USO DO DINHEIRO EM RITUAIS NA HISTÓRIA DO POVO LAIMBWE, CAMARÕES

Henry Kam Kah

Resumo


A chegada dos europeus a Camarões no século XV e a introdução da moeda ocidental como um padrão de intercâmbio e uma medida de valor, passa a substituir outras moedas indigenas. Isso teve um impacto na iniciação das sociedades camaronesas, incluíndo os Laimbwe da região noroeste. Organizações de homens e mulheres eventualmente começaram a utilizar essas moedas durante os rituais de iniciação. Entre essas comunidades estão incluidos nwerong, ngiri, ngumba, takembeng, ndofoumgbui, kwifoyn (também kwifo’o, kwifeu, kuiifuai) kefa’a, tschong, libah e ikuum nas regiões pastoris e Liengu, male, ahon, muankum, nganya, monekim, ekpe e obasinjom na região de florestas de Camarões. Antes da introdução do dinheiro existiam algumas moedas locais, como búzios, que eram usados juntamente com provisões materiais, como cabras, porcos, galinhas e carne selvagem. Porém, o dinheiro tornou-se eventualmente uma medida de valor, status e uma provisão de riqueza entre os Laimbwe. Esse artigo examina como e por que a introdução do dinheiro na iniciação e em outros rituais levou ao surgimento de uma nova classe social e ao reforço de uma ordem político-social dos povos Laimbwe. O estudo consiste em discussão com membros das sociedades, observações e análise de materiais escritos.


Palavras-chave


Monetização; Camarões; Rituais.

Texto completo:

PDF (English) PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2448-3923.77973

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Estudos Africanos (RBEA)

e-ISSN 2448-3923; ISSN 2448-3907

Publicação do CEBRAFRICA/UFRGS