REDES SOCIAIS E POLÍTICA EDUCACIONAL: ANÁLISE DO INSTITUTO AYRTON SENNA NO TWITTER DE 2013 A 2020

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol37n32021.111567

Palavras-chave:

Políticas educacionais, Instituto Ayrton Senna, Twitter, Redes sociais

Resumo

O artigo procura analisar a incidência do Instituto Ayrton Senna (IAS) expressa no Twitter observando as tendências identificadas nas mensagens, os usuários mencionados e as agendas veiculadas. Utilizando um corpus documental composto pelos tweets do Instituto Ayrton Senna de 2013 a 2020 realizou-se análise de conteúdo e análise automática de frequência de palavras dos tweets. Os resultados destacam que os tweets dão importância às questões inerentes à ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM em inglês) e ao uso de evidências científicas, pesquisas, citações ou estudos para legitimar as posições defendidas pelo IAS. A referência a organizações como a UNESCO e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico são utilizadas para legitimar as ações e as opções tomadas pelo IAS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rui da Silva, Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto

Rui Manuel Ferreira da Silva

Possui doutorado e mestrado em Ciências da Educação, especialidade de Desenvolvimento Curricular na Universidade do Minho. É Investigador integrado do Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto a desenvolver atualmente o projeto de investigação financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia “Comparative study on the compulsory education privatization in small states: examining the role and impact in Cape Verde and Guinea-Bissau.” Desenvolve pesquisas na área de política educacional, com ênfase nas relações entre o público e o privado no campo educacional no Sul Global, avaliação de efeitos e impactos de projetos de cooperação para o desenvolvimento; e políticas educativas globais e o direito à educação. Desenvolveu trabalho como investigador, consultor e especialista de educação em projetos/ programas de cooperação para o desenvolvimento em Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Sudão do Sul e Timor-Leste. Tem experiência em consultoria na área da educação em cooperação para o desenvolvimento, tendo já realizado trabalho de avaliação, monitorização e diagnóstico.

Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, Porto, Portugal
E-mail: rdasilva.email@gmail.com

Theresa Adrião, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas e Universidade Estadual do Mato Grosso

Theresa Maria de Freitas Adrião

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de São Paulo (1988), mestrado em Educação pela Universidade de São Paulo (1995) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2001) e Livre Docente pela UNICAMP. É professora colaboradora e pesquisadora do Programa de Pós Graduação da UNICAMP e Professora Visitante na UNEMAT. Desenvolve pesquisas na área de política educacional, com ênfase em gestão e financiamento da educação básica, incluindo estudos sobre privatização. Publicou diversos livros e artigos sobre os temas de investigação. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Educacionais (GREPPE/UNICAMP) e a Rede de Latino Americana e Africana de Pesquisadores em Privatização da Educação. (RELAAPE/https://www.rede.fe.unicamp.br/pt-br ). Integra as seguintes entidades acadêmicas e cientificas: ANPED (Tendo sido coordenadora do GT Estado e Política Educacional de 2015 a 2019); Vice diretora Estadual/SP da ANPAE (2015-2017); FINEDUCA e CEDES. Editora da Revista Educação e Sociedade (2018-2020) Bolsista PQ/CNPq - 2010 a 2017 e 2020 a 2023.

Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP - Brasil

E-mail: theadriao@gmail.com 
Lattes: http://lattes.cnpq.br/3976705366604804

Referências

ADRIÃO, T e PERONI, V. Consequências da atuação do Instituto Ayrton Senna para a gestão da educação pública: observações sobre 10 estudos de casos. Práxis Educativa, v 6 (1), p. 45-53. 2011.

ADRIÃO, T. Dimensões e Formas da Privatização da Educação no Brasil: caracterização a partir de mapeamento de produções nacionais e internacionais. Currículo sem fronteiras, v. 18, p. 8-28, 2018.

ADRIÃO, T.; DOMICIANO, C. A. A Educação Pública e as Corporações: avanços e contradições numa década de ampliação de investimento no Brasil. FINEDUCA – Revista de Financiamento da Educação, Porto Alegre, v. 8, n. 3, p. 1-18, 2018. DOI: https://doi.org/10.17648/fineduca2236-5907-v8-79084

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4.ª ed. Lisboa: Edições 70, 2007.

BISHOP, M.; GREEN, M. Philanthrocapitalism Rising. Society, 52, n. 6, p. 541-548, 2015.

BLOMMAERT, J. Political Discourse in Post-Digital Societies. Trabalhos em Linguística Aplicada, 59, p. 390-403, 2020.

FREITAS, Luiz CARLOS de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., Jun 2012, vol.33, no.119, p.379-404.

GENTIL, D., FERREIRA, G. T. C. Como as Empresas Integrantes da Carteira ISE Avaliam o Retorno do Investimento Social Privado. Organizações em contexto v. 15 (29), p. 97-123. 2019.

HANSEN, D. L., SHNEIDERMAN, B., SMITH, M. A. e HIMELBOIM, Itai. Analyzing social media networks with NodeXL: Insights from a Connected World. Cambridge: Elsevier. 2020.

HANSEN, D. L.; SHNEIDERMAN, B.; SMITH, M. A.; HIMELBOIM, I. Analyzing social media networks with NodeXL: Insights from a Connected World. Cambridge: Elsevier, 2020.

KNUTSSON, B.; LINDBERG, J. Depoliticisation and dissensus in the global partnership for education: rethinking the post-political condition. Journal of International Relations and Development, 23, n. 2, p. 436-461, 2020.

MARTELETO, R. M. Análise de redes sociais - aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, 30, p. 71-81, 2001

MARTINS, E. Todos pela educação? Como os empresários estão determinando a política educacional brasileira. Lamparina; 1ª edição, 2016.

MELLO, J., PEREIRA, A. C. R. E ANDRADE, P. G. Afinal, o que os dados mostram sobre a atuação das ONGs? Análise de transferências federais e projetos executados pelas organizações da sociedade civil no Brasil. Texto para discussão 2483 do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: IPEA. 2019.

OLIVEIRA, E. et al. Análise de conteúdo e pesquisa na área da educação. Revista Diálogo Educacional, [S.l.], v. 4, n. 9, p. 11-27, jul. 2003.

SAM, C. H. Shaping Discourse Through Social Media: Using Foucauldian Discourse Analysis to Explore the Narratives That Influence Educational Policy. American Behavioral Scientist, 63, n. 3, p. 333-350, 2019.

SCHUSTER, J.; JÖRGENS, H.; KOLLECK, N. The rise of global policy networks in education: analyzing Twitter debates on inclusive education using social network analysis. Journal of Education Policy, p. 1-21, 2019.

THELWALL, M.; CUGELMAN, B. Monitoring Twitter Strategies to Discover Resonating Topics: the case of the UNDP. El profesional de la información, 26, n. 4, p. 649-661, 2017.

VINCENT-LANCRIN, S. et al. Competências para o progresso social: o poder das competências socioemocionais. São Paulo: Fundação Santillana, 2015.

WELLER, K.; BRUNS, A.; BURGESS, J.; MAHRT, M. et al. Twitter and society. Nova Yorque: Peter Lang, 2014.

Downloads

Publicado

2022-01-03

Como Citar

Silva, R. da, & Adrião, T. (2022). REDES SOCIAIS E POLÍTICA EDUCACIONAL: ANÁLISE DO INSTITUTO AYRTON SENNA NO TWITTER DE 2013 A 2020. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 37(3), 1413–1440. https://doi.org/10.21573/vol37n32021.111567