O fim da Teoria da Mídia

M. Beatrice Fazi, Luiza Carolina dos Santos, Marcio Telles

Resumo


Esse artigo considera o papel da teoria em geral e da teoria da mídia em específico. Ao desafiar a possibilidade de um “fim da teoria” que vem ressoando em debates sobre novas mídias, pretendo mostrar a relevância permanente da investigação teórica. Irei abordar como o ato de teorizar é frequentemente compreendido como a criação de um sistema de abstração que envolve certo grau de distanciamento da realidade que deve descrever. Irei posteriormente expor uma falsa concepção em relação a este distanciamento: por exemplo, a visão de acordo com a qual, se teorizar é abstrair a partir da observação, então abstrair é se desengajar dos fatos. Contra essa visão, irei argumentar que a abstração é intrínseca ao mundo e como o experimentamos.


Palavras-chave


Abstração. Big Data. Computação. Filosofia da Mídia . Teoria da Mídia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-858320190.%25p



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)