Ambientalização dos conflitos sociais e a adequação “sustentável’ da injustiça ambiental ao capital

Cleyton Gerhardt, Lair Medeiros de Araújo

Resumo


O artigo visa explorar dois fenômenos interconectados que estão intimamente vinculados à construção do meio ambiente: de um lado, a reelaboração discursiva de movimentos e grupos socais que passam a se “ambientalizar”, ao mesmo tempo em que lutam por justiça e equidade ambiental ao se reconhecer como “atingidos” por projetos ditos de “desenvolvimento”; de outro, a adequação do meio ambiente à lógica do mercado, processo marcado pela mediação do conhecimento técnico-científico e pela produção de uma nova retórica destinada a produzir consenso e dar conta dos conflitos advindos da socialização dos riscos ambientais e da repartição desigual da riqueza produzida pela exploração da natureza. Por fim, examina-se um aspecto transversal aos dois temas: a produção de “zonas de sacrifício” e “alternativas infernais” em contextos envolvendo implementação de empreendimentos altamente impactantes em termos ecológicos.


Palavras-chave


Ambientalização; Injustiça ambiental; Desenvolvimento sustentável; Modernização ecológica

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. Disputas cognitivas e exercício da capacidade crítica: o caso dos conflitos ambientais no Brasil. Sociologias. Porto Alegre, ano 16, no 35, jan/abr 2014, p. 84-105

ACSELRAD, H. Ambientalização das lutas sociais: o caso do movimento por justiça ambiental . Estudos avançados. 24 (68), 2010.

ACSELRAD, H. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: _____. (Org.). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2004a. p. 13-35.

ACSELRAD, H. Justiça ambiental: ação coletiva e estratégias argumentativas. In: ACSELRAD, H.; HERCULANO, S.; PÁDUA, J. A. (Org.). Justiça ambiental e cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004b. p. 23-40.

ACSELRAD, H. Externalidade ambiental e sociabilidade capitalista. In.: CAVALCANTI, Clóvis (Org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez / Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1994. p.128-138.

ACSELRAD, H.; MELLO, C. do A.; BEZERRA, G. das N. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

ACSELRAD, H.; MELLO, C. do A.; BEZERRA, G. Agenda 21 local: um glossário analítico para o debate. In: ACSELRAD, H.; MELLO, C.; BEZERRA, G. (Orgs.). Cidade, ambiente e política: Problematizando a Agenda 21 local. Rio de Janeiro: Garamond, 2007, p.33-87.

ACSELRAD, H. & BEZERRA, G. Inserção econômica internacional e "resolução negociada" de conflitos ambientais na América Latina. In: ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. (Org.). Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010a. p. 35-62.

ACSELRAD, H. & BEZERRA, G. Desregulação, deslocalização e conflito ambiental: considerações sobre o controle das demandas sociais. In: ALMEIDA, A. W. (Org.). Capitalismo globalizado e recursos naturais territoriais: fronteiras da acumulação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2010b. p. 179-210.

ALMEIDA, M. B. de. Direitos à floresta e ambientalismo: seringueiros e suas lutas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 19, n. 55, p.33- 52 , jun. 2004.

ARAÚJO, L. M. Aterro/Lixão, mineração e moradores sacrificados: conflito ambiental e “alternativas infernais” na comunidade rural Santa Tecla, Gravataí. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural), Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, UFRGS. Porto Alegre: 2017.

BORGES, A. CPI vai ouvir depoimentos sobre acusações de trabalho escravo em Jirau. Valor Econômico. São Paulo: 03/08/2012. Disponível em: https://www.valor.com.br/empresas/2776032/cpi-vai-ouvir-depoimentos-sobre-acusacoes-de-trabalho-escravo-em-jirau. Acesso em: 2904/2019.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1988.

CARVALHO, I. A invenção ecológica: narrativas e trajetórias da educação ambiental no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2001. (Série Estudos rurais). FEAM, 2006.

CUNHA, M. C. & ALMEIDA, M. Populações tradicionais e conservação ambiental. In: Capobianco, João Paulo Ribeiro et al. (Orgs.). Biodiversidade na Amazônia brasileira: avaliação e ações prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios. São Paulo: Estação Liberdade, ISA, 2004.

ESCÓSSIA, F. Operação liberta 11 trabalhadores de obra em situação de trabalho escravo no Rio. O Globo. Rio de Janeiro: 30/11/2015. Disponível em: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/11/operacao-liberta-11-trabalhadores-de-obra-em-situacao-de-trabalho-escravo-no-rio.html.

FUKS, M. Arenas de ação e debate públicos: conflitos ambientais e a emergência do meio ambiente enquanto problema social no Rio Janeiro. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 41, n. 1, 1998. p.87-113.

GERHARDT, C. Grandes projetos de desenvolvimento e a produção estrutural da insustentável desigualdade ambiental: das macroéticas e suas justificações às “entidades-satélite”. Ruris, Campinas: v. 8, n. 2, set. 2014.

GERHARDT, C.; MAGALHÃES, S.; ALMEIDA, J. Contextos Rurais e Agenda Ambiental no Brasil: conflitos, interfaces, contradições. In.: ______. Dossiê contextos rurais e agenda ambiental no Brasil: conflitos, interfaces, contradições. Belém: Rede de Estudos Rurais, 2012.

GERHARDT, C.; ALMEIDA, J. A dialética dos campos sociais na interpretação da problemática ambiental. Ambiente e Sociedade. São Paulo: v. 8, n. 2, jul.dez. 2005.

GOODMAN, D.; SORJ, B.; WILKINSON, J. Da lavoura às biotecnologias: agricultura e indústria no sistema internacional. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008.

