ENSINO NA SAÚDE EM TEMPOS DE COVID-19: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA

Paulo Peixoto de Albuquerque

Resumo


O artigo discute o tema da educação e ensino na saúde no contexto da crise sanitária causada pela COVID-19, incorporando os conceitos de reconhecimento e autonomia, visto que a realidade dos espaços societários na qual se desenvolvem os projetos educativos implica em se ter presente não só os conceitos de ‘atores sociais’, ‘relações sociais’, mas de ‘complexidade’ – conceito-chave – que redefine os parâmetros de entendimento destes conceitos e do próprio espaço societário. Para o autor, as ações político-pedagógicas das propostas de educação popular na saúde se inscrevem como educação cidadã, porque o processo de construção de conhecimento e socialização de saberes se dá na concretização de espaços de mediação social e de explicitação de conhecimentos diferenciados voltados para a promoção de um bem público que não exclua ou seja privatizado.


Texto completo:

PDF

Referências


CASTELLS, M. A era da informação: econômica, sociedade e cultura - a sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

OLIVEIRA, M. K. Vygostsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sócio-histórico. São Paulo: Editora Scipione, 1989.

ROCHA, M. Z. B. Espaço urbano, escola e desigualdade social. Sociedade e Estado, Brasília, v. XIV, n. 2, p. 349-368, 2000.

SILVA, M. J. P. et al. Educação continuada: estratégias para o desenvolvimento do pessoal de enfermagem. Rio de Janeiro: Marques-Saraiva, 1989.

VALE, J. M. F. Projeto Político Pedagógico como instrumento coletivo de transformação do contexto escolar. In: BICUDO, M. A. V.; SILVA JUNIOR, C. A. (org.). Conferências Mesas Redondas Seminários Debates Unesp. Formação do Educador e Avaliação Educacional. São Paulo, v. 1, 1999. p. 70.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.