"WICKED OLD SOCIETIES": A PRESENÇA FRANCESA EM THE AGE OF INNOCENCE, DE EDITH WHARTON

Rodrigo de Oliveira Lemos

Resumo


The Age of Innocence (1920), de Edith Wharton, volta-se com ironia ao estranhamento entre o mundo anglo-saxônico e a França durante o século XIX. Para tanto, o romance se concentra na alta-sociedade nova-iorquina durante a Gilded Age (circa 1870- 1900). Nessa história de um amor frustrado entre o rico e refinado Newland Archer e a americana Ellen Olenska, de volta aos Estados Unidos após abandonar seu marido na Europa, oferece-se um contraste entre a vitalidade artístico-literária do continente europeu, sobretudo de Paris, e a morosidade da vida intelectual na América de então. Igualmente, exploram-se os modos distintos de sociabilidade entre americanos e europeus, principalmente no que toca à convivência entre os sexos. Essas observações, além de comporem o pano de fundo da história, pesam no próprio desenrolar das relações entre os dois protagonistas e na maneira como ambos se encontram e se perdem.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.86203

Direitos autorais 2018 Rodrigo de Oliveira Lemos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

E-ISSN: 22388915 / ISSN Impresso: 0102-6267

LICENÇA

Os artigos publicados na revista estão sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

INDEXADORES

  

     

   

 

           Imagen relacionada

   

Flag Counter