Desafios da gestão escolar na construção da educação integral

Autores

  • Pedro Ganzeli Docente no Depase (Departamento de Políticas, Administração e Sistemas Educacionais) na Faculdade de Educação da UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas. http://orcid.org/0000-0002-6237-5110
  • Cristiane Machado Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP https://orcid.org/0000-0002-3522-4018
  • Rosane Garcia Dorazio Nogueira Secretaria Municipal de Educação de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol36n22020.101374

Palavras-chave:

Educação integral. Gestão escolar. Projeto Político Pedagógico.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de explicitar e problematizar os desafios enfrentados e as ações adotadas pela gestão escolar para a construção da educação integral em uma escola municipal de Campinas (SP) de ensino fundamental. Utilizamos como procedimentos metodológicos a revisão bibliográfica, a análise documental e observações participativas na unidade escolar pesquisada. O processo de organização do espaço escolar demandou embates políticos e pedagógicos entre as instâncias da Secretaria Municipal de Educação e a equipe gestora, prevalecendo as demandas da unidade escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Ganzeli, Docente no Depase (Departamento de Políticas, Administração e Sistemas Educacionais) na Faculdade de Educação da UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas.

Doutor em Educação. Professor Livre Docente da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Departamento de Política, Administração e Sistemas Educacionais (DEPASE), coordenador do Laboratório de Gestão Educacional (LAGE).

Cristiane Machado, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Docente no Depase (Departamento de Políticas, Administração e Sistemas Educacionais) na Faculdade de Educação da UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas. Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da USP - Universidade de São Paulo (2003), Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas (1995) e Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais pela PUC Campinas - Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1991). Desenvolve pesquisas relacionadas aos temas  Política Educacional, Gestão Educacional e Avaliação Educacional.

Rosane Garcia Dorazio Nogueira, Secretaria Municipal de Educação de Campinas

Mestranda na Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Diretora Educacional de Escola Municipal de Campinas (SME). Membro do Laboratório de Gestão Educacional (LAGE).

Referências

BARBIER, René. A pesquisa-ação Brasília: Plano Editora, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: https://goo.gl/oFsgfY. Acesso em: 12 abr. 2016.

BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: https://goo.gl/sDBLxD. Acesso em: 23 abr. 2015.

BRASIL. MEC. Portaria Normativa Interministerial nº- 17. Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades sócio-educativas no contraturno escolar. Brasília, 24 de abril de 2007.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências, disponível em: https://goo.gl/d4gBHi. Acesso em 11 nov. 2014.

BRASIL. MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira - INEP. CENSO ESCOLAR 2016 - Notas Estatísticas. Brasília-DF. 2017.

BRASIL (MEC) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Resolução nº 7, de 14 de dezembro de 2010, Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos.

BARROSO, João. O reforço da autonomia das escolas e a flexibilização da gestão escolar em Portugal. In: FERREIRA, N. S. C. (org.) Gestão Democrática da educação: atuais tendências, novos desafios São Paulo: Cortez, 1998.

CAMPINAS, SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Diretrizes Curriculares da Educação Básica para o Ensino Fundamental – Anos Iniciais: Um processo Contínuo de Reflexão e Ação Prefeitura Municipal de Campinas, Secretaria Municipal de Educação, Departamento Pedagógico / organização e coordenação: Heliton Leite de Godoy. – Campinas, SP, 2012.

CAMPINAS, SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução SME Nº 5, de 10 de março de 2014, Dispõe sobre a Organização do Trabalho Pedagógico das Unidades Educacionais integrantes do Projeto Piloto "Escola de Educação Integral - EEI".

CAMPINAS (MUNICÍPIO) Decreto nº 18.242, de 24 de janeiro de 2014. Dispõe sobre a criação do Projeto Piloto de Escolas de Educação Integral (EEI) da rede pública municipal de ensino de Campinas e dá outras providências.

CAMPINAS (MUNICÍPIO) Lei Municipal nº 15.029, de 24 de junho de 2015, Institui o Plano Municipal de Educação, na conformidade do artigo 6º da Lei nº 12.501, de 13 de março de 2006, do Município de Campinas, Estado de São Paulo.

CAVALIERE, Ana Maria. Escolas de tempo integral versus alunos em tempo integral. Revista Em Aberto, v. 22, n. 80, p. 51-63, abr. 2009.

