RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E AÇÕES AFIRMATIVAS: DISCUSSÕES SOBRE CURRÍCULO

Luciane Dos Santos Avila

Resumo


O presente artigo tem como objetivo discutir as relações étnico-raciais e as ações afirmativas, tendo como elemento norteador o currículo. Partindo da compreensão que a educação formal foi constituída por processos desiguais dentro de uma perspectiva universalista de sujeito, é necessário historicizar diferentes movimentos educacionais e refletir qual o espaço das relações étnico-raciais no currículo. A desigualdade no acesso a educação e a sua permanência são perceptíveis ao longo da história da educação escolarizada no Brasil, as políticas de ações afirmativas adotadas pelas universidades provocam questionar: Quais saberes são acolhidos e quais são silenciados nos espaços acadêmicos? A educação superior precisa problematizar suas práticas de ensino aprendizagem, para desconstruir concepções normatizadoras de currículo e perceber novas possibilidades. 



Palavras-chave


relações étnico-raciais, currículo, ações afirmativas, educação superior.

Texto completo:

PDF

Referências


AMANTINO, Marcia. Fazendas, engenhos e haciendas: Os bens materiais e os escravos dos Jesuítas na Capitania do Rio de Janeiro e na Província Jesuítica do Paraguai, século XVIII. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH • São Paulo, julho 2011. Disponível em: < http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1308063418_ARQUIVO_textocompletoANPUH.pdf> Acesso em: 08 de outubro de 2015.

ARAÙJO, Thiago. Caso Amarildo: Justiça do Rio revoga prisão de policiais militares acusados pela tortura e morte do pedreiro em 2013. Brasil Post, 2015. Disponível em: Acesso em 11 de outubro de 2015.

ARROYO, Miguel G. Currículo, Território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ARROYO, Miguel. A escola é importantíssima na lógica do direito à educação básica. In. COSTA, Marisa Vorraber (org). A escola tem futuro? Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p. 119-149.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; KURROSCHI, Andreia Rosa da Silva. Estudantes indígenas na ensino superior: o programa de acesso e permanência na UFRGS. Disponível em:Acesso em 07 de outubro de 2015.

CARVALHO. José Jorge de. As Ações Afirmativas como resposta ao racismo acadêmico e seu impacto nas ciências sociais brasileiras. Teoria e Pesquisa 42 e 43 janeiro - julho de 2003.

Censo 2010: população indígena é de 896,9 mil, tem 305 etnias e fala 274 idiomas. Disponívelem: Acesso em 08 de outubro de 2015.

Censo Escolar registra 51,5 milhões de alunos matriculados em 2010. INEP, Brasília, 2011. Disponível em :< http://www.palmares.gov.br/?page_id=88&estado=RS > Acesso em 18 de setembro de 2015.

COSTA, Aparecida Regina. Um estudo das políticas públicas de acesso e permanência de indígenas no ensino superior em Rondônia: O caso da Licenciatura Intercultural Indígena da Universidade Federal de Rondônia em Jí- Paraná: UFR, Porto Velho, 2012.

COUTO, Jorge. Historia do Brasil- Jesuítas. Cursos Livres Univesp TV, 2012. Disponível em: < http://www.youtube.com/watch?v=1jEFIjqcJz0> Acesso em 11 de junho de 2015.

DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil 1917-1945. São Paulo: Editora da UNESP, 2006.

Decreto nº 1.331-A, de 17 de Fevereiro de 1854. Disponível em: Acesso em 08 de outubro de 2015.

Decreto nº 4.887, de 20 de novembro de 2003. Disponível em: Acesso em 09 de outubro de 2015.

Decreto Nº 4.887, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/d4887.htm> Acesso em: 16 de outubro de 2015.

Decreto nº 7.031-A, de 6 de Setembro de 1878. Disponível em: Acesso em 09 de outubro de 2015.

Deliberação Nº 080/2012 Dispõe sobre o Edital do Processo Seletivo 2013, específico para ingresso de estudantes quilombolas. Disponível em: Acesso em 14 de setembro de 2015.

Deliberação nº 160/2010 Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração em 17 de dezembro de 2010. Disponível em: Acesso em 18 de outubro de 2015.

ESTACIO, Marcos Andre Ferreira. As quotas para indígenas na Universidade Do Estado Do Amazonas. Manaus UFAM, 2012 . Disponível em:< http://bancodeteses.capes.gov.br/> Acesso em 18 de setembro de 2015.

