A Ação Cultural e a Defesa da Vida Pública

Suzana Schmidt Viganó

Resumo


Este artigo propõe uma reflexão sobre a ideia clássica de ação cultural, na qual procura se revisitar a noção de sujeitos da cultura. A ação cultural é compreendida assim em seu desenvolvimento histórico e é questionada em sua potencialidade como ação em tempo de crise política e democrática. Pergunta-se como se pode compreender a ação cultural neste momento, enfocando-a como expressão da esfera pública e da participação política, ampliando as esferas de partilha do sensível e re-singularizando os universos existenciais.


Palavras-chave


artes cênicas; teatro; estética; filosofia; educação

Texto completo:

ACESSO / ACCESS / ACCÈS

Referências


LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana. Belo Horizonte: Autêntica, 2011, P.40.

AZZI, Christine Ferreira. Entre a arte e a ação: cultura, museus e patrimônio nos discursos de André Malraux. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Letras Neolatinas, UFRJ, 2010, P.12.

COELHO, José Teixeira. O que é ação cultural? São Paulo: Brasiliense, 1985, P.14.

ABIRACHED, Robert (dir.). La Décentralisation Théâtrale 3: 1968, le tournant. Paris: Actes Sud et ANRAT. 2005, P.195-6.

FOUCAULT. O Sujeito e o Poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, P.231-249, 1995.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2003, P.62.

BAUMAN, Zigmunt. Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 2012, P.18.

RANCIÈRE, Jacques. O Desentendimento. São Paulo: Editora 34, 2018.

VIGANÓ, Suzana Schmidt. Por entre as trilhas chuvosas de uma travessia: teatro, ação cultural e formação artística na cidade de São Paulo. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, São Paulo, ECA-USP, 2017.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2003, P.67.

URFALINO, Phillipe. A Invenção da Política Cultural. São Paulo: Edições SESC, 2015, P.253.

RANCIÈRE, Jacques. O Ódio à Democracia. São Paulo: Boitempo, 2014, P.121.

RANCIÈRE, Jacques. A Partilha do Sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 2008, P. 32;33.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS DA PRESENÇA - Brazilian Journal on Presence Studies - e-ISSN 2237-2660 - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil - http://www.seer.ufrgs.br/presenca

 

       

 

 

Crossref Similarity Check logo

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.