FANTASIA LEIGA PARA UM RIO SECO: UMA LEITURA POÉTICO-MUSICAL

Bina Maltz

Resumo


Este artigo faz uma leitura poético-musical do poema narrativo orquestrado Fantasia leiga para um rio seco, de Elomar Figueira Mello. Musicalmente, analisa os cantos que o compõem com seqüências narrativo musicais da saga do catingueiro retirante em sua trágica caminhada parapara a morte sabida, avaliando os recursos de instrumentação, voz, ritmo emelodia como responsáveis pela dramaticidade da composição. Literariamente, examina, de um lado, a organização métrica e sonora dosversos como procedimento que, em perfeita consonância com a música, instaura o veio dramático na letra, e a linguagem imagística em alguns delescomo elemento que confere poeticidade ao texto; de outro, aponta para aleitura que faz da tradição oral sertaneja — ao recuperar a seca do Noventinha — e da tradição religiosa — ao apropriar-se do texto bíblico —, as duas vertentes que inspiram o imaginário do poema. Fantasia conjuga estética e semanticamente música e poesia, articula o diálogo entre o velho eo novo, entre o sagrado e o profano e opera, via expedientes literários e musicais, a passagem do estrito viés da música regional para a dimensão universal.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.28694

Direitos autorais



E-ISSN: 22388915 / ISSN Impresso: 0102-6267

LICENÇA

Os artigos publicados na revista estão sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

INDEXADORES

  

     

   

 

           Imagen relacionada

   

Flag Counter