NARRADORES EM CONFLITO NOS CONTOS AMAZÔNICOS DE INGLÊS DE SOUSA: UMA LEITURA NARRATOLÓGICA

José Francisco da Silva Queiroz

Resumo


A obra ficcional de Herculano Marcos Inglês de Sousa tem sido lida a partir da perspectiva mimética platônica: a “imitação da realidade”. Os trabalhos acadêmicos interpretativos têm focalizado, sem atentar para a natureza ficcional das narrativas inglesianas, o material sociológico e político em detrimento da invenção ficcional. Para além dessas referências interpretativas, propomos uma investigação narratológica que reafirma a invenção fictícia dos Contos Amazônicos (1893), por meio das categorias do tipo de narrador e a presença do destinatário fictício (SCHMID, 2010). Considerando essas ferramentas teóricas, afirmamos outra posição mimética que, segundo Aristóteles, explora tanto sua capacidade de “representação da realidade” quanto o caráter “cognitivo da ficção”. O mundo amazônico presente na obra literária inglesiana poderá assim assumir completa autonomia como “mundo narrado” e artefato estético dispensando a identificação com a história e superando a fronteira entre a narrativa factual e a narrativa ficcional (DOLEZEL, 1998).


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.103054

Direitos autorais 2021 Organon

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

E-ISSN: 2238-8915 / ISSN Impresso: 0102-6267


LICENÇA

 

Os artigos publicados na revista estão sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional


APOIO


BASES E INDEXADORES

 

 

 

  Flag Counter