Arte, biopolítica e resistência

Autores

  • Carminda André

Palavras-chave:

Subjetividade, Biopolítica, Arte de Rua, Resistência

Resumo

Na obra Em Defesa da Sociedade, Michel Foucault apresenta a ideia de que houve, em certo momento da história do ocidente europeu, a interiorização da guerra nos modos de organização social. De que teria havido um deslocamento do valor da guerra para a política, positivando-a, legitimando a própria guerra como um modo de governar e, por consequência, como modo de vida. Nesse viés, Foucault observa que a política que se desenvolve nos Estados Modernos é a guerra continuada por outros meios. Governa-se para manter a guerra. Este ensaio discute alguns impactos desse discurso no campo das artes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2011-10-17

Como Citar

André, C. (2011). Arte, biopolítica e resistência. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 1(2), 383–398. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/21497

Edição

Seção

Outros Temas