Urbanização e a criminalidade em Moçambique: uma análise da violência criminal no município de Chimoio

José Joaquim Franze

Resumo


RESUMO

Constitui objeto deste artigo compreender a relação entre o crescimento da criminalidade e o processo de urbanização da cidade de Chimoio, em especial nas periferias em expansão, com o fito de aferir o nível organizacional e da eficácia das políticas públicas de segurança e do sistema de justiça criminal. A abordagem é qualitativa, feita através da revisão bibliográfica, análise documental, conversas informais e entrevistas semiestruturadas. Acredita-se que o município de Chimoio, pela sua localização ao longo da principal rodovia que liga sul, norte e centro do país e ao mesmo tempo com a República do Zimbabwe, tem registrado nos últimos anos um crescimento urbano extensivo, resultante, por um lado, da alta taxa de natalidade, e, por outro lado, pela imigração interna e externa, influenciada pela busca de melhores condições de vida, dada a sua natureza “agroindustrial”, que pressiona assim a ocupação dos espaços urbanos periféricos de forma “desordenada”. A ocupação desses espaços tem sido acompanhada pela prática de diversos crimes, dentre eles crimes violentos e não violentos, criando, dessa forma, uma sensação generalizada de medo e insegurança pública da sua população. Para este trabalho, são usados como parâmetros comparativos os estudos da criminalidade realizados na Argélia e África do Sul, devido a idênticas formas de ocupação socioespacial e da maneira como tem sido praticada a criminalidade.

PALAVRAS-CHAVE

Espaço urbano. Criminalidade. Periferia. Chimoio. Moçambique.

 

ABSTRACT

The purpose of this article is to understand the connection between the growth of criminality and the urbanization process in the city of Chimoio, especially in the expanding peripheries, aiming to assess the organizational level and the effectiveness of the public security policies and of the criminal justice system. The approach is qualitative, performed through bibliographic review, document analysis, informal conversations and semi-structured interviews. It is believed that the municipality of Chimoio, due to its location along the main highway that connects south, north and center of the country and, at the same time, with the Republic of Zimbabwe, has registered in recent years an extensive urban growth, result of, on the one hand, a high birth rate, and, on the other, of internal and external immigration, influenced by the search for better living conditions, given its “agroindustrial” nature, which pressures the “disorderly” occupation of peripheral urban spaces. The occupation of these spaces has been accompanied by the practice of several crimes, among them, violent and non-violent crimes, thus creating a generalized sense of fear and public insecurity among its population. For this work, crime studies carried out in Algeria and South Africa were used as comparative parameters, due to the identical forms of socio-spatial occupation and the way in which crime has been practiced.

KEYWORDS

Urban space. Crime. Periphery. Chimoio. Mozambique.


Palavras-chave


Espaço urbano; Criminalidade; Periferia; Chimoio; Moçambique

Texto completo:

PDF

Referências


CAETANO, Marcello. Manual de direito administrativo. 10. ed. 3. Reimpr. Coimbra: Almedina, 1990. v. II.

CAMERER, Lala et al. Crime in Cape Town: results of a city victim survey. ISS monograph series nº 23. Pretoria: Institute for Security Studies, 1998.

CHOUGUIAT-BELMALLEM, Saliha. Marginalité socio-spatiale, violence et sentiment d’insecurité dans les quartiers peripheriques de Constantine: cas de Boudraa Salah et d’el gammas. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculté des Sciences de la Terre de la Géographie et de L’Aménagement du Territoire, Université Mentouri Constantine, Constantine, 2011.

COMANDO GERAL DA POLÍCIA. Relatório Anual. Maputo: PRM, 2015.

DIAS, Camila. Ocupando as brechas do direito formal: o PCC como instância alternativa de resolução de conflitos. Dilemas, p. 84-106, 2009.

DURKHEIM, Émile. Suicídio. 5. ed. Lisboa: Presença, 1992.

FELIX, Sueli A. Geografia do crime: interdisciplinaridade e relevâncias. Marilia: Unesp Marilia Pública, 2002.

FILOCRE, D’Aquino. Classificações de políticas de segurança pública. 2009. Disponível em: http://www.Texto%20do%20artigo-99-1-10-20120921%20(1).pdf. Acesso em: 28 jan. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. Distrito de Chimoio. Maputo: INE, 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. Projeções anuais da população total urbana e rural, Maputo (2007-2040). Maputo: INE, 2010.