CAVALIERE, Ana Maria; MAURÍCIO, Lucia Velloso. A ampliação da jornada escolar nas regiões Nordeste e Sudeste: sobre modelos e realidades. Revista Educação em Questão, Natal, v.42, n. 28, p. 251-273, jan./abr. 2012.

CAVALIERE, Ana Maria; Educação integral como “política especial” na educação brasileira. In: COELHO, L. M. C. da C. (Org.). Educação integral: história, políticas e práticas. Rio de Janeiro: Rovelle, 2013. (Pedagógicos). p. 237-254.

CAVALIERE, Ana Maria; Escola pública de tempo integral no Brasil: filantropia ou política de Estado? Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1205-1222, out./dez. 2014.

CENTRO DE REFERÊNCIAS EM EDUCAÇÃO INTEGRAL, disponível em http://educacaointegral.org.br/. Acesso em 20 mar. 2015.

COELHO, Ligia Martha C. da C. Alunos no ensino fundamental, ampliação da jornada escolar e educação integral. Educar em Revista, Curitiba, p. 73-89, jul./set. 2012.

DÓREA, Célia Rosangela Dantas. A arquitetura escolar como objeto de pesquisa em História da Educação. Educ. rev., Curitiba, n. 49, p. 161-181, set. 2013. Disponível em https://goo.gl/K1TMqg. Acesso em 23 maio 2015.

EZPELETA, Justa; ROCKWELL, Elsie. Pesquisa Participante São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1986.

GANZELI, Pedro. Educação integral: direito público subjetivo. Educação: Teoria e Prática, [S.l.], v. 27, n. 56, p. 575-591, mar. 2018. ISSN 1981-8106. Disponível em: https://goo.gl/AEVCPN. Acesso em: 17 maio 2018.

COELHO, Lígia Martha Coimbra da Costa; HORA, Dayse Martins; ROSA, Alessandra Victor. Organização curricular e escola de tempo integral: Precisando um conceito e(m) sua(s) práticas(s). Revista Teias, v. 16. n. 40, p. 155-173, 2015.

LECLERC, Gesuína de Fátima; MOLL, Jaqueline. Educação integral em jornada diária ampliada: universalidade e obrigatoriedade? In: Em Aberto Brasília, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, v.25, n.88, p. 1-214, jul/dez 2012.

LIMA, Licínio. A escola como organização educativa São Paulo: Cortez, 2001

MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA, 1932. In: Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. especial, p.188–204, ago. 2006. Disponível em https://goo.gl/vXa1jv. Acesso em 24 de ago. 2013.

MAURÍCIO, Lucia Velloso. Ampliação da jornada escolar: configurações próprias para diferentes contextos – Brasil e Europa. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 22, n. 85, p. 875-898, out./dez. 2014.

MORIN, André. Pesquisa-ação integral e sistêmica: uma antropopedagogia renovada Rio de Janerio: DP&A, 2004.

NOBRE, Sonia Aparecida dos Santos. EMEF Raul Pila 1968-2008: 40 anos contribuindo para a educação de Campinas. Campinas, 2008.

PARO, Vitor Henrique. Gestão escolar, democracia e qualidade de ensino São Paulo: Ática, 2007.

SANTOS, Milton. Os deficientes cívicos. Folha de São Paulo, Caderno Mais, São Paulo, 24/01/1999.

SCHIMONEK, Elisangela Maria Pereira. A qualidade do ensino público e a privatização via Programa Mais Educação. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, vol. 25, n.50, mai-ago. 2015.

SILVA, Maria Cristiani G. A educação integral na escola de tempo integral: as condições históricas, os pressupostos filosóficos e a construção social da política de Educação Integral como direito no Brasil. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação – UNICAMP, Campinas, 2018. 146 f.

SHIROMA, Eneida Oto; CAMPOS, Roselane Fátima; GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 427-446, jan. 2005. Disponível em: https://goo.gl/hhRZE9. Acesso em: 02 mai 2014.

Downloads

Publicado

2020-08-19

Como Citar

Ganzeli, P., Machado, C., & Nogueira, R. G. D. (2020). Desafios da gestão escolar na construção da educação integral. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 36(2), 521–538. https://doi.org/10.21573/vol36n22020.101374