PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA EM RELAÇÃO À ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE

Rafaela Koch Lessing, Marielly de Moraes

Resumo


Com as mudanças epidemiológicas e transformações no sistema de saúde no Brasil foram estabelecidas novas responsabilidades e outros deveres do fisioterapeuta, o que envolve uma práxis ampliada e contextualizada. Este estudo buscou conhecer a percepção de acadêmicos de Fisioterapia de uma Instituição de Ensino Superior (IES) sobre a importância da educação em saúde (ES) na atuação do fisioterapeuta. É um estudo exploratório descritivo, qualitativo, desenvolvido por meio de uma entrevista semiestruturada que utilizou análise de conteúdo.  Participaram 15 acadêmicos, 87% mulheres e 13% homens, com média de idade de 23,13 anos. O estudo apontou carência de apropriação dos acadêmicos quanto ao papel da ES. A ES foi vista como transmissão de conhecimentos centrada em orientações específicas relacionadas à postura e ao movimento.  Os estudantes associaram a ES a práticas coletivas e à atenção primária, estabelecendo poucas relações com o âmbito individual e a atenção secundária e terciária. Alguns remeteram seu aprendizado a projetos de extensão ou ao estágio na comunidade. Os que se encontravam mais no início do curso, e que tiveram a oportunidade de experienciar a prática da ES já no começo da graduação, referiram melhor aproveitamento e maior importância com relação aos que estavam no intermédio ou no estágio final. Sendo assim, evidenciou-se a necessidade de se investir de maneira transversal no aprofundamento da temática ES na formação dos acadêmicos, para que se possa ampliar e aprimorar seu olhar, promovendo uma aprendizagem significativa e a valorização da ES.

Palavras-chave: Educação em saúde. Fisioterapia. Formação profissional em saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


ACIOLI, S. A prática educativa como expressão do cuidado em Saúde Pública. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 61, n. 1, p. 117-121, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v61n1/19.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

ALVES, V. S. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 9, n. 16, p. 39-52, set./fev. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v9n16/v9n16a04.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

ARAÚJO, F. R. O. Estágio curricular para os cursos de graduação em Fisioterapia: recomendações da ABENFISIO. Fisioterapia Brasil, [s. l.], v. 11. n. 5, p. 12-15. set./out. 2010. Supl. Esp. DOI: http://dx.doi.org/10.33233/fb.v11i5.1595. Disponível em: http://dx.doi.org/10.33233/fb.v11i5.1595. Acesso em: 17 dez. 2020.

ARRAIS, R. et al. Educando para a saúde: uma atuação da fisioterapia na extensão universitária. Vivências, [s. l.], v. 5, n. 8, p. 107-111, out. 2009.

BARROS, F. B. M. Poliomielite, filantropia e fisioterapia: o nascimento da profissão de fisioterapeuta no Rio de Janeiro dos anos 1950. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 941-954, maio/jun. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v13n3/16.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

BISPO JUNIOR, J. P. Formação em fisioterapia no Brasil: reflexões sobre a expansão do ensino e os modelos de formação. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 655-668, jul./set. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 4, de 19 de fevereiro de 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES042002.pdf. Acesso em: 5 jul. 2020.

BUSS, P. M. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 163-177, jun. 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v5n1/7087.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

CARRILLO-GARCÍA, C. et al. Influência do gênero e da idade: satisfação no trabalho de profissionais da saúde. Rev. Latino-Americana de Enfermagem, [s. l.], v. 21, n. 6, p. 1314-1320, nov./dez. 2013. DOI: 10.1590/0104-1169.3224.2369. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n6/pt_0104-1169-rlae-21-06-01314.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

CARVALHO, Y. M.; CECCIM, R. B. Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. Tratado de saúde coletiva. Rio de Janeiro: Editora Hucitec, 2006. p. 149-182.

CONVERSANI, D. T. N. Uma reflexão crítica sobre a Educação em Saúde. Boletim Instituto da Saúde, São Paulo, 2004. Disponível em: https://docs.bvsalud.org/biblioref/2020/03/1050506/bis-n34-educacao-em-saude-4-5.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

ELIAS, M. A.; NAVARRO, V. L. A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola. Rev. Latino-Americana de Enfermagem, [s. l.], v. 14, n. 4, p. 517-525, jul./ago. 2006. Disponível em:

https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000400008. Acesso em: 17 dez. 2020.

FEDERAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR EM NOVO HAMBURGO (FEEVALE). Estrutura curricular do curso de Fisioterapia. Novo Hamburgo: Feevale, 2015. Disponível em: https://www.feevale.br/graduacao/fisioterapia/estrutura-curricular. Acesso em: 17 dez. 2020.

