Preceptoria como modalidade de ensino na saúde: atuação e características do preceptor cirurgião-dentista da atenção primária

Patrícia Flores Rocha, Cristine Maria Warmling, Ramona Fernanda Ceriotti Toassi

Resumo


Este estudo de caso de abordagem qualitativa propôs-se a compreender a atuação do

preceptor, cirurgião-dentista da Atenção Primária à Saúde, na formação em Odontologia,

analisando características para a preceptoria. A pesquisa aconteceu em Porto Alegre, Rio

Grande do Sul. A coleta de dados envolveu a realização de entrevistas semiestruturadas com

estudantes e preceptores (n=20), observação participante e análise documental. A preceptoria

é uma modalidade de ensino na saúde reconhecida e presente na formação de cirurgiões-

dentistas. O preceptor tem um papel fundamental na orientação, explicação, escuta e

aproximação/inserção do estudante no processo de trabalho interdisciplinar em equipe

multiprofissional, sendo uma referência para o estudante no serviço. Desafios foram

apontados quanto ao processo de avaliação do estudante pelo preceptor no período do estágio

e quanto à formação pedagógica dos cirurgiões-dentistas para o ensino na saúde. O

fortalecimento da relação universidade-serviço- preceptor deve ser (re) construído

continuamente pela aproximação/apoio permanente da universidade aos preceptores.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, A. L.; MERHY, E. E. Formação em saúde e micropolítica: sobre conceitos-ferramentas na prática de ensinar. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 18, n. 49, p.313-324, 2014.

ALMEIDA, A. B.; ALVES, M. S.; LEITE, I. C. G. Reflexões Sobre os Desafios da Odontologia no Sistema Único de Saúde. Rev. APS., Juiz de Fora, v. 13, n. 1, p.126-132, mar. 2010.

ARMITAGE, P.; BURNARD, P. Mentors or preceptors? Narrowing the theory-practice gap. Nurse educ. today, Edinburgh, v. 11, no. 3, p. 225-229, 1991.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARRETO, V. H. L. et al. Papel do preceptor da atenção primária em saúde na formação da graduação e pós-graduação da Universidade Federal de Pernambuco: um termo de referência. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 35, n. 4, dez. 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e conquistas. Brasília: 2000.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3/2002, de 19 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Diário Oficial da União, Brasília, 04 de março de 2002. Seção 1, p. 10.

BRASIL. Lei nº 11.788 de 28 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes. Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2016.

BISPO, E. P. F.; TAVARES, C. H. F.; TOMAZ, J. M. T. Interdisciplinaridade no ensino em saúde: o olhar do preceptor na Saúde da Família. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v.18, n.49, p. 337-350, abr./jun. 2014.

BOTTI S. H. O.; REGO, S. Preceptor, supervisor, tutor e mentor: quais são seus papéis? Rev. bras. educ. méd., Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, p. 363-373, 2008.

BULGARELLI, A. F. et al. Formação em saúde com vivência no Sistema Único de Saúde (SUS): percepções de estudantes do curso de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 18, n. 49, p. 351-362, abr./jun. 2014.

BURKE, L. M. Preceptorship and pos-registration nurse education. Nurse educ. today, Edinburgh, v.14, p. 60-66, 1994.

DUFFY, A. Guiding students through reflective practice – The preceptors experiences: a qualitative descriptive study. Nurse educ. today, Edinburgh, v. 9, no.3, p. 166-175, 2009.

FAJARDO, A. P, CECCIM, R. B. O trabalho da preceptoria nos tempos de residência em área profissional da saúde. In: FAJARDO, A. P.; ROCHA, C. M. F.; PASINI, V. L. (Org.). Residências em saúde: fazeres & saberes na formação em saúde. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição, 2010.

FORTE, F. D. S. et al. Reorientação na formação de cirurgiões-dentistas: o olhar dos preceptores sobre estágios supervisionados no Sistema Único de Saúde (SUS). Interface comun. saúde educ., Botucatu, v.19, Supl. 1, p.831-843, 2015.

GIL, A. C. Como avaliar a aprendizagem dos alunos. In: ____. Didática do ensino superior. São Paulo: Atlhas, 2010. Cap. 14, p. 239-283.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 2000.

HADDAD, A. E. et al. (Orgs.). A trajetória dos cursos de graduação na área da saúde: 1991-2004. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2006.

