O Plano de Ações Articuladas e os desdobramentos na dimensão da formação de professores para a educação especial

Autores

  • Vanilda Aparecida de Souza Universidade Federal de Uberlândia Prefeitura Municipal de Uberlândia-MG
  • Lázara Cristina da Silva Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol32n32016.64232

Palavras-chave:

PAR, política educacional, educação especial, formação docente.

Resumo

Esse artigo tem como objetivo analisar as ações do PAR para a educação especial e a formação de professores, no município de Uberlândia-MG. Utilizou-se a pesquisa documental e a entrevista semiestruturada. Os resultados apontam que o PAR tem como foco ações para a formação continuada de professores que atuam no Atendimento Educacional Especializado (AEE), excluindo-se os demais professores. Muitas demandas da escola não foram contempladas no PAR, levantando-se o questionamento acerca da coerência entre as ações previstas e as necessidades da escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanilda Aparecida de Souza, Universidade Federal de Uberlândia Prefeitura Municipal de Uberlândia-MG

VANILDA APARECIDA DE SOUZA possui graduação em Pedagogia, Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia, na linha de pesquisa Estado, Política e Gestão em Educação. Professora efetiva da Rede Municipal de Educação de Uberlândia-MG. Endereço: Rua Delfim Moreira n. 224. Bairro Custódio Pereira. Uberlândia-MG. E-mail: vanisouzza@yahoo.com.br

Lázara Cristina da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

LÁZARA CRISTINA DA SILVA possui graduação em Pedagogia pelo Centro Universitário do Triângulo (1994), mestrado em Educação pela Universidade de Brasília (1998) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (2009). Atualmente é professor Adjunto da Universidade Federal de Uberlândia. Foi coordenadora do Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial - CEPAE/FACED/UFU de 2009 a 2013. Foi Coordenadora da Linha de Pesquisa Estado, Política e Gestão da Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFU de abril de 2010 a maio de 2015. Coordenadora do Curso de Pedagogia da UFU. Endereço: Av. João Naves de Ávila, 2121 - Bloco 1G - Campus Santa Mônica - CEP 38400-902 - Uberlândia - MG. E-mail: lazara_cristina@hotmail.com

Referências

ASSIS, C.P; MENDES, E.G.; ALMEIDA, M.A. Ensino colaborativo: um relato de experiência sobre o desenvolvimento de parceria. Educere et Educare – Revista de Educação, v. 6., n. 11, p.1-15, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Política de Nacional de Educação Especial na Perspectiva de Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008a.

______. Decreto nº 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do art. 60 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto nº 6.253, de 13 de novembro de 2007. Brasília: Subchefia para Assuntos Jurídicos, Casa Civil, set. 2008b.

______. Resolução nº 4, de 02/10/2009. Institui Diretrizes Operacionais para o AEE na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Resolução CNE/CEB 4/2009. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, p. 17,5 de outubro de 2009. Disponível em: < http://peei.mec.gov.br/arquivos/Resol_4_2009_CNE_CEB.pdf>. Acesso em 18 mar. 2014.

_____. Ministério da Educação. Plano de Ações Articuladas - PAR 2011-2014. Guia Prático de Ações para Municípios. Brasília: SEB/MEC, 2011.

______. Nota técnica nº. 55/ 2013, 10 de maio de 2013. Orientação à atuação dos Centros de

AEE, na perspectiva da educação inclusiva. Disponível em: http://www.ppd.mppr.mp.br/arquivos/File/NOTATECNICAN055CentrosdeAEE.pdf. Acesso em: 15 fev. 2014.

GLAT, Rosana; FERNANDES, Edicléa Mascarenhas. Da Educação Segregada à Educação Inclusiva: uma Breve Reflexão sobre os Paradigmas Educacionais no Contexto da Educação Especial Brasileira. Revista Inclusão nº 1, p. 35-39, 2005, MEC/ SEESP.

MESQUITA, A. M. A. A formação inicial de professores e a educação inclusiva: analisando as propostas de formação dos cursos de licenciatura da UFPA. 2007. 218 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2007.

OLIVEIRA, A.A.S. A política de formação de professores para educação especial: a ausência de diretrizes ou uma política anunciada, In: PINHO, S. Z. (Org.). Formação de educadores: o papel do educador e sua formação. São Paulo: editora UNESP, 2009, p. 257-271.

OMOTE, S. A formação do professor de educação especial na perspectiva da inclusão. In: BARBOSA, Raquel L. L. (Org.). Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: UNESP, 2003. p. 153-169.

PRIETO, R. G. A construção de políticas públicas de educação para todos. In: PALHARES, M. S.; MARINS, S. C. (Orgs.). Escola inclusiva. São Paulo: EdUFSCAR, p. 45-59, 2002.

RODRIGUES, Cibele Maria Lima. O Plano de Ações Articuladas (PAR) em municípios do nordeste: pretextos, proposições e o contexto da prática pedagógica e currículo. ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.2, p.292-306, Maio a Agosto de 2013.

UBERLÂNDIA (MG). Plano de Ações Articuladas. Uberlândia, MG: Secretaria Municipal de Educação, 2007.

_____. Plano de Ações Articuladas. Uberlândia, MG: Secretaria Municipal de Educação, 2011.

Downloads

Publicado

2016-12-21

Como Citar

Souza, V. A. de, & Silva, L. C. da. (2016). O Plano de Ações Articuladas e os desdobramentos na dimensão da formação de professores para a educação especial. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 32(3), 887–907. https://doi.org/10.21573/vol32n32016.64232