O COMPORTAMENTO DA MÍDIA DE MASSA NAS RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SECURITÁRIAS NO PÓS-INDEPENDÊNCIA DA NIGÉRIA

Osakue Stevenson Omoera, Adesina Lukuman Azeez, Roselyn Vona Doghudje

Resumo


A conceituação da segurança nacional continua a ser um empreendimento taxativo, uma vez que diversos fatores ressaltam a sua capacidade em todos os níveis de percepção e, portanto, não pode ser restrita a uma única definição devido à sua natureza mutável de um Estado para outro. Assim sendo, a segurança nacional permanece dinâmica, fluida e multidirecional, mas é fundamental para a sobrevivência de qualquer Estado. Na Nigéria pós-independente, as ameaças securitárias a seus interesses nacionais não só envolvem ameaças convencionais, como as de outros Estados, mas também de atores não estatais e atividades como terroristas, traficantes de armas, piratas, traficantes, seqüestradores, insurgências de gângsteres de rua, disputas fronteiriças e milícias étnicas. Ao longo dos últimos cinquenta e seis anos, as ameaças tradicionais à segurança nacional na Nigéria se transformaram em uma séria e grande organização, que aparentemente não pode ser eliminada apenas por forças militares ou instituições de segurança. Os meios de comunicação de massa foram sugeridos por ter a capacidade de contribuir significativamente para ajudar as instituições de segurança a eliminar ou a verificar os desafios com os quais o país é confrontado. Talvez isso se deva ao fato de que os meios de comunicação são parte integrante da infra-estrutura de soft power, o que poderia facilitar a disseminação de informações de maneira rápida e eficaz, ajudando assim uma nação como a Nigéria a juntar a ação política apropriada que visa a consolidar a desejada segurança nacional. Implantando a definição da agenda e as teorias de enquadramento, este artigo empreende uma avaliação de se ou não os meios de comunicação nigerianos (especificamente, Daily Trust e The Punch) fizeram contribuições impactantes para a resolução de questões de segurança na Nigéria pós-independência, com uma referência particular para as insurgências da seita do Boko Haram. Emprega entrevistas analíticas, em profundidade (IDIs) e métodos históricos para analisar alguns relatórios da mídia sobre as insurgências com o objetivo de avaliar seu impacto sobre a segurança do Estado nigeriano. O estudo argumentou que, apesar da robustez dos meios de comunicação nigerianos, eles ainda devem ter uma influência significativa na eliminação de problemas de segurança na Nigéria pós-independência. Daí, o apelo, entre outras coisas, a uma maior sinergia entre as instituições de segurança e meios de comunicação de massa no país para alcançar os resultados.



Palavras-chave


Segurança Nacional; Instituições Securitárias; Nigéria pós-independência; Reportagem de mídia; Soft Power; Terrorismo; Boko Haram; Ameaças Securitárias

Texto completo:

PDF (English) PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2448-3923.71838

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Estudos Africanos (RBEA)

e-ISSN 2448-3923; ISSN 2448-3907

Publicação do CEBRAFRICA/UFRGS