CLIMA E COTIDIANO: SENSITIVIDADE AOS TIPOS DE TEMPO NA ESCOLA

Valdirene Drehmer, Bianca Marques Maio, Erika Collischonn

Resumo


Uma das facetas dos estudo de percepção climática diz respeito ao entendimento das reações psico-fisiológicas das pessoas à condições atmosféricas específicas. Durante o estágio supervisionado no ensino fundamental, etapa da formação de professores é preciso, por norma, realizar observações sobre o comportamento dos alunos em sala de aula. Neste trabalho, estas observações foram organizadas em planilhas e, subsequentemente também foram levantados dados a respeito dos estados momentâneos da atmosfera do dia em que foram feitas. Posteriormente, foram analisadas cartas sinóticas e imagens de satélite com o objetivo de definir o sistema atmosférico (massa de ar ou perturbação) atuante em cada um desses dias, para definir o tipo de tempo. Em relação aos tipos de tempo, foi utilizada a categorização de SARTORI (2016), que estabelece quinze tipos de tempo reunidos em três grandes famílias, associadas aos dois grandes grupos de sistemas atmosféricos que influenciam a fachada atlântica da América do Sul, principalmente no Rio Grande do Sul. O objetivo foi observar os alunos no intuito de verificar se há padrões específicos de comportamento em sala de aula conforme o tipo de tempo. Conclui-se que vários fatores além do tipo de tempo concorrem para os estados de ânimo e disposição para o estudo em sala de aula (horário da aula, atividade a ser realizada), mas há tipos de tempo que deixaram os estudantes mais irrequietos, enquanto outros, os deixaram mais calmos.


Palavras-chave


Tipo de tempo, Percepção Climática, Ambiência escolar, Cotidiano

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-0003.97548

Para Onde!? / ISSN 1982-0003  / DOI https://doi.org/10.22456/1982-0003

Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia - Instituto de Geociências - Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Indexadores e Repositórios

Apoio