PRÁTICAS DE SAÚDE BUCAL E O SISTEMA DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS: NEXOS E DESCONEXÕES

Graciela Soares Fonsêca, Carlos Botazzo, Simone Rennó Junqueira, Felismina Rosa Parreira Mendes

Resumo


Existe, dentro do Sistema Nacional de Saúde (SNS) português, um programa direcionado à promoção, prevenção e controle das doenças bucais operacionalizado por Higienistas Orais e Médicos Dentistas. O objetivo do trabalho é refletir sobre a organização das práticas em saúde bucal, inseridas no SNS, estabelecendo conexões com o sistema de ensino superior de Portugal. Trata-se de uma revisão narrativa da literatura, cuja busca foi norteada pela combinação de diferentes descritores, principalmente, nas bases de dados MEDLINE e SciELO (Scientific Eletronic Library Online), realizada no segundo semestre de 2015, incluídos no estudo quando traziam algum elemento que pudesse contribuir na reflexão da relação investigada. Para maior compreensão do objeto de estudo, a análise foi complementada por documentos do SNS, disponíveis nos sites dos Ministérios da Saúde e da Educação de Portugal. Os resultados revelaram que as necessidades de saúde bucal da população convivem com estratégias que, além de não conseguirem responder ao conjunto das demandas, reforçam a mercantilização da saúde bucal. Ao compreender o modelo formador de profissionais que atuam no âmbito da saúde bucal e perceber que o contato com a comunidade é fortemente concretizado por meio dos Higienistas Orais, justifica-se a grande quantidade de práticas preventivistas desenvolvidas no país. Mesmo com a participação dos médicos dentistas no Programa de Saúde Oral, identificam-se lacunas que dificultam o estabelecimento de ações efetivas para gerar melhorias nos níveis de saúde bucal. É necessário aprofundar o debate sobre as questões aqui apresentadas, integrando as ações do sistema de ensino superior às práticas de saúde bucal, de modo a revelar elementos propulsores de mudança e melhoria na saúde bucal dos portugueses.

Palavras-chave: Saúde Bucal. Portugal. Sistemas de Saúde. Ensino Superior.


Texto completo:

PDF

Referências


BALDANI, M. H.; VASCONCELOS, A. G. G.; ANTUNES, J. L. F. Association of the DMFT index with socioeconomic and dental services indicators in the state of Paraná, Brazil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 143-52, 2004. DOI: 10.1590/s0102-311x2004000100030

BARATA, C. et al. Determinação do CPOD e comportamentos de saúde oral numa amostra de adolescentes do concelho de Mangualde. Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial, [s. l.], v. 54, n. 1, p. 27-32, 2013. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rpemd.2012.12.001

BOLONHA. Declaração do Processo de Bolonha. Bolonha, 1999.

BORTOLI, F. R.; MOREIRA, M. A.; KOVALESKI, D. F. Conhecimento dos Agentes Comunitários de Saúde em relação à saúde bucal. Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 96-102, maio/ago. 2017.

BOTAZZO, C. Da arte dentária. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2000.

BOTAZZO, C. Diálogos sobre a boca. São Paulo: Editora Hucitec, 2013.

CARVALHO, M. F. Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional. Grupos por Área de Conhecimento – Medicina Dentária. Relatório. Universidade do Porto, 2004.

CASTRO, E. M. M. Programa de Saúde Oral: evolução, instrumentos e resultados. [Dissertação de Mestrado]. Porto: Universidade do Minho, Portugal, 2012.

COWPE, J. et al. Profile and competences for the graduating European dentist – update 2009. European Journal of Dental Education, Copenhagen, v. 14, p. 193-202, 2010. DOI: 10.1111/j.1600-0579.2009.00609.x

CRISÓSTOMO, S. O artigo 64.º da Constituição da República Portuguesa. Sociologia, Problemas e Práticas, Lisboa, número especial 1, p. 33-48, dez. 2016.

GUSHI, L. L. et al. Relationship between dental caries and socio-economic factors in adolescents. Journal of applied oral science, Bauru, v. 13, n. 3, p. 305-311, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-77572005000300019

KRAVITZ, A. S.; BULLOCK, A.; COWPE, J. Manual of dental practice 2014 (Edition 5). Council of European Dentists, 2014.

LIMA, R. C. G. S. Reconhecendo o desafio latente na história: periodização contextualizada dos modelos de saúde bucal. Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 15-25, maio/ago. 2017.

