Educação na saúde em um hospital de ensino: a efetividade da mudança?

Iane Maria da Silva, Paulo Peixoto Albuquerque

Resumo


No  processo  de  trabalho  em  equipe,  mudanças  sempre  são  difíceis,  pois  desarrumam modos de ser, ativar e organizar o trabalho. Na saúde, essa dificuldade também  se impõe,  porque  envolve  especialização,  interdisciplinaridade,  especificidades  tecnológicas  que  se  inovam  continuamente,  conforme  o  avanço  da  ciência.  Por  isso  se  evidencia  para  aquele  que  pensa  formação  na  saúde  e  no  trabalho  a  seguinte  questão:  as  estratégias  pedagógicas  (formas  de  Educação  Permanente)  para  trabalhadores  especializados  proporcionam mudanças na atenção à saúde? Analisar as atividades educativas (Educação na Saúde)  que  pretendem  dar  conta  das mudanças  no  processo  de trabalho  em  um  hospital  de  ensino, visto que a tecnologia e os serviços prestados tendem à complexidade. Para tanto, a  metodologia  utilizada  é  um  Estudo  de  Caso  com  abordagem  qualitativa.  Os  dados  foram  obtidos por meio da observação participante da pesquisadora e de seus registros em diário de  campo construídos durante o encontro (capacitação) dos trabalhadores do Hospital MaternoInfantil Presidente Vargas. A técnica utilizada para a coleta de dados foi a de entrevistas semiestruturadas gravadas em áudio com 6 participantes dos respectivos encontros e profissionais  atuantes no Hospital. Os dados obtidos foram analisados utilizando a técnica do Discurso do  Sujeito Coletivo segundo Lefévre et al. (2003).

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde & Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196/96: Dispõe sobre as Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos, Brasília, Ministério da Saúde, 1996.

CAMPOS, G.W.S. Um método para análise e co-gestão decoletivos. São Paulo: HUCITEC, 2013. 229 p.

CECCIM, R.B. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface- Comunicação, Saúde, Educação. v.9, p. 161-168, 2005.

DEMO, P.B. Téc. Senac: a R. Educ. Prof. Rio de janeiro v. 36, n. 1, p. 15-25, 2010

DUARTE, S.J.H., MAMEDE, M.V., ANDRADE, S.M.O. Opções teórico-metodológicas em pesquisas qualitativas: representações sociais e discurso do sujeito coletivo. Saúde Soc. São Paulo, v. 18, n. 4, p. 620-626, 2009

CORTELLA, M.S. Visões singulares, conversas plurais, Rumos Educação Cultura e Arte. 3 ed. São Paulo: Itaú Cultural, 2007. 96 p.

FREIRE, P. O compromisso do profissional com a sociedade. In: Educação e

Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. Editora UNESP, São Paulo, 2000.

LEFÉVRE F., LEFÉVRE A.M.C. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: Educs, 2003

MARTINS, G.A. Estudo de caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em pesquisas no Brasil. RCO - Revista de Contabilidade e Organizações - FEARP/USP. v.2, 2008.

MINAYO, M.C.D.S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

MORAES, M.C.; DE LA TORRE, Saturnino. Sentipensar: fundamentos e estratégias para reencantar a educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

PEDROSO, S.R.S. Análise de uma prática educativa em saúde. In:MACHADO, C.L.; MANFROI, W.C. (Org.). Prática educativa em medicina. Porto Alegre: Da Casa,2005. p. 47-56.

YIN, R.Y. Introdução. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookmann, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.