Enem: uma análise do efeito das políticas públicas educacionais em Alagoas e a comparação do resultado do ranking com os demais estados do Nordeste

Autores

  • Daniel Cabral de Almeida Universidade Federal de Alagoas
  • Victor Hugo Lessa Pierre Universidade Federal de Alagoas
  • Carlos Eugênio Silva da Costa Universidade Federal de Alagoas
  • Luciana Peixoto Santa Rita Universidade Federal de Alagoas
  • Ibsen Mateus Bittencourt Santana Pinto Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol33n22017.70879

Palavras-chave:

Ranking do ENEM, políticas públicas educacionais, Alagoas

Resumo

O artigo analisa os resultados de Alagoas no ranking do Exame Nacional do Ensino Médio entre 2013 e 2015, comparando-os com os demais estados do Nordeste.  Identificam-se as especificidades que contribuem para a conquista das melhores notas e a aplicação das políticas públicas educacionais em Alagoas. Usou-se a abordagem de pesquisa quali-quantitativa. Identificou-se que as escolas da Bahia e de Pernambuco detêm os melhores resultados do Nordeste e estimou-se que o nível socioeconômico tem grande influência nos resultados das escolas.  Registrou-se ainda que o indicador de formação docente parece não ser ponto chave na elevação das notas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Cabral de Almeida, Universidade Federal de Alagoas

Graduado em Administração pela Faculdade Estácio de Alagoas (2008). MBA em finanças Corporativas pela Universidade Gama Filho - RJ (2010). Atualmente é administrador do Instituto Federal de Alagoas lotado na Pro reitoria de administração. Mestrando em administração pública em rede nacional PROFIAP/UFAL

Victor Hugo Lessa Pierre, Universidade Federal de Alagoas

Graduado em Direito pela Universidade Federal de Alagoas(2011) e especialista em Ciências Criminais pela FACULDADE DE MACEÍO(2015). Atualmente é ANALISTA DE GESTÃO PÚBLICA do Ministério Público do Estado de Alagoas. Mestrando em administração pública em rede nacional PROFIAP/UFAL

Carlos Eugênio Silva da Costa, Universidade Federal de Alagoas

Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal de Alagoas (2007); Pós-graduado em Administração Pública pelo Instituto Prominas (2014); Administrador em uma unidade da Universidade Federal de Alagoas - UFAL, no Campus do Sertão, na cidade de Delmiro Gouveia/AL. Mestrando em administração pública em rede nacional PROFIAP/UFAL

Luciana Peixoto Santa Rita, Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação em Economia pela Universidade Federal de Alagoas (1993), graduação em Direito pelo Centro de Estudos Superiores de Maceió (1994), mestrado em Administração pela Universidade Federal de Alagoas (1999) e doutorado em Administração pela Universidade de São Paulo (2004). Atualmente é Professora Associada II da Universidade Federal de Alagoas e ministra aulas no Curso de Graduação em Administração e nos Mestrados em Administração Pública (PROFIAP) e Economia Aplicada. Atua como pesquisadora nas seguintes áreas: cenários e políticas públicas, competitividade industrial, perfil tecnológico, economia de empresas e sistemas de inovação. Atua como pesquisadora na FIEA. Avaliadora do INEP e da EAD/CAPES.

Ibsen Mateus Bittencourt Santana Pinto, Universidade Federal de Alagoas

Doutor em Administração de Empresas, Mestre Educação Brasileira na linha de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC, Especialista em Gestão de Turismo e Especialista em Matemática, Bacharel em Administração de Empresas e Bacharel em Turismo. Atualmente é Professor Adjunto I da Universidade Federal de Alagoas UFAL e Sócio-Proprietário da IT4LIFE que desenvolve software baseado em recomendações humanas empresa incubada no Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT/PROPEP/UFAL.

Referências

AGÊNCIA ALAGOAS. Notícias. Disponível em <http://agenciaalagoas.al.gov.br/noticia/item/9884-secretaria-promove-aulao-preparatorio-para-mais-de-4-mil-estudantes> Acesso em 4 de jan. 2017.