FONTANELLA, B. J. B.; MAGDALENO JÚNIOR, R. Saturação teórica em pesquisas qualitativas: contribuições psicanalíticas. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 17, n. 1, p. 63-71, jan./mar. 2012.

FREITAS, M. S. A atenção básica como campo de atuação da fisioterapia no Brasil: as diretrizes curriculares ressignificando a prática profissional. Rio de Janeiro: UERJ, 2006. Disponível em: http://www.crefito10.org.br/cmslite/userfiles/file/teses/Tese_Marcos_Freitas.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

L’ABBATE, S. Análise Institucional e Educação em Saúde: um diálogo produtivo. Boletim do Instituto de Saúde, São Paulo, n. 34, 2004. Disponível em: https://docs.bvsalud.org/biblioref/2020/03/1050672/bis-n34-educacao-em-saude-6-9.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

MACHADO, M. F. A. S. et al. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS - uma revisão conceitual. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 335-342, mar./abr. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v12n2/a09v12n2.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

MENEZES, K. K. P.; AVELINO, P. R. Grupos operativos na Atenção Primária à Saúde como prática de discussão e educação: uma revisão. Cad. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 124-130. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cadsc/v24n1/1414-462X-cadsc-24-1-124.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 26. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

MORAES, M. Discursos sobre as práticas no contexto da formação de fisioterapeutas no Rio Grande do Sul. Dissertação (Programa de pós-graduação em Ciências do Movimento Humano) –

Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/19048/000734316.pdf?sequence=1. Acesso em: 17 dez. 2020.

PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. Os sentidos da integralidade na atenção e cuidado à saúde. 8. ed. Rio de Janeiro, 2009.

PINHEIRO, D. G. M. et al. Competências em promoção da saúde: desafios da formação. Saúde Soc., São Paulo, v. 24, p. 180-188, 2015. DOI 10.1590/S0104-12902015000100014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v24n1/0104-1290-sausoc-24-1-0180.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, C. F. Metodologia do trabalho científico. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RAGASSON, C. A. P. et al. Atribuições do fisioterapeuta no programa de saúde da família: reflexões a partir da prática profissional. Experiência baseada na Residência em Saúde da Família (RSF), desenvolvida na UNIOESTE - campus Cascavel em parceria com o Ministério da Saúde, [20--]. Disponível em: https://henriquetateixeira.com.br/up_artigo/atribuiCOes_do_fisioterapeuta_no_programa_de_saUde_da_famIli_co2gi5.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

SÁ, M. R. C.; GOMES, R. A promoção da saúde da criança: a participação da Fisioterapia. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, p. 1079-1088, 2013. Disponível em:

https://www.scielo.br/pdf/csc/v18n4/21.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

SILVA, D. J.; DA ROS, M. A. Inserção de profissionais de fisioterapia na equipe de saúde da família e Sistema Único de Saúde: desafios na formação. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 6, p. 1673-1681, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000600028. Acesso em:17 dez. 2020.

SILVA, L. A.; CASOTTI, C. A.; CHAVES, S. C. L. A produção científica brasileira sobre a Estratégia Saúde da Família e a mudança no modelo de atenção. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 221-232, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000100023. Acesso em: 17 dez. 2020.

SILVEIRA, L. M. C.; RIBEIRO, V. M. B. Grupo de adesão ao tratamento: espaço de “ensinagem” para profissionais de saúde e pacientes. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 9, n. 16, p. 91-104, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-32832005000100008. Acesso em: 17 dez. 2020.

SIMONI, D. E. et al. A formação educacional em fisioterapia no Brasil: fragmentos históricos e perspectivas atuais. História da Enfermagem, Brasília, v. 6, n. 1, p. 6-10, 2015. Disponível em: http://here.abennacional.org.br/here/1_AO_27014_MM.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

STRECK, D. R.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J. J. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2008.

TELESSAÚDE-RS. Educação em Saúde: roteiro para o trabalho de grupos em atenção primária a saúde. Porto Alegre: UFRGS, p. 1-28, [20--]. Disponível em: http://sistemas.fesfsus.ba.gov.br/BiblioFesf/protocolo_grupos.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

VASCONCELOS, E. M.; FROTA, L. H.; SIMON, E. Perplexidade na universidade vivências nos cursos de saúde. São Paulo: Editora Hucitec, 2006.

VÍCTORA, C. G.; KNAUTH, D. R.; HASSEN, M. N. A. Pesquisa qualitativa em saúde uma introdução ao tema. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.