AGRICULTURA AGROECOLÓGICA NO OESTE DO PARANÁ: O PAPEL DO EXTENSIONISTA, ENTIDADES DE ATER E AGRICULTORES

Rodrigo Novakoski, Daniela Garcez Wives

Resumo


Como objetivo central pesquisou-se as vivências, dificuldades e os elementos que motivam a agricultura orgânica/agroecológica na região Oeste do Paraná. A metodologia empregada foi qualitativa e quantitativa, foram entrevistados 3 entidades de ATER: BIOLABORE, CAPA e EMATER; 6 extensionistas e 27 agricultores certificados e em transição para a certificação de diferentes municípios pertencentes a região oeste paranaense. Os resultados mais relevantes demonstram que a agricultura orgânica/agroecológica da região é dependente de políticas públicas e contratos com órgãos governamentais, especialmente a hidroelétrica Itaipu Binacional e contratos com prefeituras. As análises demonstraram que, agricultores, extensionistas e entidades atuam para além de seus aspectos prático/teóricos, trazendo a subjetividade como um elo importante para manterem-se como atores ativos nas práticas orgânicas/agroecológicas, por tratar-se antes de tudo, um “projeto de vida”, um respeito para com o próximo, por não poluir/contaminar e por levar alimentos saudáveis aos consumidores.


Palavras-chave


Agricultura orgânica/agroecológica. ATER. Políticas públicas. Paraná.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-0003.97127

Indexadores


Apoio