ESTACIO, Marcos Andre Ferreira. As quotas para indígenas na Universidade Do Estado Do Amazonas. Manaus UFAM, 2012 . Disponível em:< http://bancodeteses.capes.gov.br/> Acesso em 18 de agosto de 2015.

FANON, Frantz. Pele negra máscaras brancas. Salvador: EDITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA, 2008. Disponível em: Acesso em 15 de agosto de 2015.

FARIA, Sheila de Castro. Os barões do Brasil - como cafeicultores ergueram suas fortunas baseadas na exploração da mão de obra escrava. In: Luciano Figueiredo. (Org.). A era da escravidão. 1ed. Rio de Janeiro: Sabin, 2009, p. 41-50.

FONSECA, Dagoberto José. Políticas Públicas e ações Afirmativas. São Paulo: Selo Negro, 2009.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Introdução de Francisco C. Weffort. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. Disponívelem: Acesso em 21 de outubro de 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GAIGER, Paulo. O Corpo em Adão e Eva breve ensaio para reflexão. Porto Alegre: Porto&Vírgula, v. Nº 43, 2001. p. 24 - 27.

GOMES, Camila de Magalhães. Claudia Silva Ferreira, 38 anos, auxiliar de limpeza, morta arrastada por carro da PM. Blogueiras Feministas, 2014. Disponível em:< http://blogueirasfeministas.com/2014/03/claudia-silva-ferreira-38-anos-auxiliar-de-limpeza-morta-arrastada-por-carro-da-pm/> Acesso em 11 de outubro de 2015.

JODAS, Juliana. Entre a diversidade e a diferença: Programa de ações Afirmativas da UFSCAR e as vivências dos estudantes indígenas. São Carlos: UFSCAR, 2013. Disponível em: Acesso em 22 de setembro de 2015.

KEPELLER, Celina. Transexual que foi de Cristo crucificado na Parada Gay, modelo Viviany Beleboni é ameaçada nas redes sociais e faz desabafo. Na ponta da língua, 2015. Disponível em: Acesso em 11 de junho de 2015.

LEITE, Edgar. “Notórios rebeldes” A expulsão da Companhia de Jesus da América portuguesa. Disponível em: Acesso em 20 de outubro de 2015.

MUNANGA, Kabengele. Relações Étnico-Raciais - Prof°. Dr. Kabengele Munanga. Disponível em:< http://www.youtube.com/watch?v=7FxJOLf6HCA> Acesso em 30 de setembro de 2015.

MUNANGA, Kabengele. Superando o Racismo na Escola. Brasília,Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

NASCIMENTO, Alexandre do. As Políticas de Ação Afirmativa como instrumentos de universalização dos direitos. Lugar Comum (UFRJ), v. 18, p. 55-62, 2003. Disponível em:< http://www.ufgd.edu.br/reitoria/neab/downloads/as-politicas-de-acao-afirmativa-comoinstrumentos-de-universalizacao-dos-direitos-alexandre-do-nascimento> Acesso em 18 de setembro de 2015.

RESOLUÇÃO Nº 012/2010 . Dispõe sobre a avaliação do Processo Seletivo 2010 para ingresso na FURG e sobre a modalidade de ingresso para 2011, alterando a Resolução nº 019/2009 do CONSUN. Disponível em: Acesso em 14 de setembro de 2015.

RESOLUÇÃO Nº 019/2009. Dispõe sobre a criação do Programa de Ação Inclusiva - PROAI. Disponível em: Acesso em 14 de setembro de 2015.

RESOLUÇÃO Nº 020/2013, CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Dispõe sobre a criação do Programa de Ações Afirmativas – PROAAf, em substituição ao Programa de Ações Inclusivas - PROAI. EM 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Disponível em: < http://www.conselho.furg.br/converte.php?arquivo=delibera/consun/02013.htm> Acesso em 18 de setembro de 2015.

RESOLUÇÃO Nº 020/2013. Dispõe sobre a criação do Programa de Ações Afirmativas – PROAAf, em substituição ao Programa de Ações Inclusivas - PROAI. Disponível em:< http://www.conselho.furg.br/converte.php?arquivo=delibera/consun/02013.htm> Acesso em 16 de setembro de 2015.

ROQUE, Moraes. Análise de Conteúdo. Revista de Educação. Porto Alegre Nº37. Março, 1999.

SILVA, Rosa Helena Dias da. Movimentos indígenas no Brasil e a questão educativa. Revista Brasileira de Educação, Caxambu, setembro de 1999. Disponível em: Acesso em 29 de setembro de 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Lhiste – Laboratório de Ensino de História e Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre

ISSN 2359-5973