CONSTRUINDO UMA CARTOGRAFIA CAMPONESA

Sinthia Cristina Batista

Resumo


No presente artigo busca-se refletir sobre a experiência de um processo de mapeamento junto à comunidade do assentamento Roseli Nunes, em Mirassol do Oeste (Mato Grosso, Brasil), indicando a possibilidade histórica de produção de uma cartografia camponesa que, em vez de propor o adjetivo “camponês” como indicativo de uma nova “categoria de cartografia”, revele a relação entre a luta de classes e a produção do espaço agrário brasileiro forjada no atual modelo agrícola baseado no monocultivo concentrador de terra e renda, na subordinação do trabalho e da terra camponesa ao agronegócio, defendendo o modelo da agricultura camponesa de produção de alimentos.

Palavras-chave: Cartografia camponesa, teoria crítica das representações, mapa como instrumento de luta.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-0003.61569

Para Onde!? / ISSN 1982-0003  / DOI https://doi.org/10.22456/1982-0003

Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia - Instituto de Geociências - Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Indexadores e Repositórios

Apoio