As representações midiáticas da transexualidade na telenovela A força do querer

tarcyanie cajueiro santos, Georgia Mattos

Resumo


Este artigo reflete sobre a representação que a telenovela A força do querer, da Rede Globo, construiu sobre a transexualidade, por meio da/do personagem Ivana/Ivan. A análise do trabalho se utiliza do instrumento analítico do Circuito da Cultura, aporte teórico-metodológico dos Estudos Culturais, que compreende cinco processos distintos – representação, identidade, produção, consumo e regulação – como responsáveis por produzir significados na sociedade. São processos diferenciados que se articulam na construção de sentidos. Neste artigo, apresenta-se o conteúdo trabalhado no eixo Representação, com o apoio teórico dos estudos queer de Judith Butler. O estudo conclui que a telenovela teve a intenção de promover um discurso a favor da diversidade, desmistificando concepções essencialistas e apontando para novas possibilidades de identidades generificadas, trazidas à tona a partir da experiência da transexualidade. Ainda assim, a telenovela construiu um sujeito transexual de acordo com os parâmetros do discurso médico e, dessa forma, sua representação estabelece uma verdade sobre a transexualidade, que confina a identidade transexual aos padrões rígidos do que é ser transexual, deixando de lado as diversidades e as pluralidades que existem em cada experiência.


Palavras-chave


Transexualidade. Representação. Estudos Queer. Telenovela.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202049.214-232



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)