Sobre Refuse The Hour, Kentridge e seus Espaços-Tempos de Criação

Fanny Le Borgne (Université Paris III Sorbonne-Nouvelle – Paris, França)

Resumo


Este texto discute, no cruzamento entre teatro, cinema e artes plásticas, a obra que o sul-africano William Kentridge desenvolveu desde o final dos anos 1980 de forma densa, polimórfica e multidisciplinar, circulando entre diversas formas de expressão o status de processo de criação. Propõe-se pensar sobre a preparação de seus espetáculos, que é acom- panhada por múltiplos vídeo-instalações, gravuras, colagens e objetos. Este artigo mostra como esses vestígios de um trabalho de artista plástico, associados a um tempo de trabalho coletivo (os workshops), além dos ensaios, deslocam a análise genética dos seus espetáculos para outros espaços-tempos e outras modalidades de trabalho, que são diferentes do tra- balho de cena.

Palavras-chave


Kentridge; Interdisciplinaridade; Processo; Ensaios; Atelier

Texto completo:

ACESSO / ACCESS / ACCÈS

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS DA PRESENÇA - Brazilian Journal on Presence Studies - e-ISSN 2237-2660 - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil - http://www.seer.ufrgs.br/presenca

 

       

 

 

Crossref Similarity Check logo

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.