HANNIGAN, J. A. Sociologia ambiental: a formação de uma perspectiva social. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

HANNIGAN, J. Sociologia ambiental. Petrópolis: Vozes, 2009.

HERCULANO, S. O clamor por justiça ambiental e contra o racismo ambiental. Interfaces HS-Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade. São Paulo: v. 3, n. 1, 2011.

HERCULANO, S. Justiça Ambiental: De Love Canal À Cidade Dos Meninos, Em Uma Perspectiva Comparada. In: MELLO, M. P. (Org.) Justiça e Sociedade: temas e perspectivas. São Paulo: LTr, 2001, p. 215-238.

LEÃO, L. Território e (in)justiça ambiental: uma agenda científica para a psicologia organizacional e do trabalho. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho. Vol. 16, n. 2, 2013, p. 183-198.

LEFF, E. Aventuras de la epistemologia ambiental; de la articulación de las ciencias al diálogo de saberes. México: D. F.: Siglo XXI, 2006. 238

LEITE LOPES, J. S. Sobre processos de ambientalização dos conflitos e sobre dilemas da participação. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 12, n. 12, p. 31-64, 2006.

LEROY, J.P.; ACSELRAD, H.; MELLO, C. C.; MALERBA, J. Projeto avaliação de equidade ambiental como instrumento de avaliação de impacto de projetos de desenvolvimento. Rio de Janeiro: FASE - IPPUR/UFRJ, 2011.

MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS. Política Nacional de Direitos dos Atingidos por Barragens (PNAB). São Paulo: 2016. Disponível em http://www.mabnacional.org.br/noticia/mab-entrega-proposta-pol-tica-direitos-dos-atingidos-senadores. Acesso em: 29/04/2019.

MACHADO, B. O caso da TKCSA, duas cidades, uma siderúrgica: uma análise das estratégias de “chantagem locacional” nos grandes projetos de desenvolvimento. Trabalho de Conclusão de Curso. Defesa e Gestão Estratégica Internacional. UFRJ: 2017.

MALAGODI, M. A. S. Geografias do dissenso: sobre conflitos, justiça ambiental e cartografia social no Brasil. Espaço e Economia. Mar. 2013.

MART'INEZ-ALIER, J. O ecologismo dos pobres. São Paulo: Contexto, 2007.

MELLO, Cecília Campello. Contra as “alternativas infernais”. Revista Contra-Corrente. Brasília: Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multinacionais, n.01, p. 28-30, nov. 2009.

MENEZES. E. Obra em shopping de BH utilizou trabalho escravo, afirma Ministério do Trabalho. R7. Rio de Janeiro: 02/07/2014. Disponível em: https://noticias.r7.com/minas-gerais/obra-em-shopping-de-bh-utilizou-trabalho-escravo-afirma-ministerio-do-trabalho-02072014. Acesso em: 29/04/2019.

MILANEZ, B. Modernização ecológica no Brasil: limites e perspectivas. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 20, p. 77-89, jul./dez. 2009. Editora UFPR.

MORENO C.; SPEICH, D.; FUHR L. A Métrica do Carbono: abstrações globais e epistemicídio ecológico. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2016

MORENO C.; LEITÃO A. C.; GOMES M. O lado B da economia verde. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2012.

OSTROM, Elinor. 1990. Governing the Commons: The Evolution of Institutions for Collective Action. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

REDCLIFT, M. R. Pós-sustentabilidade e os novos discursos de sustentabilidade. Raízes. Campina Grande: v. 21, n.1, 2002.

REPORTER BRASIL. Nordestinos trabalham em condições precárias na Arena Grêmio; obra é parcialmente interditada. São Paulo: 2011. Disponível em: https://reporterbrasil.org.br/2011/03/nordestinos-trabalham-em-condicoes-precarias-na-arena-gremio-obra-e-parcialmente-interditada/. Acesso em: 29/04/2019.

PEREIRA, J. M. Assaltando a pobreza: política e doutrina econômica na história do banco mundial (1944-2014). Revista de História. São Paulo: n. 174, p. 235-265, jan.-jun., 2016

RIBEIRO. G. L. Poder, Redes e Ideologia no Campo do Desenvolvimento. Novos Estudos - CEBRAP, São Paulo, p. 109-125, mar. 2008.

RIBEIRO. G. L. Ambientalismo e desenvolvimento sustentado. Nova Ideologia/Utopia do Desenvolvimento. Série Antropologia, n. 123, Universidade de Brasília, 1992.

SANTOS, C. F.; DORNELAS, R. S. Distâncias e proximidades na lógica da desigualdade ambiental. NORUS- Novos Rumos Sociológicos. Pelotas: v. 3, n. 4, p. 61-83, 2015.

SCOTT, W. Education and sustainable development: challenges, responsibilities, and frames of mind. The Trumpeter, v. 18, n. 1, p. 22-34, 2002.

VAINER, Carlos B. O conceito de “atingido”: uma revisão do debate. In: ROTHMAN, Franklin. Vidas alagadas: conflitos socioambientais, licenciamento e barragens. Viçosa: UFV, 2008, p. 39-63.

VIEGAS, Rodrigo Nuñez. Desigualdade Ambiental e “Zonas de Sacrifício". 2015. Disponível em: . Acesso: 11/11/2018.

ZHOURI, A; LASCHEFSKI, K. Desenvolvimento e conflitos ambientais: um novo campo de investigação. In: ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. (Org.). Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Centro Interdisciplinar em Sociedade, Ambiente e Desenvolvimento (CISADE) - Campus Centro 

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural - PGDR/UFRGS

Av. João Pessoa, 31   1º andar
Porto Alegre/RS   CEP: 90040000