NASAL, LATERAL OU GLIDE?

Odete Pereira da Silva Menon

Resumo


Pretende-se discutir o que há de comum entre as formas antigas emxuqueção, enxempro, eiceção, marfil, rubim, bargantiis, e as brasileiras modernas Maicom, polkan/poncan, vim. Isso é devido às relações entre fones/fonemas e grafemas? Trata-se de processo inerente à língua, no presente, como o foi no passado? Como tratar a representação grafemática por nasal quando não há condicionadores no vocábulo, como em execução (emxuqueção) e revens (< revees < rebeles) ? Acontece o mesmo com marfil/marfim; rubi/rubim? No final do século XX, houve no Brasil uma “invasão” de meninos chamados Maicom, de Michael(Jackson). Há inúmeras variedades de cítricos facilmente descascáveis a mão, como as mimosas[1], as tangerinas, as morgotes, há também as poncans, ou polkans, ou pocans ... E por que se diz “eu vou vim amanhã” ou “se ele vim, eu dou o recado” ?


[1] Em outras regiões do Brasil, elas recebem nomes como mexericas ou vergamotas ...


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.38281

Direitos autorais



E-ISSN: 22388915 / ISSN Impresso: 0102-6267

LICENÇA

Os artigos publicados na revista estão sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional


APOIO


INDEXADORES

 

          https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=21906

 

 https://www.redib.org/Record/oai_revista3911-organon

https://diadorim.ibict.br/handle/1/694

https://doaj.org/toc/2238-8915?source=%7B%22query%22%3A%7B%22filtered%22%3A%7B%22filter%22%3A%7B%22bool%22%3A%7B%22must%22%3A%5B%7B%22terms%22%3A%7B%22index.issn.exact%22%3A%5B%220102-6267%22%2C%222238-8915%22%5D%7D%7D%2C%7B%22term%22%3A%7B%22_type%22%3A%22article%22%7D%7D%5D%7D%7D%2C%22query%22%3A%7B%22match_all%22%3A%7B%7D%7D%7D%7D%2C%22size%22%3A100%2C%22_source%22%3A%7B%7D%7D

 https://www.mla.org/

     

   

 

 

 

    

 

Flag Counter