Pontes imaginárias sob o céu da Manguetown: o Mangue Beat e os novos olhares sobre o Recife

David Tavares Barbosa, Caio Augusto Amorim Maciel

Resumo


A questão principal deste trabalho consiste em analisar o movimento Mangue Beat, buscando compreender como os discursos desta cena cultural contribuiram para uma reconstrução e/ou remodelação das paisagens da cidade do Recife, através da criação de novos signos para a urbe e seus espaços públicos. O projeto foi desenvolvido mediante pesquisas iconográficas na produção cultural do Mangue Beat, somado à revisão da literatura acerca da problemática sócio-espacial do Recife e observações técnicas no espaço urbano da cidade. Buscar-se-á apontar nos resultados que a crítica da cidade elaborada pela cena mangue a partir de contribuições diversas, pretendeu ser mais abrangente e integrativa (o estuário ligando todos os pontos e todas as frações de classe da Manguetown, em ebulição e potencialmente em revolta) do que as propostas de transformações urbanas desenvolvidas pela prefeitura, posterior ao debate crítico promovido pelo referido movimento.

Palavras-chave


Recife; Mangue Beat; Rio Capibaribe; Paisagens

Texto completo:

VISUALIZAR ARQUIVO PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-0003.36483

Indexadores

 

Apoio