O semioticista da história: entrevista com Jorge Lozano

Fábio Sadao Nakagawa, Regiane Miranda de Oliveira Nakagawa

Resumo


Nesta entrevista, Jorge Lozano, professor catedrático do departamento de Jornalismo e Novos Meios da Universidade Complutense de Madrid, fala sobre sua concepção da história enquanto construção discursiva e do documento histórico segundo o ponto de vista semiótico. De acordo com tal perspectiva, é a pertinência que nos permite situar se um determinado texto cultural pode ou não funcionar como um documento. Também aborda sua parceria com Umberto Eco e a importância da ideia do “leitor modelo” na obra do autor italiano e a atualidade desse conceito para entender os meios digitais. Por fim, situa de que maneira a semiótica pode contribuir para construir uma inteligibilidade do presente e a dimensão política que envolve qualquer prática pautada pela compreensão do funcionamento dos signos na cultura.  


Palavras-chave


Semiótica. Discurso Histórico. Leitor modelo. Umberto Eco.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201947.6-19



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)