Revista Brasileira de Estudos da Presença


P de Presença

Notícias

 

PERFORMANCE E TRANSGÊNERO - CHAMADA DE ARTIGOS

 

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS DA PRESENÇA

Brazilian Journal on Presence Studies

 

PERFORMANCE E TRANSGÊNERO

 CHAMADA DE ARTIGOS

 

A Revista Brasileira de Estudos da Presença [Brazilian Journal on Presence Studies], periódico eletrônico de acesso livre e revisão por pares, sem taxas de submissão ou publicação, receberá até 31 de outubro de 2019 artigos inéditos dentro do escopo do tema PERFORMANCE E TRANSGÊNERO.

 

As questões sobre identidade transgênero e políticas identitárias pululam em diferentes campos de saber, em especial, nas ciências humanas, nas letras e nas artes, incluindo aí as discussões sobre o próprio vocabulário, que constitui, nesse sentido, campo de disputas políticas.

 

Artistas da cena, performers, mediadores etc. não deixam de operar no âmbito do transgênero. Cada vez mais a cena e a performance contemporâneas estão sendo tomadas por artistas trans e/ou pelas temáticas das identidades não-binárias, dos movimentos queer, da intersexualidade, entre tantas outras possibilidades que fazem abalar os limites epistemológicos conhecidos até então.

 

Essa nova performance não pode ser relegada a segundo plano. Trata-se de novas práticas sociais, mas, também, de novas possibilidades de pensar e repensar as relações que temos com nossos corpos e com os corpos do Outro.

 

Tais práticas performativas impõem ao campo da pesquisa novas formas de questionamento, novas possibilidades de objetos de investigação e novos problemas epistemológicos. Não se trata apenas de estudar performances de um determinado “tipo”. A palavra transgênero se aplica à uma gama de elementos do ponto de vista epistemológico que, ao mesmo tempo em que resistem às definições mais conhecidas, ampliam as possibilidades de pensar e agir no mundo.

 

Do ponto de vista teórico, não se trata apenas de pensar em performances de pessoas que não se identificam com o gênero socialmente imposto, ou que vivem fora dos binarismos, ou que mudaram de sexo, ou, ainda, que vivem e performam gêneros não duais. Trata-se, muito mais, de pensar como tais performances cotidianas impõe um rearranjo epistemológico da própria ideia de performance.

 

Performatividade está no âmago dessa discussão, assim como, o debate sobre resistência aos padrões normativos e, mais especialmente, heteronormativos. Com efeito, esse conjunto de elementos sobre performance e/ou performatividade de gênero impõe múltiplas abordagens para a pesquisa e a prática de performances.

 

O que as pessoas trans trazem como marcadores para a performance? Como as performances trans alargam o que sabemos sobre arte, política, resistência, performatividade? O campo das relações entre identidade transgênero e performance é múltiplo e essas são apenas algumas das questões.

 

A própria questão do vocabulário, o uso dos termos “trans”, “intersexo” e “transgênero” já implica uma discussão de fundo que – emaranhada às questões da performance ou no ambiente da performance – desenha um campo conflituoso ao mesmo tempo que produtivo. Em suma, dar conta das particularidades que tais termos carregam parece ser inseparável da própria potência que o estudo e o debate sobre as performances trans assumem como pressuposto.

 

Para fomentar a problematização sobre as relações entre performance e transgênero, a Revista Brasileira de Estudos da Presença almeja oferecer uma oportunidade para explorar esse tema em diferentes perspectivas. Os autores e as autoras podem elaborar ensaios teóricos, artigos provenientes de pesquisas empíricas e/ou históricas sobre as relações entre performance e identidade transgênero em relação a um ou mais dos seguintes tópicos:

 

-       Performance, transgênero e performatividade.

-       Performance, transgênero e política.

-       Performance, transgênero e movimentos sociais.

-       Performance, transgênero e transfobia.

-       Políticas públicas para pessoas transgênero e performatividade.

-       Performance, transgênero e espetáculo.

-       Performance, identidade transgênero e os debates contemporâneos de gênero e sexualidade.

-       Performance e identidades trans.

-       Drag performance e identidade transgênero.

-       Identidades não binárias e performance.

-       Performances transgênero em contextos conservadores.

-       Performance, transgênero e novas abordagens epistemológicas.

-       Performance, transgênero e resistência.

-       Performance, transgênero e modos de existência.

-       Corpo, performance e identidade transgênero.

-       Performance, teatro, dança e a presença de performers transgênero

-       Identidade intersexo e performance

-       As implicações das diferentes noções de gênero para a cena contemporânea

-       As contribuições da arte da performance para as políticas (trans)gênero

-       Educação, (trans)gênero e performance

-       Performance das relações de (trans) gênero

-       Estudos queer e performance

-       Intersexualidade, transgênero, intersexo, gênero e as questões da linguagem e da performance

-       Performance e identidades não-binárias

-       Transexualismo, travestismo e as performances patologizantes de gênero

-       A cena transgênero no mundo

-       Corpo, corpos, natureza, cultura e as políticas e práticas trans na performance

-       Militâncias, lutas sociais e performances trans

-       Desafios epistemológicos na pesquisa em performance face às práticas trans

-       Desafios éticos na pesquisa em performance face às práticas trans

 

 

Assim, a Revista Brasileira de Estudos da Presença espera receber trabalhos resultantes de pesquisas vinculadas conceitualmente ao campo do teatro, da educação, da performance e de outras linguagens similares. Além disso, espera receber trabalhos de áreas imbricadas, fronteiriças e que dialoguem com os termos apresentados como ponto de partida para a discussão. As submissões devem estar de acordo com os padrões do periódico e devem ser postadas diretamente no sistema de submissão para seguir o processo geral de avaliação do periódico. Para submeter um artigo a esta chamada, é fundamental selecionar a seção correspondente (Performance e Transgênero). Lembramos que o periódico não cobra taxas de submissão, nem de publicação e utiliza o sistema duplo-cego de revisão por pares. O texto pode ser enviado em português, espanhol, inglês ou francês e será publicado em duas línguas. Será solicitado aos autores que enviarem textos em português ou espanhol (e àqueles lusófonos) que enviem uma tradução em inglês. A revista providencia tradução para o português de artigos enviados em inglês ou francês, desde que os autores sejam nativos desses idiomas. Maiores informações podem ser encontradas em nosso website, www.seer.ufrgs.br/presenca; nossas diretrizes podem ser visualizadas em “Diretrizes para Autores”.

 
Publicado: 2019-08-19
 
Outras notícias...