OS DEUSES DEVEM ESTAR LOUCOS: LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NA FORMAÇÃO DE CONHECIMENTO NAS AULAS DE HISTÓRIA

Caroline Dall Agnol

Resumo


O artigo tem por objetivo traçar apontamentos pedagógicos sobre a utilização do cinema como ferramenta de apoio para a ampliação do conhecimento nas aulas de História e demonstrar o quanto a linguagem cinematográfica é capaz de despertar o interesse dos estudantes pelo conteúdo trabalhado na disciplina. Para alcançar o propósito, escolhemos como objeto de estudo o filme Os Deus devem estar loucos, de 1980. A opção tem por finalidade ilustrar o período histórico da Guerra Fria. Utilizamos a técnica de Marc Ferro (2010) que divide o filme em roteiro e conteúdo. Isso nos permite criar um paralelo entre a época que o filme foi produzido e a forma como o enredo aborda questões ligadas ao Capitalismo, por meio do simbolismo da garrafa da Coca-Cola – objeto representantivo do mundo ocidental. Esse artigo faz um panorama do Cinema-História, com o intuito de assimilar como o cinema é utilizado em sala de aula a partir dos teóricos Barros (2012), Nóvoa (2012) e Ferro (2010).

 


Palavras-chave


Cinema-História; Ensino de História; Ideologia e Linguagem cinematográfica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, Louis. Ideologia e Aparelhos Ideológicos de Estado: notas para uma investigação. In: ADORNO, Theodor W. [et.al] ZIZEK, Slavoj (org.), tradução de Vera Ribeiro. Um mapa da Ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BARROS, José d’Assunção. Cinema e história: entre expressões e representações. In.: NÓVOA. Jorge; BARROS, José D’Assunção (orgs.). Cinema-história: teoria e representações sociais no cinema. 3 ed. Rio de Janeiro: Apicuri, 2012, p. 55-105.

CANCLINI, Néstor García. A socialização da Arte: teoria e prática na América Latina. Tradução de Maria Helena Ribeiro da Cunha e Maria Cecília Queiroz Moraes Pinto. 2. ed. São Paulo: Editora Cultrix, 1984.

CHAUI, Marilena. O que é ideologia? 2. ed. rev. e amp. São Paulo: Brasiliense, 2001. (Coleção Primeiros Passos, 13).

DEBORD, Guy. A Sociedade do espetáculo. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contrapondo, 1997.

DUARTE, Rosália. Cinema & Educação. 2. ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2002.

EAGLETON, Terry. Ideologia: uma introdução. Tradução de Silvana Vieira e Luís Carlos Borges. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista; Boitempo, 1997.

GUARESCHI, Pedrinho A. Sociologia Crítica: alternativas de mudança. 63 ed. rev. e ampl. . Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011.

HENNEBELLE, Guy. Os cinemas nacionais contra Hollywood. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX 1914-1991. Tradução de Marcos Santarrita. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

NÓVOA, Jorge. Apologia da relação cinema-história. In.: ______.; BARROS, José D’Assunção (orgs.). Cinema-história: teoria e representações sociais no cinema. 3 ed. Rio de Janeiro: Apicuri, 2012. p. 19-53.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Lhiste – Laboratório de Ensino de História e Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre

ISSN 2359-5973