A ELISÃO EM CONTEXTOS DE VOGAIS ADJACENTES: IMPLICAÇÕES PARA A TEORIA DA OTIMALIDADE

Gisela Collischonn

Resumo


Este trabalho discute alguns fatores que condicionam a elisão de /a/  em fronteira de palavra e sua interpretação em termos de teoria fonológica. Focalizamos o comportamento de sequências em que a vogal baixa é precedida por uma vogal anterior alta, como no exemplo dia inteiro. A argumentação baseia-se na perspectiva de que o processo de elisão é um efeito de restrições em conflito. Em sequências do tipo /...ia#i.../, a elisão resulta uma sequência [...ii...], que é uma estrutura marcada e, no português brasileiro, é desfeita em outros contextos ou leva a efeitos de bloqueio. Por outro lado, a elisão é uma das escolhas preferidas para esses contextos (d[ii]nteiro), conforme mostram dados de Ludwig Gayer, (2008) cuja análise, feita nos moldes da teoria da variação na amostra de São Borja-RS do Banco VARSUL, nos serve de ponto de partida. As consequências para uma abordagem não-derivacional da fonologia são analisadas.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.38075

Direitos autorais



E-ISSN: 22388915 / ISSN Impresso: 0102-6267

LICENÇA

Os artigos publicados na revista estão sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

INDEXADORES

  

     

   

 

           Imagen relacionada

   

Flag Counter