El Gaucho

Lauro Pereira Guimarães

Resumo


O amanhecer do século dezesseis encontra as Cortes de Espanha e Portugal em acirrada disputa pela posse e domínio de largas porções de virgens terras, acrescidas ao mundo conhecido - incorporadas ao ecúmeno - pelas descobertas marítimas do final do século anterior. Dentre as áreas desvendadas pelos descobridores, as da América do Sul, em particular, despertavam a cobiça dos monarcas ibéricos, ávidos de poderio político e de riquezas materiais. O Tratado de Tordesilhas «da Partição do Mar Oceano», de 1494, que pretendeu dividir
os novos territórios por uma linha demarcatória de pólo a pólo, não passou de um traço fugaz na superfície dos mapas, a desafiar a audácia dos desbravadores e incendiar a cupidez das metrópoles, uns e outros conscientes da ilegitimidade de suas investidas. A imprecisão dos limites, a dúvida quanto à soberania sobre vastas regiões meridionais iria retardar por mais de dois séculos ( o 16, o 17 e parte do 18), a ocupação regular, ordeira e pacífica da terra jovem, entre Laguna, último bastião português, e a “porteña” Buenos Aires, espanhola desde a fundação, em 1536, por Pedro de Mendoza. A heróica, combatida, derrotada, renascente Colônia do Sacramento, tentativa de afirmação do domínio
lusitano até à margem esquerda do Rio da Prata, é o documento mais palpável da instabilidade da linha divisória, no meridiano da América e que só ficaria definida - já entre as novas nações independentes - no terceiro decênio do século dezenove, com o nascimento da brava nação oriental- o Uruguai em 1828.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1678-3484 - Qualis: História B3 - Planejamento Urbano B5 - Ciências Sociais Aplicadas B4 - Letras B2. Contato: revistaihgrgs@ufrgs.br