O ENREDO DE JANE EYRE COMO REPRESENTATIVO DE VALORES BURGUESES EM CONSOLIDAÇÃO NO SÉCULO XIX

João Pedro Wizniewsky Amaral

Resumo


O presente artigo, a partir de teorias de Georg Lukács (2000), Ian Watt (2010) e Octavio Paz (2012), discute como a modernidade encontrou no gênero romance uma forma de propagação de valores burgueses da época. A partir dessa problemática, buscamos entender como o enredo de Jane Eyre (1847), romance vitoriano de Charlotte Brontë, representa a lógica cultural vigente dessa época. A trajetória da protagonista apresenta a translocação de uma condição de oprimida para uma personagem eminente e responsável por suas próprias ações. Assim, os encadeamentos das ações em Jane Eyre representam os próprios valores burgueses do século XIX que estavam instaurando-se na Europa.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.84839

Direitos autorais 2018 João Pedro Wizniewsky Amaral

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

E-ISSN: 22388915 / ISSN Impresso: 0102-6267

LICENÇA

Os artigos publicados na revista estão sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

INDEXADORES

  

     

   

 

           Imagen relacionada

   

Flag Counter