EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA EM UM BRASIL EM TRANSFORMAÇÃO: COMPREENSÕES HISTÓRICAS

Julio Cesar Ausani, Roselene Gomes Pommer

Resumo


O referido projeto de pesquisa faz parte do Programa de Pós-Graduação em Educação profissional e Tecnológica, Curso de Mestrado Acadêmico em Educação Profissional e Tecnológica, do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria (CTISM), unidade integrante da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Através de pesquisas bibliográficas, análises de periódicos, impressos ou online e de depoimentos orais, pretende-se refletir sobre as bases do processo histórico de implantação e de transformação da educação profissionalizante, no Brasil, desde a década de 1930, até o início do século XXI, tendo o ensino técnico profissionalizante em Santa Maria como estudo de caso. Efetivado a partir do primeiro período de governo de Getúlio Vargas (1930-1945), esse processo sofreu alterações durante os governos de Juscelino Kubitschek (1956-1961), dos presidentes militares (1964-1985), no período posterior a ditadura civil-militar e, mais recentemente, após o ano de 2003 quando foi criada a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC), do Ministério da Educação. Para refletir sobre as alterações desse período, buscar-se-á compreender as relações entre as ações políticas e econômicas adotadas na época, (Planos Nacionais de Desenvolvimento, o chamado Milagre Econômico Brasileiro, a reabertura política, a promulgação da Constituição Nacional de 1988 e a própria Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996) e as demandas determinadas a partir da reestruturação do sistema capitalista em nível mundial. Acredita-se que a compreensão desse processo seja fundamental para a definição das políticas públicas para a Educação Profissional e Tecnológica em um país em transformação sócio laboral.                        

 


Palavras-chave


Educação; Trabalho; Relações de Poder; Tecnologias; Políticas Públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, R.V. Os Vargas. Rio de Janeiro: Globo, 1985.

AMARAL, A.F. Getúlio Vargas: Continuador de Uma Ideia, Vítima de Espoliação. Porto Alegre: Martins Livreiro Editor, 1984.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa de Integração da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrada ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA. Documento Base. Brasília, 2006. Disponível em http://portal.mec.gov.br/setec. Acesso em 07.04.2006.

CARR, E.H. Que é História? Conferências George Macaulay Trevelyan proferidas por E.H. Carr na Universidade de Cambridge, janeiro-março de 1961, tradução de Lúcio Maurício de Alverga, revisão técnica de Maria Yedda Linhares; Rio de Janeiro: Paz e Terra, 3ª ed. 1982.

CHILDE, V. G. O Que Aconteceu na História, tradução de Waltensir Dutra, 5ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

Constituição da República Federativa do Brasil, 05.10.1988.

Decreto nº 2.208, de 17 de abril de 1997. Brasília, DF: 17 de abril de 1997.

FERNANDES. F. A revolução burguesa no Brasil. Um ensaio de interpretação sociológica. 3. Ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

ENGELS, F. Del Socialismo Utópico al Socialismo Científico. Moscou: Editorial Progresso, 1978.

FREIRE,Gilberto.Casa-Grande e Senzala. 23ª Ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olímpio Editora, 1984.

FRIGOTTO, Gaudêncio. GIAVATTA, Maria. RAMOS, Marise (orgs) Ensino Médio Integrado: Concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

FRIGOTTO, Gaudêncio. CIAVATTA, Maria. RAMOS, Marise. A política de Educação Profissional no Governo Lula: Um percurso histórico controvertido. Campinas: Educação e Sociedade, 26 (92) 1.087-1113, out. 2005.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Fazendo pelas mãos a cabeça do trabalhador: trabalho como elemento pedagógico na formação profissional. In: Conferência Brasileira de Educação, Belo Horizonte, 1982. Rio de Janeiro: SENAC/DIPLAN, 1983.

HOBSBAWM, Eric.O Novo Século (Entrevista a Antônio Polito). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil, Edição 3, Companhia das Letras: São Paulo, 1997.

http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/22e/doc1_22e.pdf, acessado em 25/09/15.

IANNI, Otávio. Estado e planejamento econômico no Brasil. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 1991.

KOSELLEK, Reinhart.Futuro Pasado: para una semantica de los tempos históricos. Barcelona: Ed.Paidós Ibérica, 1993.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Institui as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: 20 de dezembro de 1996.

LOBO NETO, F. O discurso sobre tecnologia na “tecnologia” do discurso: discussão e formulação normativa da educação profissional no quadro da lei de diretrizes e bases da educação em 1996. Niterói: 2006. Tese de doutorado.

MARX, K. Crítica da filosofia do direito de Hegel: Introdução. São Paulo: Temas de Ciências Humanas, 1977.

MELENCHON, J. L. Por um Modelo Universal de Profissionalização Sustentável. Porto Alegre, 2003. Conferência no Fórum Mundial de Educação.

MOLL, J. et al. Educação Profissional e Tecnológica no Brasil Contemporâneo, desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010.

SCHNEIDER, J.O. et al. Realidade Brasileira: Estudos de Problemas Brasileiros. 7ª ed. Porto Alegre: Sulina, 1983.

SCHWARTZ, G. John Maynard Keynes- Um Conservador Autocrítico; São Paulo: Brasiliense, 1984.

SODRÉ, N. W. Formação histórica do Brasil. Rio de Janeiro:Grafhia editoria, 2004.

WONNACOTT,P. Economia. Tradução, revisão e adaptação Yeda Rorato Crusius et al. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1982.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Lhiste – Laboratório de Ensino de História e Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre

ISSN 2359-5973