A Im/possível Feminilidade de Nina Arsenault: gênero teatral em I w@s B*rbie e em The Silicone Diaries

Stephen Low

Resumo


Este ensaio defende que a corporalidade interpretada pela artista da performance Nina Arsenault demonstra como o gênero pode ser constituído ao mesmo tempo por duas teorias mutuamente exclusivas. Especificamente, Arsenault encarna de maneira im/possível o gênero como performativo e como um sentido psíquico fundamental do eu. Sua expressão de uma identidade feminina no palco é incompatível com teorias de performatividade de gênero porque encarna um ato voluntário: a performance no teatro. Arsenault também opõe teorias que afirmam ser o gênero um sentido psíquico fundamental do eu ao expressar seu sentido de eu na prática artística/vida cotidiana. Arsenault destaca que a materialidade teatral encarnada por ela, e que também fundamenta ainda mais sua feminilidade, é constituída performativamente de modo im/possível. Em suma, Arsenault encarna o gênero por meio da performance e da performatividade.

Palavras-chave


Teatricalidade; Performatividade; Transsexual; Transgênero; Performance

Texto completo:

ACESSO / ACCESS / ACCÈS

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS DA PRESENÇA - Brazilian Journal on Presence Studies - e-ISSN 2237-2660 - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil - http://www.seer.ufrgs.br/presenca

 

       

 

 

Crossref Similarity Check logo

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.