A REMUNERAÇÃO VARIÁVEL ALTERNATIVA DE BIOPODER NA MODERNIDADE LÍQUIDA

Vera Susana Lassance Moreira

Resumo


Este artigo visa analisar as propostas de remuneração variável à luz da perspectiva do biopoder, a partir de Foucault (1996). A remuneração sempre foi uma forma de controle do capital sobre o trabalho, esta forma de controle, teve, assim como a remuneração a sua evolução, passando de um controle uniforme e institucional para um controle biopolítico, microfísico que se dá a partir da internalização das normas e regras do novo trabalho no próprio sujeito, que já não sofre mais a fiscalização física, mas que é o sujeito do seu próprio controle, construindo uma nova forma de subjetivação. A análise é feita a partir de um personagem conceitual, o gerente, conforme conceito de Deleuze e Guattari (1992) utilizando-o como ponto de partida para o caso pensamento da remuneração variável (RV). A metodologia utilizada pode ser identificada dentro de uma perspectiva pós-moderna ou contemporânea, procurando problematizar e pensar de um outro modo para que se possa ir além das evidências e do senso comum. Os mecanismos e conceitos associados à RV tais como excelência, competência e outros são identificados como mecanismos de biopoder que se colocam aos indivíduos interferindo em seu desempenho e modificando sua subjetividade, expressos em sua forma de agir e pensar.


Palavras-chave


Remuneração Variável; poder; bio-poder; controle; pós - modernidade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



REAd - Revista Eletrônica de Administração
Escola de Administração | Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Rua Washington Luiz, 855 - Porto Alegre/RS - Brasil | CEP: 90.010-460

Correio eletrônico: ea_read@ufrgs.br