AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: INSTRUMENTO PARA IDENTIFICAR NECESSIDADES DE PRÁTICAS EDUCATIVAS NAS EQUIPES DE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM PORTO ALEGRE – RS

Fernanda Picetti dos Santos, Mariana Santiago Siqueira, Roger dos Santos Rosa

Resumo


A avaliação de desempenho pode se apresentar como importante instrumento para os gestores locais do Sistema Único de Saúde (SUS) no momento da formulação de estratégias para o desenvolvimento profissional dos trabalhadores. Esta pesquisa tem como objetivo principal analisar as avaliações anuais de desempenho dos trabalhadores nas equipes de Atenção Primária da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre – RS, no ano de 2016. Propõe-se a identificar as necessidades educacionais que emergem a partir dos resultados das avaliações de desempenho e que demandam novas práticas. Para tanto, foi utilizada uma abordagem quantitativa e descritiva. O estudo foi realizado a partir das avaliações funcionais dos trabalhadores da Atenção Primária do município de Porto Alegre que a tenham realizado no ano de 2016, totalizando 1.288 avaliações de diferentes categorias profissionais. Os dados foram obtidos sem a identificação dos participantes. Na análise, emergiram quatro necessidades educacionais principais que demandam novas práticas: (i) dificuldade dos trabalhadores em saúde de promover a mobilização e a participação da comunidade na efetivação do controle social, reforçando a importância da formação e/ou efetivação dos Conselhos de Saúde; (ii) participação infrequente nas ações de educação na saúde para os trabalhadores da Unidade de Saúde e pouca contribuição nos processos de ensino-aprendizagem desenvolvidos no âmbito local; (iii) identificação de parceiros e recursos na comunidade que possam potencializar ações intersetoriais; e (iv) frequência insuficiente de realização de atividades de educação em saúde com a população.  Os dados disponibilizados permitiriam um desdobramento ainda maior de informações a serem analisadas, porém, devido à concentração desprendida no enfoque proposto, os autores detiveram-se nos itens com resultados mais expressivos. Torna-se fundamental um planejamento estratégico a fim de possibilitar que os dados provenientes das avaliações de desempenho sejam anualmente analisados e utilizados para aperfeiçoamento contínuo da gestão local dos trabalhadores da saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, A. J. P.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de Metodologia Científica. 3. ed. São Paulo: Makron, 2007.

BARBOSA, V. B. A.; FERREIRA, M. L. S. M.; BARBOSA, P. M. K. Educação permanente em saúde: uma estratégia para a formação dos agentes comunitários de saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 56-63, 2012. DOI: 10.1590/S1983-14472012000100008

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 335, de 25 de novembro de 2003. Brasília, DF, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Diretrizes operacionais dos Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Brasília, DF, 2006.

BRASIL. Portaria nº 198/GM, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial: República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 fev. 2004.

BUSANA, J. A.; HEIDEMANN, I. T. S. B.; WENDHAUSEN, A. L. P. Participação popular em um Conselho Local de Saúde: limites e potencialidades. Texto & contexto enferm., Florianópolis, v. 24, n. 2, p. 442-449, 2015. DOI: 10.1590/0104-07072015000702014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tce/v24n2/pt_0104-0707-tce-24-02-00442.pdf. Acesso em: 10 jun. 2020.

CABRITO, B. G. Avaliar a qualidade em educação: Avaliar o quê? Avaliar como? Avaliar para quê? Cad. Cedes, Campinas, v. 29, n. 78, p. 178-200, maio/ago. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ccedes/v29n78/v29n78a03.pdf. Acesso em: 13 jun. 2020.

CECCIM, R. B. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 9, n. 16, p. 161-178, set. 2004/fev. 2005.

DALMAU, M. B. L.; BENETTI, K. C. Avaliação de desempenho. Curitiba: IESDE Brasil S. A., 2009.

DIAS, V. P.; SILVEIRA, D. T.; WITT, R. R. Educação em saúde: o trabalho de grupos em Atenção Primária. Revista de APS, Juiz de Fora, v. 12, n. 2, p. 221-227, abr./jun. 2009.

FEUERWERKER, L. M. Educação na saúde – educação dos profissionais de saúde – um campo de saber e de práticas sociais em construção. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, p. 3-4, 2007. DOI: 10.1590/S0100-55022007000100001

GUIMARÃES, P. R. B. Métodos quantitativos estatísticos. Curitiba: IESDE Brasil S. A., 2008.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MATUOKA, R. I.; OGATA, M. N. Análise qualitativa dos Conselhos Locais da atenção básica de São Carlos: a dinâmica de funcionamento e participação. Revista de APS, Juiz de Fora, v. 13, n. 4, p. 396-405, 2010.

PIERANTONI, C. R.; VARELLA, T. C.; FRANÇA, T. Recursos humanos e gestão do trabalho em saúde: da teoria à prática. In: BARROS, A. F. R. et al. (org.). Observatório de recursos humanos em saúde no Brasil: estudos e análise. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004. p. 51-70.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE/INSTITUTO MUNICIPAL DE ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA (PMPA/IMESF). Manual do trabalhador do IMESF. Porto Alegre: IMESF, 2016. Disponível em: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/imesf/usu_doc/manualimesf2016.pdf. Acesso em: 28 abr. 2020.

RICALDONI, C. A. C.; SENA, R. R. Educação Permanente: uma ferramenta para pensar e agir no trabalho de enfermagem. Rev. latinoam. enferm. (Online), Ribeirão Preto, v. 14, n. 6, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n6/pt_v14n6a02.pdf. Acesso em: 10 jun. 2020.

SILVEIRA, L. M. C.; RIBEIRO, V. M. B. Grupo de adhesión al tratamiento: espacio de "enseñanza" para profesionales de la salud y pacientes. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 9, n. 16, p. 91-104, set. 2004/fev. 2005. DOI: 10.1590/S1414-32832005000100008

SCHERER, M. D. A. O trabalho da equipe de Saúde da Família: possibilidades da construção da interdisciplinaridade, 2006. Tese de conclusão de curso (Doutorado em Ciências da Saúde) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. ed. Rio de Janeiro: Atlas, 2000.

WERMELINGER, M. et al. A força de trabalho do setor de saúde no Brasil: focalizando a feminização. Divulgação em Saúde para Debate, Rio de Janeiro, n. 45, p. 54-70, maio 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.