MARMOT, M. Social determinants of health inequalities. The Lancet, London, v. 365, n. 9464, p. 1099-1104, 2005. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(05)71146-6

MASHOTO, K. O. et al. Socio-demographic disparity in oral health among the poor: a cross sectional study of early adolescents in Kilwa district, Tanzania. BMC Oral Health, [s. l.], v. 10, n. 7, p. 2-10, 2010. DOI: https://doi.org/10.1186/1472-6831-10-7

NUNES, A. M. Direito à saúde em Portugal: delimitação jurídica do Serviço Nacional de Saúde. Direitos Fundamentais & Justiça, Belo Horizonte, ano 11, n. 37, p. 17-34, jul./dez. 2017.

NUNES, A. M.; NUNES, M. L. Avanços na Política de Saúde Bucal em Portugal. Tempus, actas de saúde coletiva, Brasília, v. 11, n. 4, p. 25-39, dez. 2018.

ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS. Plano Nacional de Saúde 2011-2016: estratégia de saúde oral em Portugal – um conceito de transversalidade que urge implementar (proposta conceptual). Porto, 2010.

PASSOS, J. S. et al. Condições de vida e saúde bucal: uma abordagem teórico-conceitual das desigualdades sociais. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 35, p. 138-150, jan./jun. 2011. Supl. 1. DOI: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2011.v35.n0.a152

PETERSEN, P. E.; KWAN, S. Equity, social determinants and public health programmes – the case of oral health. Community Dentistry and Oral Epidemiology, Copenhagen, v. 39, n. 6, p. 481-487, 2011. DOI: 10.1111/j.1600-0528.2011.00623.x

PLASSCHAERT, A. J. M. et al. Profile and Competences for the European Dentist Document. Association for Dental Education in Europe, 2004.

PORTUGAL. Decreto-Lei no 564 de 21 de dezembro de 1999. Estabelece o estatuto legal da carreira de técnico de diagnóstico e terapêutica. Disponível em: https://dre.pt/pesquisa/-/search/661768/details/maximized. Acesso em: 13 abr. 2020.

PORTUGAL. Constituição da República Portuguesa. VII Revisão Constitucional. 2005a. Disponível em: https://www.parlamento.pt/Legislacao/Paginas/ConstituicaoRepublicaPortuguesa.aspx. Acesso em: 13 abr. 2020.

PORTUGAL. Despacho nº 153/2005, de 5 de janeiro. Diário da República, 2.ª série, 153, 2005b.

PORTUGAL. Ministério da Saúde. Direcção-Geral da Saúde. Estudo Nacional de Prevalência das Doenças Orais. Lisboa: DGS, 2008.

PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Decreto-Lei nº 207, de 31 de agosto de 2009. Diário da República, 1ª série, nº 168, 31 de agosto de 2009

PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Decreto-Lei nº 115, de 07 de agosto de 2013. Diário da República, 1.ª série, nº 151, 7 de agosto de 2013.

RIBEIRO, C. D. M. et al. O trabalho de campo como dispositivo de ensino, pesquisa e extensão na graduação de Medicina e Odontologia. Interface: comunicação saúde e educação, Botucatu, v. 17, n. 47, p. 947-957, 2013. DOI: 10.1590/S1414-32832013005000026

ROCHA, P. M.; SÁ, A. B. Reforma da Saúde Familiar em Portugal: avaliação da implantação. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 6, p. 2853-2863, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000600023

ROTHER, E. T. Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 1-2, 2007.

SILVEIRA, J. L. G. C.; GARCIA, V. L. Mudança curricular em Odontologia: significados a partir dos sujeitos da aprendizagem. Interface: comunicação saúde e educação, Botucatu, v. 19, n. 52, p. 145-158, 2015. DOI: 10.1590/1807-57622014.0530

SOUSA, P. A. F. O sistema de saúde em Portugal: realizações e desafios. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 22, p. 884-894, 2009.

WATT, R.; SHEIHAM, A. Inequalities in oral health: a review of the evidence and recommendations for action. British Dental Journal, London, v. 187, p. 6-12, 1999. DOI: 10.1038/sj.bdj.4800191

WATT, R. G. Strategies and approaches in oral disease prevention and health promotion. Bulletin of the World Health Organization, [s. l.], v. 83, n. 9, p. 711-718, Sept. 2005.

WORLD HEALTH ORGANIZATIOIN (WHO). Commission on Social Determinants of Health. Closing the gap in a generation: health equity through action on the social determinants of health - Final Report of the Commission on Social Determinants of Health. Geneva: World Health Organization, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.