CONSTRUINDO UM PROJETO DE PESQUISA: PAISAGENS INDUSTRIAIS EM GERMINAL DE ÉMILE ZOLA

Rodrigo Janoni Carvalho

Resumo


A produção do escritor naturalista francês Émile Zola (1840-1902) é considerada um marco na literatura por sua tentativa de aproximar a arte do saber científico vigente, conforme os preceitos de seus romances experimentais. A repercussão do autor, sobretudo no mundo ocidental, não se deu somente às suas obras: seu destaque se revela no elevado engajamento político como figura libertária. Germinal (1885) constitui um exemplo de sua maestria escritural, em que os mundos burguês e proletário e seus planos ideológicos, sociais e culturais se embatem num romance enervante. Zola tece um retrato da atmosfera pesada e suja que presenciou, relevando ao leitor imagens tão fortes e vivas que extrapolam sua característica de ficção. A presente investigação visa analisar a paisagem urbano-industrial representada pelo autor e seus conteúdos geográficos, promovendo um resgate do fenômeno industrialismo e suas inter-relações com as transformações sociais e espaciais. Nosso escopo central abarca a coexistência da miséria humana e da riqueza material, tomando a produção literária enquanto denúncia social. Essa discussão é fruto da nossa pesquisa para a construção de um projeto de mestrado.

Palavras-chave


Geografia Histórica. Geografia Urbana e Industrial. Geografia e Literatura. Germinal (1885). Émile Zola (1840-1902).

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-0003.44130

Para Onde!? / ISSN 1982-0003  / DOI https://doi.org/10.22456/1982-0003

Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia - Instituto de Geociências - Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Indexadores e Repositórios

Apoio