SAÚDE BUCAL NA PUERICULTURA: RESULTADOS DE UMA ATIVIDADE EDUCATIVA VOLTADA A ENFERMEIROS E MÉDICOS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Mariana Loch dos Reis, Daniel Demétrio Faustino-Silva

Resumo


Objetivou-se analisar se a realização de uma atividade educativa sobre o tema saúde bucal na primeira infância incrementou os conhecimentos, as atitudes e as práticas em saúde bucal na puericultura de enfermeiros e médicos, contratados e residentes do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição (SSC-GHC). Um estudo do tipo antes e depois com abordagem quantitativa analítica foi realizado com médicos e enfermeiros do SSC-GHC, localizado no município de Porto Alegre/RS. Foi aplicado questionário fechado, com 32 questões de escolha simples, para avaliar conhecimentos, práticas e atitudes (CAP) em saúde bucal na puericultura de enfermeiros e médicos, antes e após uma atividade educativa com a duração de uma hora. A amostra intencional foi composta por 27 enfermeiros e 47 médicos na primeira etapa e por 14 enfermeiros e 19 médicos na segunda etapa. Os dados foram tabulados e analisados com auxílio do software SPSS através do teste Qui-quadrado de McNemar, ao nível de significância estatística de p<0,05. Os resultados mostraram que apenas as questões sobre conhecimentos profissionais em saúde bucal na primeira infância, quando analisadas em bloco, para os médicos, apresentaram diferença estatisticamente significativa antes e depois da atividade educativa. Para as atitudes e práticas profissionais, não houve diferença estatisticamente significativa antes e depois da atividade educativa, sugerindo que o método utilizado não foi adequado para o objetivo proposto.  Uma atividade educativa pontual sobre cuidado em saúde bucal na primeira infância não foi capaz de modificar significativamente conhecimentos, práticas e atitudes de médicos e enfermeiros nas consultas de puericultura no contexto da Atenção Primária à Saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, M.; ROCHA, P. M. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 455-464, abr. 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200022. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232007000200022&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 24 jun. 2020.

BRASIL. Portaria nº 198 GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 fev. 2004. Disponível em: http://www.campogrande.ms.gov.br/sesau/downloads/portaria-no-198gm-em-13-de-fevereiro-de-2004/. Acesso em: 24 jun. 2020.

CAVALCANTI, Y. W.; WANZELLER, M. C. C. Educação permanente em saúde na qualificação de processos de trabalho em saúde coletiva. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, João Pessoa, v. 13, n. 1, p. 13-20, 2009.

CECCIM, R. B. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – Comunic, Saúde, Educ., Botucatu, v. 9, n. 16, p. 161-177, set. 2004/fev. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v9n16/v9n16a13.pdf. Acesso em: 24 jun. 2020.

COLOME, I. C. S. Trabalho em equipe no Programa Saúde da Família na concepção de enfermeiras. 2005. Dissertação (Curso de Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em:

https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/6073/000524620.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 20 jun. 2020.

COLOME, I. C. S.; LIMA, M. A. D. S.; DAVIS, R. Visão de enfermeiras sobre as articulações das ações de saúde entre profissionais de equipes de saúde da família. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 256-261, jun. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342008000200007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342008000200007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 jun. 2020.

FAURE, E. et al. Aprender a ser. Lisboa: Portugal, 1972.

FREIRE, P. Educação e mudança. 1 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1979.

LIMA, J. V. C. et al. A Educação Permanente em Saúde como estratégia pedagógica de transformação das práticas: possibilidades e limites. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 207-227, out. 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462010000200003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981- 7462010000200003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 23 jun. 2020.

LUZ, P. B. Cárie precoce da infância: influência de variáveis sociais, psicológicas e comportamentais. 2014. Tese (Programa de Pós-graduação em Odontologia) – Faculdade de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/105233 . Acesso em: 20 mar. 2018.

LUZ, P. B. et al. The role of mother’s knowledge, attitudes, practices in dental caries on vulnerably preschool children. Pesqui. Bras. Odontopediatria Clín. Integr., Paraíba, v. 20, p. e4687, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/pboci.2020.007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-46322020000100304&lng=en&nrm=iso&tlng=en. Acesso em: 23 jun. 2020.

NAVARRO, A. S. S.; GUIMARAES, R. L. S.; GARANHANI, M. L. Trabalho em equipe: o significado atribuído por profissionais da estratégia de saúde da família. REME: Rev. Min. Enferm., Belo Horizonte, v. 17, n. 1, p. 61-68, jan./mar. 2013. DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20130006. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/579. Acesso em: 20 jul. 2020.

OLIVEIRA, F. M. C. S. N. et al. Educação permanente e qualidade da assistência à saúde: aprendizagem significativa no trabalho da enfermagem. Aquichan, Bogotá, v. 11, n. 1, p. 48-65, abr. 2011. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1657-59972011000100005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 jun. 2020.

OTENIO, C. C. M. et al. Trabalho multiprofissional: representações em um serviço público de saúde municipal. Saude soc., São Paulo, v. 17, n. 4, p. 135-150, dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000400014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902008000400014&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 jun. 2020.

PALHARES GUIMARAES, E. M.; HAUEISEN MARTIN, S.; PAOLINELLI RABELO, F. C. Educação permanente em saúde: Reflexões e desafios. Cienc. enferm., Concepción, v. 16, n. 2, p. 25-33, agosto 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532010000200004. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0717-95532010000200004&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 23 jun. 2020.

PASCHOAL, A. S.; MANTOVANI, M. F.; MEIER, M. J. Percepção da educação permanente, continuada e em serviço para enfermeiros de um hospital de ensino. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 478-484, set. 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000300019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342007000300019&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 jun. 2020.

PEREIRA, R. C. A. O trabalho multiprofissional na Estratégia Saúde da Família: estudo sobre modalidades de equipes. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências – Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/23245/1/933.pdf. Acesso em: 22 jun. 2020.

PERUZZO, H. E. et al. Os desafios de se trabalhar em equipe na estratégia saúde da família. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 22, n. 4, p. e20170372, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0372. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452018000400205&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 jun. 2020.

REIS, M. R.; LUVISON, I. R.; FAUSTINO-SILVA, D. D. Conhecimentos, práticas e atitudes de médicos e enfermeiros sobre saúde bucal na puericultura na APS. RFO, Passo Fundo, v. 20, n. 2, p. 164-171, maio/ago. 2015. Disponível em: http://revodonto.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1413-40122015000200006&script=sci_arttext. Acesso em: 22 jun. 2020.

SILVA, I. Z. Q. J.; TRAD, L. A. B. O trabalho em equipe no PSF: investigando a articulação técnica e a interação entre os profissionais. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 9, n. 16, p. 25-38, fev. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832005000100003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832005000100003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 jun. 2020.

STROSCHEIN, K. A.; ZOCCHE, D. A. A. Educação permanente nos serviços de saúde: um estudo sobre as experiências realizadas no Brasil. Trab. educ. saúde (Online), Rio de Janeiro, v. 9, n.3, p. 505-519, nov. 2011. DOI: 10.1590/S1981-77462011000300009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462011000300009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 jun. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.