JOHNS, C. Depending on the intent and emphasis of the supervisor, clinical supervision can be a different experience. J.nurs. manag., Oxford, v. 9, no. 3, p.139-145, 2001.

MASETTO, M. T. Discutindo processo ensino-aprendizagem no ensino superior. In: MARCONDES, E; GONÇALVES, E. L. Educação Médica. São Paulo: Savier, 1998. p. 11-19.

MENDES, J. M. R.; LEWGOY, A. M. B.; SILVEIRA, E. C. Saúde e interdisciplinaridade: mundo vasto mundo. Rev. ciência & saúde, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 24-32, jan./jun. 2008.

MENDÉZ, J. M. A. Avaliar a aprendizagem em um ensino centrado nas competências. In: SACRISTÁN, J. G. et al. Educar por competências: o que há de novo? Porto Alegre: Artmed, 2011. Cap. 6, p. 233-264.

MEYER, D. E.; FELIX, J.; VASCONCELOS, M. F. F. Por uma educação que se movimente como maré e inunde os cotidianos de serviços de saúde. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 17, n. 47, p. 859-871, out./dez. 2013.

MILLS, J.E.; FRANCIS, K. L.; BONNER, A. Mentoring, clinical supervision and preceptoring: clarifying the conceptual definitions for Australian rural nurses. A review of the literature. Rural remote health, Geelong, v. 5, no. 3, p. 410-419, 2005.

MORITA, M. C.; HADDAD, A. E. Interfaces da área da educação e da saúde na perspectiva da formação e do trabalho das equipes de saúde da família. In: MOYSÉS, S. T.; KRIGER, L.; MOYSÉS, S. J. (Coords.). Saúde bucal das famílias: trabalhando com evidências. São Paulo: Artes Médicas, 2008. p. 268-290.

MORITA, M. C.; KRIGER, L. Mudanças nos cursos de odontologia e a interação com o SUS. Rev. ABENO, Brasília, v. 4, n. 1, p. 17-21, 2004.

PARAISO, M. A. Raciocínios generificados no currículo escolar e possibilidades de aprender. In: LEITE, C. et al. (Orgs.). Políticas, fundamentos e práticas do currículo. Porto: Porto Editora, 2011. p.147-160.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

RODRIGUES, C. D. Competências para a preceptoria: construção no Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde, 2012. 2012. 101 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

SAUPE, R. et al. Competência dos profissionais da saúde para o trabalho interdisciplinar. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 9, n. 18, p. 521-36, set./dez. 2005.

SIEGEL, B. S. A view from residents: effective preceptor role modeling is in. Ambul. pediatr., New York, v. 4, no. 1, p. 2-3, 2004.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TOASSI, R. F. C.; DAVOGLIO, R. S.; LEMOS, V. M. A. Integração ensino-serviço-comunidade: o estágio na atenção básica da graduação em odontologia. Educ. rev., Belo Horizonte, v. 28, n. 4, p. 223-242, dez. 2012.

TOASSI, R. F. C. et al. Teaching at primary healthcare services within the Brazilian National Health System (SUS) in Brazilian healthcare professionals’ training. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v.17, n.45, p.385-92, abr./jun. 2013.

TURATO, E. R. Tratado de metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Faculdade de Odontologia. Projeto Pedagógico. Porto Alegre, 2014a. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Faculdade de Odontologia. Plano de Ensino do Estágio Curricular Supervisionado I da Odontologia. Porto Alegre, 2014b.

VALCÁRCEL CASES, M. (Coord.). La preparación del profesorado universitário espanhol para la convergencia europea em educación superior. Córdoba, 2003.

VEIGA, I. P. A. Ensinar: uma atividade complexa e laboriosa. In: ____ (Org.). Lições de didática. 4. ed. Campinas, SP: Papirus, 2009.

YIN, R. K. Estudo de Caso: pl2014anejamentos e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

WACHOWICZ, L. A. Avaliação e aprendizagem. In: VEIGA, I. P. A. (Org.). Lições de Didática. 4. ed. Campinas, SP: Papirus, 2009.

WARMLING, C. M. et al. Estágios curriculares no SUS: experiências da Faculdade de Odontologia da UFRGS. Rev. ABENO, Brasília, v. 11, n. 2, p. 63-70, 2011.

WERNECK, M. A. F. et al. Nem tudo é estágio: contribuições para o debate. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 221-231, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.