JORNAL NOTÍCIAS (Online). Linchamento em Chimoio. 2015. Disponível em: https://noticias.mmo.co.mz/2015/10/linchamento-em-chimoio.html. Acesso em: 6 set. 2017.

KULA. Criminalidade e vitimização: cidades de Maputo, Beira e Nampula. Maputo: KULA, 2009.

MALOA, J. et al. Percepção do consumo de álcool como um problema de saúde pública na cidade de Maputo: variação sócio-espacial e factores influentes. In: V CONFERÊNCIA INTERNACIONAL. Do Conhecimento às Decisões: Desafio para um Diálogo Permanente. 29-30 de novembro de 2017. Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane.

MALOA, J. O lugar da desordem: um estudo sociológico sobre o assalto à mão armada em Moçambique, na cidade de Lichinga. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

MALOA, J. Urbanização moçambicana: linhas para interpretação. Tese (Doutorado em Geografia Humana), na Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

MISSE, Michel. Malandros, marginais e vagabundos. A acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, IUPERJ, Rio de Janeiro, 1999.

MMO. Linchamento em Chimoio. Publicado em 15 de outubro de 2015. Disponível em: https://noticias.mmo.co.mz/2015/10/linchamento-em-chimoio.html. Acesso em: 6 set. de 2017.

MOÇAMBIQUE. Lei n.º 35/2014: Lei da revisão do Código Penal. Maputo, 2014.

OLIVEIRA, A. S. S. Políticas de segurança e políticas de segurança pública: da teoria à prática. In: GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL. Das políticas de segurança pública às políticas públicas de segurança. São Paulo: Ilanud, 2002.

OPEN SOCIETY INITIATIVE FOR SOUTHERN AFRICA (OSISA). Iniciativa de prevenção do crime e da violência em Moçambique. Johanesburgo: Open Society Foudation, 2011.

PROTOCOLO DE PALERMO. 2000 [online]. Disponível em: http://sinus.org.br/2014/wp-content/uploads/2013/11/OIT-Protocolo-de-Palermo.pdf. Acesso em: 5 ago. 2017.

SERRA, Carlos (dir.). Linchamentos em Moçambique: o kwhiri que apela à purificação. Maputo: Imprensa Universitária, 2009. v. II.

SERRA, Carlos (dir.). Linchamentos em Moçambique: uma desordem que apela à ordem. Maputo:, Imprensa Universitária, 2008.

SERRA, Carlos. Linchamentos, amarradores de chuvas e cólera social: fusíveis sociais que saltam em Moçambique. In: BARREIRA, César (org.). Violência e conflitos sociais: trajetórias de pesquisa. Campinas: Pontes, 2010.

SERRA, Carlos. Novos combatentes pela mentalidade sociológica. Maputo: Imprensa Universitária-UEM, 1997.

SPINKS, Charlotte. A new apartheid? Urban spatiality, (fear of) crime, and segregation in Cape town, South Africa. Development Studies Institute London School of Economics and Political Science, 2001.

TISSOT, Céline. Les axes prioritaires face à l'émergence de phénomènes criminels en banlieue québécoise: l’exemple d’un quartier de Laval. Université de Montréal. École de Criminologie. Faculté des Arts et des Sciences. Mémoire présenté à la Faculté des Études Supérieures. En vue de l’obtention du grade de Maître aux Sciences (M. Sc.) en Criminologie, 2015.

VUTANE, Joel. A problemática de linchamentos públicos em Moçambique: o caso específico dos bairros da cidade de Chimoio. Dissertação (Mestrado em Criminologia) – Faculdade de Direito, Universidade de Porto, Porto, 2013.

ZALUAR, Alba. Democracia inacabada: o fracasso da Segurança Pública. Estudos Avançados (USP. Impresso), v. 21, p. 31-49, 2007.

ZALUAR, Alba. Violência e crime. In: MICELI, Sérgio (org.). O que ler nas ciências sociais brasileira (1970-1995). São Paulo: ANPOCS, 1999.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.94276

Apontamentos

  • Não há apontamentos.