ANDRADE, Eduardo; SOIDA, Ivan. A qualidade do ranking das escolas de Ensino Médio baseado no ENEM é questionável. Estudos Econômicos, v. 45, n. 2, p. 253-286, São Paulo, 2015.

ANDRIOLA, Wagner Bandeira. Doze motivos favoráveis à adoção do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) pelas Instituições Federais de Ensino Superior (IFES). Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., v. 19, n. 70, p. 107-25, 2011.

BARBOSA FILHO, F. H.; PESSOA, S. A. Educação e Crescimento: o que a evidência empírica e teórica mostra? Revista Brasileira de Economia, v. 11, p. 265-303, 2010.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CURI, Andréa Zaitune et al. A relação entre mensalidade escolar e proficiência no enem. XXXVII Encontro Nacional de Economia [Proceedings of the 37th Brazilian Economics Meeting]. Anais... 2009.

DOURADO, Luiz Fernandes; CATANI, Afrânio Mendes; OLIVEIRA, João Ferreira. Políticas públicas e reformas da educação superior no Brasil: impasses e perspectivas. Pro-Posições, v. 15, n. 3, p. 91-115, 2016.

FREY, Klaus. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e políticas públicas, Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), n. 21, p. 211-259, jun 2000.

INEP. Exame Nacional do Ensino Médio 2015. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas educacionais Anísio Teixeira, 2016. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/enem/enem>. Acesso em: 3 jan. 2017.

KAVESKI, Itzhak David Simão; MARTINS, José Augusto Sousa ; SCARPIN, Jorge Eduardo . A eficiência dos gastos públicos com o ensino médio regular nas instituições estaduais brasileiras. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 34, p. 29-43, 2015.

MENEZES FILHO, Naércio A. Os determinantes do desempenho escolar do Brasil. São Paulo: IBMEC. Sumário Executivo, 2007. Disponível em: <https://www.todospelaeducacao.org.br/arquivos/biblioteca/f4e8070a-8390-479c-a532-803bbf14993a.pdf>. Acesso em: 5 de jan. 2017.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Pacto do Ensino Médio. Disponível em: <http://pactoensinomedio.mec.gov.br/>. Acesso em: 4 de jan. 2017.

OLIVEIRA, Adão F. de; PIZZIO, Alex; FRANÇA, George. Políticas públicas educacionais: conceito e contextualização numa perspectiva didática. In: Oliveira, A. F.. (Org.). Fronteiras da Educação: desigualdades, ontologia e políticas educacionais. 01ed.Goiânia: Editora da PUC Goiás, 2010, v. 01, p. 95-104.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. Cortez, 2004.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Comunicação. Disponível em <http://www.educacao.al.gov.br/comunicacao/sala-de-imprensa/noticias/2016/dezembro/em-2017-alagoas-tera-34-escolas-de-ensino-medio-em-tempo-integral> Acesso em 4 de jan. 2017.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Comunicação. Disponível em <http://www.educacao.al.gov.br/comunicacao/sala-de-imprensa/noticias/2016/dezembro/seduc-publica-edital-para-acompanhamento-pedagogico> Acesso em 4 de jan. 2017.

PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DE ALAGOAS. Transparência. Disponível em <http://transparencia.al.gov.br/> Acesso em 25 de jan. 2017.

PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DE SERGIPE. Transparência Sergipe. Disponível em <http://www.transparenciasergipe.se.gov.br/> Acesso em 25 de jan. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Aulão Pré ENEM Comunitário. Disponível em: <http://www.ufal.edu.br/utilidades/eventos/aulao-pre-enem-comunitario>. Acesso em 4 de jan. 2017.

Downloads

Publicado

2017-09-01

Como Citar

Almeida, D. C. de, Pierre, V. H. L., Costa, C. E. S. da, Santa Rita, L. P., & Pinto, I. M. B. S. (2017). Enem: uma análise do efeito das políticas públicas educacionais em Alagoas e a comparação do resultado do ranking com os demais estados do Nordeste. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 33(2), 399–419. https://doi.org/10.21573/vol33n22017.70879