PAULO FREIRE, ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO ESCOLAR: O DIREITO À EDUCAÇÃO A PARTIR DA FORMAÇÃO CRÍTICO E REFLEXIVA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol37n32021.113246

Palavras-chave:

alfabetização, direito à educação, inclusão social

Resumo

Este artigo apresenta uma revisão da literatura sobre a relação entre alfabetização, inclusão e a perspectiva de Paulo Freire. Discute o aumento do índice de analfabetismo no Brasil e analisa as contribuições freireanas no contexto da formação de professores. O texto se desenvolve por dois eixos analíticos: alfabetização e letramento como processos de inclusão social e a construção política dos princípios de Educação para Todos. Aponta para além das lutas no campo educacional contra o analfabetismo absoluto e funcional, os novos riscos: o analfabetismo virtual e os refugiados digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaine Constant, UFRJ

Possui graduação em Psicologia pela Faculdade de Humanidades Pedro II, Mestrado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Doutorado em Políticas Públicas e Formação Humana pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Políticas Públicas da Educação, avaliação do processo de ensino aprendizagem, currículo escolar e formação docente. Atualmente é Professora Associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Coordena o Laboratório Integrado de estudos de Alfabetização e Linguagem (LIA). Coordenou a Formação do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) no estado do Rio de Janeiro. Professora da Pós-Graduação em Políticas Públicas em Direitos Humanos (PPDH) do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos (NEPP-DH) da UFRJ, em especial, lecionando nas disciplinas de Educação em Direitos Humanos, Políticas Públicas da Educação e Desigualdade Social.

Sandra Cordeiro de Melo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

É graduada em psicologia pela Universidade Católica de Petrópolis (1998), Mestre em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2004), Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010) e Pós-Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É Professora Associada, atua no Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE, e na graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É Coordenadora do Laboratório de Inclusão, Mediação Simbólica, Desenvolvimento e Aprendizagem - LIMDA da Faculdade de Educação da UFRJ. Desenvolve pesquisas sobre Inclusão em Educação, Desenvolvimento, Aprendizagem, Transtorno do Espectro Autista e Síndrome de Down.

Daiane França

Graduação em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Pós Graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Universidade Cândido Mendes (UCAM)

Referências

BIALER, Marina. A inclusão escolar nas autobiografias de autistas. Revista Quadrimestral da

Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP. Volume 19, Número 3,

Setembro/Dezembro de 2015: 485-492.

BRASIL. Constituição (1988) Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília, DF:

Senado Federal, 1988.

BRASIL/MEC. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da

Educação Nacional. Brasília, DF: 20 de dezembro de 1996.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos

parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF,

126p

BOOTH, Tony; AINSCOW, Mel. Index para Inclusão: desenvolvendo a aprendizagem e a

participação na escola. 3. ed. UNESCO/CSIE. Rio de Janeiro, 2011. Tradução de Mônica

Pereira dos Santos. Disponível em: <https://www.lapeadeufrj.rio.br/materiais-e-dicas/index-

para-a-inclus%C3%A3o>. Acesso em: 16 abr. 2021.

BRASIL. Resolução CNE/CP 1/2006. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de maio de 2006,

Seção 1, p. 11.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa

com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em

/04/2021.

BRASIL. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Assembleia Geral

das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948.

BRASIL, Ministério da Educação. Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE): Prova

Brasil: ensino fundamental: matrizes de referências, tópicos e descritores. Brasília: MEC,

SEB, INEP, 2008.

BRUNO, Marilda Moraes Garcia. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: introdução.

ed.] / elaboração Marilda Moraes Garcia Bruno. – Brasília : MEC, Secretaria de Educação

Especial, 2006. 45 p.

INFANTE, ISABEL. El dominio del código escrito o los niveles de alfabetismo: alguns

resultados de um estudio en siete países de América Latina. In: INFANTE, Isabel (org).

Analfabetismo funcional. Revista Contemporaneidade e Educação. Instituto de Estudos da

Cultura e Educação Continuada (IEC). Rio de Janeiro, Ano IV, nº 05, 1999 – p.07

KULLMANN, Niuana; LEMONS, Caroline Caldas. O papel do professor na libertação dos

educandos. UCS - Universidade de Caxias do Sul - RS – Brasil, PAINEL TEMÁTICO 03,

Perspectivas freireanas para Educação. E-book do I SIBFORP & II JIPPGE - BR/A. 27 a 30

de agosto de 2018.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia

Científica. 5. ed. - São Paulo: Atlas 2003.

MARTÍNEZ, María Elena e SEOANE, Viviana Isabel. Disputas por el derecho a la educación

y la educación pública en América Latina: políticas, instituciones y sujetos en la

gubernamentalidad neoliberal. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação –

RBPAE - v. 36, n. 1, p. 009 - 014, jan./abr. 2020.

MELO, Sandra Cordeiro de; MASCARENHAS, Jéssica Cristina. Autismo e Educação: uma

revisão da literatura recente sobre experiências de inclusão. No prelo.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Alfabetização no Brasil: conjecturas sobre as relações

entre políticas públicas e seus sujeitos privados. Revista Brasileira de Educação v. 15 n. 44

maio/ago 2010.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Educação e letramento. São Paulo: UNESP, 2004.

MOURA, Eliel da Silva; NAJJAR, Jorge; CARNEIRO, Waldeck. Neoliberalização e reforma

educacional: a chegada da organização Teach for America no Brasil. Revista Brasileira de

Política e Administração da Educação - RBPAE - v. 35, n. 2, p. 447 - 468, mai./ago. 2019.

p.447.

PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos. São Paulo: Edições Loyola, 1987.

SANTOS, Mônica Pereira dos. Dialogando sobre inclusão em educação: contando casos (e descasos). Curitiba: CRV, 2013.

SILVA, Tatiany Michelle Gonçalves da. ALMEIDA JUNIOR, Dirceu Manoel de. DIAS, Rodrigo Francisco.. Como preparar um professor para “ser” inclusivo: reflexões sobre a formação docente. Research, Society and Development, v. 9, n. 10 2020.

TAYASSU, Catitu. Alfabetização e letramento: condições de inclusão social. In: GONÇALVES, Adair Vieira; PINHEIRO, Alexandra Santos. Nas trilhas do letramento: entre teoria, prática e formação docente. Campinas, SP: Mercado de Letras; Dourados, MS: Editora da Universidade Federal de Grande Dourados, 2011.

UNESCO. Educação para todos: o compromisso de Dakar. Dakar, Senegal: UNESCO, 2000.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos e plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, Tailândia: UNESCO,1990.

UNESCO. Marco da educação 2030: Declaração de Incheon. Incheon, Coréia do Sul, 2015.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Relatório de Monitoramento Global da Educação. UNESCO, 2016. Disponível em: https://goo.gl/J1a7LO. Acesso em: 16 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2022-01-03

Como Citar

Constant, E., de Melo, S. C., & França, D. (2022). PAULO FREIRE, ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO ESCOLAR: O DIREITO À EDUCAÇÃO A PARTIR DA FORMAÇÃO CRÍTICO E REFLEXIVA. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 37(3), 1393–1412. https://doi.org/10.21573/vol37n32021.113246