Hominídeos, Vênus e Bruna: Ensino de História e Aprendizagem Significativa em uma turma de Educação de Jovens e Adultos

Wellington Rafael Balém

Resumo


Neste artigo, analisamos uma prática docente em campo de estágio curricular, realizada no primeiro semestre de 2013, junto a uma turma de Educação de Jovens e Adultos em uma escola estadual de ensino fundamental noturno de Caxias do Sul, RS. O relato da experiência não é um fim em si mesmo, mas, antes, ela serve como pretexto compreendermos uma questão mais ampla: como tornar a História e o seu estudo algo significativo para alunos da EJA, em um cenário onde tudo aponta para a direção contrária? Para isso, levando em consideração o contexto sociocultural da escola e da turma, analisamos algumas experiências e estratégias mais ou menos bem-sucedidas desenvolvidas com a referida turma, onde procuramos dar condições para que os alunos pudessem perceber e sentir a História e o seu aprendizado como algo significativo, pois essa significância não é óbvia e demanda que se vá além do aparente, tanto no sentido acadêmico, quanto no humano.


Palavras-chave


Ensino de História; Educação de Jovens e Adultos; Aprendizagem Significativa; História da Hominização

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida de jovens-adultos populares? Revej@ - Revista de Educação de Jovens Adultos, vol.1, ago. 2007.

BALÉM, Wellington Rafael. Antiguidade grega como um instrumento de compreensão do presente: análise de uma prática. Revista Latino-Americana de História, v.2, n.6, ago. 2013, pp. 1025-1039.

BECHER, Franciele. A institucionalização de jovens no Brasil: o que fazemos com os “menores delinquentes”? In STECANELLA, Nilda (org.). Ler e escrever a vida: trajetórias de jovens em privação de liberdade. Caxias do Sul: EDUCS, 2012.

BITTENCOURT, Circe. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2005.

GORDON, David; GORDON, Steve. Sacred Earth Drums. Sequoia Records, 1994. 1 CD.

KARNAL, Leandro. Da Acrópole à Ágora. In: CORSETTI, Berenice (org.). Ensino de História: formação de professores e cotidiano escolar. Porto Alegre: EST, 2002.

LIA, Cristine Fortes; BALÉM, Wellington Rafael. Os vivos, os mortos e os não nascidos: as religiões consideradas mortas e o ensino de História. Revista Latino-Americana de História, v.2, n.6, ago. 2003.

LOPES, Luis Carlos. O lugar dos arquivos na cultura brasileira. Ciências & Letras, Porto Alegre, n.31, p.167-175, jan./jun., 2002.

MONTEIRO, Katani Maria N.; BALÉM, Wellington Rafael. “Lembra-te da primeira vez?” um Processo de Investigação de Paternidade entre o ensino e a escrita da História. Opsis (Catalão), v.15, n.1, p.43-59, 2015.

MOREIRA, Marco Antônio; MASINI, Elcie F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

MORETTO, Vasco. Prova: um momento privilegiado de estudo, não um acerto de contas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

PASETTI, Edson. Crianças carentes e políticas públicas. DEL PRIORE, Mary (org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.

TAYLOR, Timothy. A Pré-História do Sexo: quatro milhões de anos de cultura sexual. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Construção do conhecimento em sala de aula. 11ed. São Paulo: Libertad, 2000.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Avaliação: concepção dialética-libertadora do processo de avaliação escolar. São Paulo: Libertad, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Lhiste – Laboratório de Ensino de História e Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre

ISSN 2359-5973