Base Nacional Comum Curricular: a história disputada em duas versões

Matheus Oliveira Silva

Resumo


Este trabalho pretende apresentar os resultados finais da pesquisa de Iniciação Científica intitulada “Base Nacional Comum: representações e desdobramentos”, sob orientação da Prof.ª Dr.ª Margaria Dias. Nosso objetivo era compreender qual o ensino de História idealizado pelos críticos à primeira versão preliminar da Base Nacional Comum Curricular. Para isso, tomamos como fontes seus posicionamentos por meio de cartas, notas e pareceres, analisando-os metodologicamente através da análise de conteúdo. Ao final, relacionamos os resultados obtidos à discussão acerca do papel do ensino de História para a formação cidadã, buscando compreender como tal compreensão dialoga com este papel do ensino de História.


Palavras-chave


BNCC; Entidades de classe; Cidadania; Análise de Conteúdo.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. Ideologia e currículo. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, José D’Assunção. O projeto de pesquisa em história: da escolha do temaao quadro teórico. 8 ed. Petrópolis/RJ. Vozes, 2012

BRASIL. BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. 1º ED. Brasília,2015, 302p.

BRASIL. Constituição (1988). Artigo nº 210. Capítulo III, p. 61.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. 1996

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: história e geografia. Brasília: MEC/SEF, 1998. 109p.

CERRI, Luís Fernando. Didática da História: uma leitura teórica sobre a História naprática. Revista de História Regional. Ponta Grossa, v.15, n.2, p.264-278, 2010.

FREITAS, Itamar. Conteúdos históricos. In: FREITAS, Itamar. Aprender e ensinar história nos anos finais da escolarização básica. Aracaju: Editora Criação, 2014, p.101.

FREITAS, Itamar. Sobre o sentido e a natureza dos conteúdos. In: FREITAS, Itamar. Fundamentos teóricos e metodológicos para o ensino de história: anos iniciais. São Cristóvão: Editora UFS, 2010, p.189.

FREITAS, Itamar. Reformas educacionais e os currículos nacionais para o ensino dehistória no Brasil republicano (1931/2009). Cadernos de História da Educação.Uberlândia, v. 12, n. 1, 2013

FREITAS, Itamar. Valores como objeto de aprendizagem histórica. II SimpósioEletrônico Internacional do Ensino de História. Anais... União da Vitória: Unespar,2016. Disponível em . Acesso em 19/05/2016.

MEC. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC, 2013, 562.

OLIVEIRA, Margarida Maria Dias de. O ensino de História como objeto de pesquisa noBrasil. In: ___________. O direito ao passado. Uma discussão necessária à formação doprofissional de História. Aracaju: UFS, 2011. p. 37-116.

OLIVEIRA, Margarida Marida Dias de.;FREITAS, I. A formação do profissional de história na contemporaneidade. In: Mouseion, Canoas, n. 19, dez., 2014, p. 109-125.

PROST, Antoine. Verdade e função social da História. In: PROST, Antoine. Doze lições sobre a História. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2014, p.262.

RÜSSEN, Jörn. História prática – aprender, compreender, humanidade. In: RÜSSEN, Jörn. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Curitiba: Editora UFPR, 2015, p. 247.

SADDI, Rafael. Didática da história na Alemanha e no Brasil: considerações sobreo ambiente de surgimento da neu Geschichtsdidaktik na Alemanha e os desafios danova didática da história no Brasil. OPIS.Catalão/GO, v.14, n.2, p.133-147, jul/dez,2014.

SADDI, Rafael. O parafuso da didática da história: o objeto de pesquisa e o campode investigação de uma didática da história ampliada. Acta Scientarum. Maringá, v.34, n.2, p.211-220, jul/dez, 2012.

SILVA, Matheus Oliveira da. Base Nacional Comum Curricular: representações e desdobramentos do Componente História ? Primeiros resultados. Boletim Historiar, v. 2, p. 98-110, 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A crítica neomarxista de Michel Apple. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p.45.

SOARES, Jandson Bernardo. et al. História e Espaços do Ensino: historiografia,PNLD e a busca por um livro didático ideal. Boletim Historiar. Sergipe, n.13,jan/fev.2016, p.27-36.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Lhiste – Laboratório de Ensino de História e Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre

ISSN 2359-5973