A política de inclusão escolar para o aluno surdo na perspectiva do tradutor e intérprete de Libras

Ana Cristina Assunção Xavier Ferreira, Ana Valeria Marques Fortes Lustosa

Resumo


A inclusão de alunos surdos revela-se desafiadora sob muitos aspectos, particularmente quanto a implementação de políticas públicas voltadas para seu acesso e permanência na escola. Os surdos enfrentam problemas na escolarização e uma das alternativas encontradas para minimizar essa problemática é a inserção do intérprete no contexto educacional. O objetivo desta pesquisa foi investigar, na perspectiva do Tradutor e Intérprete de Língua de Sinais/ Língua Portuguesa, a implementação da política de inclusão escolar para o aluno surdo. O estudo é de natureza qualitativa, descritivo, tendo como instrumentos o Questionário de Avaliação da Política de Inclusão Escolar e a entrevista semiestruturada. Entre os resultados destacam-se a sobrecarga de trabalho, a ausência de revezamento e a falta de colaboração com o professor da classe comum. Além disso, o acesso à escola é facilitado, porém a permanência vem sendo inviabilizada por distintos fatores.


Palavras-chave


Políticas Públicas. Surdez. Tradutor Intérprete de Libras. Educação Inclusiva

Texto completo:

PDF

Referências


BALL, S. J. Como as escolas fazem políticas. Ponta Grossa: UEPG, 2016.

BALL, Stephen J.; MAGUIRE, Meg; BRAUN, Annette. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Tradução de Janete Bridon. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016. 220 p.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. – Brasília, DF: Inep, 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa. Texto Constitucional promulgado em 05 de outubro de 1998. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2003.

BRASIL. Decreto nº. 5.626. Regulamenta a Lei nº. 10.436 de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e o art. 18 da Lei nº. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, 22 dez. 2005.

BRASIL. Decreto nº. 9.656, de 27 de dezembro de 2018. Altera o Decreto no 5.626, de 22 de dezembro de 2005, que regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras.

BRASIL. Lei nº. 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS. Diário Oficial da União em 1º de set de 2010.

BRASIL. Lei nº. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União em 6 de julho de 2015.

BRASIL. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC, 2008.

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2000/lei-10098-19-dezembro-2000-377651-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 05 de abril de 2020.

BRASIL. Projeto de Lei nº 9.382 de 19 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o exercício profissional e condições de trabalho do profissional tradutor, guia-intérprete e intérprete de Libras, revogando a Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2166683. Acesso em: 05 de abril de 2020.

DORZIAT, A.; ARAÚJO, J. R. O intérprete de língua de sinais no contexto da educação inclusiva: o pronunciado e o executado. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18. nº 3, jul-set.2012.

GESSER, A. Libras que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

HOFLING. E. de. M. Das políticas de governo a política de estado: Reflexões sobre a atual agenda educacional brasileira. Educ. Soc., Campinas, v. 32, n. 115, p. 323-337, abr.-jun. 2011

Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em: 20 de abril de 2020.

KASSAR, M. de C. M. Uma breve história da Educação das pessoas com deficiência no Brasil. In: MELLETTI, Silvia Márcia Ferreira; KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães (Orgs.). Escolarização de alunos com deficiência: desafios e possibilidades. São Paulo: Mercado das Letras, 2013, p. 33-76.

LACERDA, C. B. F. de.; SANTOS, L. F. dos; MARTINS, V. R. O. Escola e diferenças: caminhos para uma educação bilíngue de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2016.

LACERDA, C. B. F.; O intérprete de língua brasileira de sinais (ILS). In: LODI, A. C. B.; MÉLO, A. D. B. de.; FERNANDES, E. Letramento, Bilinguismo e Educação de Surdos. Porto Alegre: Mediação, 2012, p. 247-287.

LODI A. C. B; HARRISON, K. M. P.; CAMPOS, S. R. L. de; TESKE, O. (org.). Letramento e minorias. Porto Alegre: Editora Mediação, 2009.

LOPES, M. C. Inclusão & Educação. 1 ed.; 1. Reimp. – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011 (Coleção Temas & Educação).

NÓVOA, A. S. da. Revista Nova Escola, 2001. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/179/entrevista-formacao-antonio-novoa> Acesso em: 20 de mar de 2019.

MARTINS, D. A. Trajetórias de formação e condições de trabalho do intérprete de libras em instituições de Educação Superior. 2009. 135f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2009.

MEGALE, A. H. Bilinguismo e Educação Bilíngue – Discutindo Conceitos. 2005. Disponível em:

http://www.revel.inf.br/files/artigos/revel_5_bilinguismo_e_educacao_bilingue.pdf. Acesso em: 23 de abril de 2020.

PEGO, C. F. Sinais não-manuais gramaticais da LSB nos traços morfológicos e lexicais. Um estudo do morfema-boca. 88 f. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade de Brasília, 2013.

PERLIN, Gladis. Identidades Surdas. In C. Skliar (Org.) A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUADROS, R. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos - Brasília: MEC/SEESP, 2004. 94 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/tradutorLibras.pdf

QUADROS, R. O tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEESP, 2002

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora UFSC, 2013.

TURETTA, B. A dos R.; LACERDA, C. B F. de.; MENDES, E. G. Questionário de avaliação da política de inclusão escolar: Tradutor e Intérprete de Libras/Língua Portuguesa. Universidade Federal de São Carlos – SP. 2016.




DOI: https://doi.org/10.21573/vol36n32020.102366

INDEXADORES

BBE – Bibliografia Brasileira de Educação (Brasília, MEC/INEP)
CLASE – Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (México, UNAM)
DIADORIM - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras
DOAJ - Directory of Open Access Journals
DRJI - Directory of Research Journals Indexing (Maharashtra, India)
Edubase (SBU/UNICAMP)
LATINDEX - Sistema Regional de Información em Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
Portal de Periódicos da Capes/MEC
Scielo Educ@ - Fundação Carlos Chagas-FCC, São Paulo/Brasil
Science Library Index - Meadow Springs, Mandurah State, Austrália
SUMÁRIOS.ORG - Sumários de Revistas Brasileiras

 

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Política e Administração da Educação,
da Associação Brasileira de Política e Administração da Educação
está licenciada com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/index

ISSN versão impressa: 1678-166X
ISSN versão eletrônica: 2447-4193

Prefixo DOI: 10.21573