NARRATIVAS DE VIAJANTES DE CIÊNCIA PELA AMAZÔNIA: IMPORTA QUEM FALA?

Raquel Alves Ishii, Juciane dos Santos Cavalheiro

Resumo


Este artigo tem como objetivo refletir sobre narrativas de viajantes de ciência pela Amazônia do século XIX tendo como referência as questões sobre autoria desenvolvidas por Michel Foucault. Dividido em duas partes, busca-se primeiro apresentar o pensamento de Foucault, cuja análise de textos pretende ir além do recorte de autor e obra. Em um segundo momento, apresenta-se uma breve discussão sobre percursos historiográficos de publicações de narrativas de viajantes de ciência enfatizando não a autoria, mas a “função autor” que age como instância discursiva ou instrumento de regramentos de discursividade sobre o quê e o como pode ser dito. Do mesmo modo, em se tratando de discursos de ciência, os elementos da técnica, especialmente a catalogação de espécimes da fauna e flora amazônica, bem como o papel das instituições de pesquisa na produção e circulação de relatos de viajantes de ciência são apresentados como princípios norteadores de uma análise dos mecanismos que produzem e legitimam um discurso de autoridade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.103836

Direitos autorais 2021 Organon

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

E-ISSN: 2238-8915 / ISSN Impresso: 0102-6267


LICENÇA

 

Os artigos publicados na revista estão sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional


APOIO


BASES E INDEXADORES

 

 

 

  Flag Counter