós-Grad. Educ. UCDB, Campo Grande, n. 13, p. 133-148, jan./jun. 2002.

VIDALES, S. El fracaso escolar em la educación media superior. El caso del bachillerato de una universidad mexicana. REICE, Madri, v. 7, n. 4, p. 321-341, 2009. Disponível em: . Acesso em: 24 jan. 2016.

WILLCOXSON, L.; COTTER, J.; JOY, S. Beyond the first-years experience: the impact on attrition of student experiences throughout undergraduate degree studies in six diverse universities. Stud. high. educ. (Dorchester-on-Thames), England, v. 36, no. 3, p. 331-352, May 2011.

YEPES, F. L. et al. Factores causales de la deserción estudiantil en el pregrado de la Facultad de Odontología de la Universidad de Antioquia de 1997 a 2004. Rev. Fac. Odontol. Univ. Antioq., Medelin, v. 19, n. 1, p. 35-48, 2007.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.