DA HIBERNAÇÃO CONVENIENTE AO DESESPERO CIRCUNSTANCIAL: DISCURSO DE ÓDIO, COMUNICAÇÃO POLÍTICO PARTIDÁRIA E AS ELEIÇÕES GERAIS DE 2015 DA NIGÉRIA

Mike Omilusi

Resumo


Até alguns meses para as eleições gerais de 2015, muitos partidos políticos que hibernaram convenientemente por uma boa parte da sua existência, talvez devido à falta de estrutura organizacional adequada ou base de apoio, programas descoordenados ou por terem sido registrados por ganhos pecuniários, de repente começaram a aparecer no espaço político. O principal partido da oposição e o partido no poder estavam ou aperfeiçoando processos de fusão ou envolvidos em discussões internas, de modo que a comunicação com o eleitorado em questões fundamentais tornou-se inconsequente. Na verdade, os dois partidos dominantes, o Partido Popular Democrata e o Congresso Progressista Geral apenas lançaram seus candidatos presidenciais menos de cinco meses para as eleições; e a campanha eleitoral assumiu a contestação desesperada em um clima de preconceito e intolerância. Os discursos de ódio e a violência foram as características de suas campanhas eleitorais. As eleições gerais de 2015, portanto, oferecem um contexto único para interrogar o lugar da comunicação política do partido em uma democracia emergente e, especificamente, como as campanhas de ódio entre os gladiadores políticos/partidos conflitantes poderiam gerar violência e, se não domesticadas, descarrilar a consolidação democrática. Este artigo afirma que o discurso de ódio não é apenas inspirado por algumas circunstâncias sociais, mas também parte de um processo democrático geral. Isso atesta o fato de que os políticos nigerianos se tornaram mais desesperados e ousados em tomar e manter o poder político; e mais intolerantes à oposição, críticas e esforços para substituí-los. Baseando-se amplamente em fontes secundárias com a ajuda de ferramentas descritivas e narrativas, este ensaio conclui que a cultura política de um país determina o comportamento e a atitude da população em relação ao sistema político, e que a transição democrática de uma administração para outra, particularmente em democracias emergentes, muitas vezes foi acompanhada de violência promovida pelos desejos do partido político no poder para consolidar seus apelos ao poder e pelo interesse dos interessados em capturar o mesmo.


Palavras-chave


Comunicação Política; Discurso de Ódio; Partido Político; Eleições; Campanha.

Texto completo:

PDF (English) PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2448-3923.77926

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Estudos Africanos (RBEA)

e-ISSN 2448-3923; ISSN 2448-3907

Publicação do CEBRAFRICA/UFRGS